Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Bovespa: alta de 2009 é a ponta do iceberg.

postado em Artigos


Publicado em: www.clubelunico.com.br

dezembro de 2009

Muita gente se surpreendeu com a alta de cerca de 100% das ações brasileiras em 2009

Muita gente se surpreendeu com a alta de cerca de 100% das ações brasileiras em 2009, com o índice Bovespa voltando às máximas pré-crise financeira. Muitos diziam que era impossível prever algo assim (veja vídeo abaixo).
[http://www.youtube.com/watch?v=kLfYF1sRCYg]

Por que era fácil fazer essa previsão? Porque uma alta desta magnitude é a regra – e não a exceção – após uma baixa de cerca de 60% dos preços, seguida de uma enorme expansão monetária, que foi exatamente o que aconteceu no final de 2008… e também no final de 2002.

Assim como em 2008, em 2002 a Bolsa brasileira sofreu uma queda enorme até outubro. Advinhem o que aconteceu ao longo de 2003? A Bovespa subiu mais de 100%.

Agora, muitos dizem que depois de uma alta tão grande em 2009, a Bovespa deve cair em 2010. Discordo.

É óbvio que, mesmo em um movimento de alta de longo prazo, como o atual, a Bolsa sofrerá correções temporárias, algumas delas grandes – podendo chegar a quedas de até 25% em relação às máximas até aquele momento. Ainda assim, eu ficaria bastante surpreso de ver a atual tendência de alta ser revertida em 2010, por duas razões.

Primeiro, os bancos centrais injetaram cerca de US$ 15 trilhões nos bancos ao longo do último ano para tentar conter, ou ao menos limitar, a crise financeira global. Os bancos dos países ricos, por sua vez, preocupados com o aumento do desemprego e da inadimplência, optaram por comprar ativos, ao invés de conceder crédito. Com seus consumidores ainda muito endividados e sem uma recuperação firme em seus mercados de trabalho à vista, é improvável que os bancos centrais retirem uma parcela significativa destes estímulos muito em breve. Por consequência, continuará sobrando dinheiro para compras de ativos no mundo, incluindo ações brasileiras.

Segundo, puxada por uma forte expansão doméstica de renda e crédito, e por um crescimento acelerado da economia chinesa e sua fome por commodities, a economia brasileira deve ter, em 2010, o maior crescimento desde 1986, superando 6%.

Com tudo isso, acredito que veremos, ainda ao longo de 2010, o índice Bovespa se aproximar, ou até ultrapassar, o patamar de 100 mil pontos. Aliás, por ora, continuo mantendo a previsão que fiz em outubro de 2008 – quando o índice Bovespa estava em 33 mil pontos – que até 2015, ele deve chegar ao patamar dos 200 mil pontos.

Para quem acha que isso é uma loