Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

A recessão acabou. Mesmo?!

postado em Artigos


03/2017

Por Ricardo Amorim

 

 

Num dia, o Ministro Henrique Meirelles decretou o fim da recessão. No dia seguinte, foi divulgado o PIB: a oitava queda trimestral consecutiva e uma retração de 3,6% em 2016. Segundo o ministro, estes dados refletem o passado, uma visão pelo retrovisor, e não o presente ou o futuro.

 

Tecnicamente, o ministro tem razão. Por que, então, as pessoas se atêm à imagem no retrovisor ao invés de olhar diretamente para o futuro? Porque a imagem no retrovisor é nítida; já a imagem do futuro no para-brisas é embaçada.

Enquanto o motorista estiver em uma estrada reta e sem obstáculos, dirigir pela imagem do retrovisor até pode funcionar. Quando as curvas ou obstáculos inevitavelmente chegarem…

 

Como, então, formar uma imagem do futuro mais realista do que uma mera fotografia do passado? Aí é que entram os indicadores antecedentes. Eles mudam de direção antes da economia como um todo, apontando o caminho que a economia geralmente segue na sequência. Como se, logo à frente, houvesse outros carros enviando sinais do caminho ao carro de trás. Assim, o carro de trás teria uma boa ideia das curvas à frente.

 

Curva na economia, é isso que vários indicadores antecedentes têm apontado. A recessão parece ter ficado para trás. O crescimento parece estar chegando.

 

Comparando janeiro com dezembro e descontando-se a sazonalidade – as diferenças normais entre meses diferentes do ano ̶ o tráfego de veículos leves nas rodovias cresceu 1,6%, indicando que as pessoas estão viajando mais; as vendas nos supermercados cresceram 1%, mostrando recuperação no consumo; as vendas de papelão ondulado, que indicam a demanda por embalagens e a expectativa de vendas da indústria, cresceram 1,8%; as importações de bens intermediários, que também indicam as expectativas da indústria, cresceram 1%; a produção de motos cresceu 9,1%. Se sustentadas ao longo de todos os meses do ano, estas taxas de crescimento fariam com que, em dezembro, estes indicadores fossem entre 12,7% e 184,4% maiores do que em dezembro do ano passado.

 

Na comparação com janeiro de 2016, a produção da indústria cresceu 1,4%, a primeira alta em três anos, e os investimentos de empresas estrangeiras no país foram os maiores da história, sinalizando que os gringos estão mais confiantes do que nós com nosso país. A recuperação parece ter continuado em fevereiro. Na comparação com janeiro, descontando a sazonalidade, o emplacamento de veículos comerciais leves cresceu 11,6% e a confiança do consumidor cresceu 2,5%. Consumidores mais confiantes gastam mais, alavancando as vendas das empresas. Vendendo mais, as empresas acabam contratando mais trabalhadores, aumentando a renda da população e o próprio consumo, em um círculo virtuoso.
 
Estes dados são insuficientes para sermos taxativos sobre a tendência futura da economia, mas há ótimas razões ̶ começando pela queda dos juros e a perspectiva de aumento do crédito e, por tabela, do consumo e investimento ̶ para crer que a recuperação tem tudo para se sustentar, salvo uma séria crise externa ou um agravamento da crise política que impeça o avanço no Congresso das reformas da Previdência, Trabalhista e Tributária.
 
Em função da recessão, da queda do dólar e de uma super-safra de alimentos, a inflação está em queda livre, o que tem permitido e continuará a permitir que o Banco Central corte a taxa de juros. A perspectiva de que os juros caiam mais estimula os bancos a emprestar antes que as taxas, e portanto a rentabilidade dos empréstimos para os próprios bancos, estejam mais baixas, o que deve fazer com que a oferta de crédito volte a crescer, estimulando o consumo e os investimentos das empresas. Mais consumo, mais vendas. Mais investimentos, mais empregos.
 
Em janeiro, o número de pessoas que perderam o emprego já foi menor. Mais importante e surpreendente, a indústria paulista contratou mais do que demitiu pela primeira vez em quase dois anos. O desemprego costuma ser a última das variáveis econômicas a responder a mudanças de cenário econômico. A confiança das empresas na recuperação tem de ser grande para elas voltarem a contratar. Quedas da taxa de desemprego ainda no primeiro semestre serão surpresa, mas no segundo semestre, elas devem começar, intensificando-se ao longo do ano que vem.
 
Apesar disso tudo, é importante manter expectativas realistas. A queda do PIB em todos os trimestres do ano passado garante que, na melhor das hipóteses, teremos um crescimento ínfimo do PIB neste ano, não porque a recuperação econômica necessariamente será fraca ou lenta, mas por razões do método estatístico. O crescimento do PIB anual é calculado somando-se o PIB dos quatro trimestres de um ano e comparando a soma com a soma do PIB dos quatro trimestres do ano anterior. Como o PIB caiu nos quatro trimestres de 2016, o PIB do último trimestre foi quase 2% menor do que o PIB do primeiro trimestre. É desta base menor que iniciamos 2017. Por isso, se o PIB trimestral simplesmente permanecer no mesmo nível do último trimestre de 2016 ao longo dos quatro trimestres de 2017, ou seja nem crescer nem cair nada, o PIB anual registrará uma queda de 1,1%. Apenas para que o PIB anual permaneça estável em 2017, temos de ter um crescimento médio anualizado de 1,8% nos quatro trimestres de 2017.
 
Isto é importante porque a sensação que teremos da economia e o impacto que ela terá na vida das pessoas ao longo de 2017 serão bem melhores do que a variação do PIB anual vai sugerir. Além disso, se o PIB efetivamente crescer ao longo dos quatro trimestres de 2017, o PIB do quarto trimestre será bem maior do que o PIB do primeiro trimestre do ano, o que causará o efeito estatístico oposto nos dados do PIB do ano que vem, inflando a taxa de crescimento anual, o que pode até ajudar eventuais candidatos do atual governo na corrida eleitoral de 2018.
 
Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedIn, único brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner e ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças de 2016.

 

Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.

 

Clique aqui e conheça as minhas palestras.

 

Siga-me no: Facebook, LinkedIn, TwitterYouTube, Instagram e Medium.

 
 





    Pablo Tuffano disse:
    12 de março de 2017 às 22:15

    Excelente texto como sempre, linguagem simples para entender o cenário atual do pais.

    Eu já comecei a ver os benefícios dessa leve recuperação aqui no meu pequeno negocio e estou confiante que continuará melhorando.



    JOSE LUIZ GAMALIEL PINTO disse:
    13 de março de 2017 às 9:17

    Não dúvida que o processo de recuperação econômica começou timidamente, ancorado pela melhoria da confiança dos agente econômicos. Por outro lado, o Governo precisa ser coerente e dar sinais claros do comprometimento com o ajuste fiscal. Chamo a atenção para a notícia veiculada hoje, que aumenta em 36% os gastos comas forças armadas. No ano passado o Governo atendeu todos os pleitos de aumento dos servidores públicos. O Governo não tem nenhum projeto para reduzir o tamanho do Estado, ao contrário, vem aumentando.



    15 de março de 2017 às 23:08

    Pelo menos o burburinho do mercado está mudando, em 2016 todo mundo dizia que seria um ano difícil, apesar de ter sido realmente para alguns setores, outros entraram na retração devido aos boatos. Esse ano a conversa já está diferente, o mercado está mais esperançoso! Parabéns pelo texto, sempre muito explicativo! Acompanho sempre



    17 de março de 2017 às 16:52

    Os negócios estão começando a melhorar agora, e como você bem disse Ricardo o crescimento do PIB traz boas expectativas tanto para as pessoas e seus comércios como também para os políticos. Ótima resenha como de costume.



    18 de março de 2017 às 15:10

    Com certeza há uma boa perspectiva para o futuro. Ótimo texto, como sempre…



    Victor Zanete disse:
    18 de março de 2017 às 17:43

    Belo texto Ricardo! Como sempre, você consegue retratar muito bem a situação do País. Abraço.



    Roberto Silva disse:
    21 de março de 2017 às 15:41

    Excelente texto, acompanho sempre seus textos, outro dia gostei muito de uma entrevista sua onde você falava como o governo americano vai perder e muito com a deportação dos imigrantes ilegais. Assisto sempre o Conection também, grande abraço e sucesso sempre!



    Norma disse:
    21 de março de 2017 às 19:28

    Ricardo voce é fantastico, o ruim é entender para onde vai o Brasil.



    22 de março de 2017 às 19:32

    Excelente artigo, Ricardo! Como sempre, tu consegues nos fazer refletir. Neste caso eu estou enxergando uma esperança, já sinto uma leve diferença no mercado. Abraço!



    Rodrigo Barba disse:
    27 de março de 2017 às 16:29

    Como sempre um belo artigo! ainda estou com um pé atrás sobre o futuro do Brasil, mas espero dias melhores!



    Rodrigo disse:
    10 de abril de 2017 às 12:42

    Fato é que ainda teremos a recessão. Ricardo, estamos vivendo uma das piores épocas do país. Está tudo descontrolado… :/



    João disse:
    15 de abril de 2017 às 12:19

    Belíssimo artigo. Explanação direta e esclarecedora.
    Parabéns.



    roberto disse:
    19 de abril de 2017 às 6:47

    Excelente texto Ricardo como sempre, essa leve recuperação já ajuda bastante levando em conta tantos problemas enfrentados.



    josé almeida disse:
    4 de maio de 2017 às 10:55

    Artigo top de muita qualidade, espero que o pais saia desse buraco.



    22 de maio de 2017 às 16:19

    É Ricardo, parece que estamos longe disso. Vivemos uma era sombria.



    Musica disse:
    24 de maio de 2017 às 9:16

    Estava melhorando, mas devido a esta briga partidária fica difícil acreditar que um dia teremos realmente um país realmente democrático e igualitário.



    Ronald disse:
    5 de junho de 2017 às 11:08

    Excelente texto, como sempre… Espero que mais uma vez os nossos políticos não venham estragar o cenário econômico.



    Bete disse:
    5 de junho de 2017 às 16:01

    Ótimo texto. Também acho que o Governo precisa ser coerente e dar sinais claros do comprometimento com o ajuste fiscal.



    Timea Sule disse:
    8 de julho de 2017 às 9:28

    Muito bom. A recessão vai durar enquanto os políticos insistirem no caos. Não dá mais. Acorda Brasil!



    Daniel Thomas disse:
    8 de julho de 2017 às 9:29

    Muito bom artigo. Parabéns.



    Pedro disse:
    24 de agosto de 2017 às 16:16

    O artigo é realmente muito bom! Trabalho com empreendedorismo digital, espero que a economia cresça em 2018.



    27 de agosto de 2017 às 15:47

    Nunca acaba. Brasil e seus vôos de galinha.



    Tiago S. disse:
    6 de outubro de 2017 às 20:31

    A pergunta é sempre a mesma, quando vem outra.



    Juliana disse:
    13 de outubro de 2017 às 16:46

    Muito bom o texto.. mas e agora, as projeções se concretizaram? Qual o cenário para o próximo ano? Vejo a economia meio que como uma gangorra atualmente.



    Justino disse:
    25 de outubro de 2017 às 21:37

    Ótimo artigo,desejo de coração que o Brasil possa sair logo dessa crise.



Deixe seu comentário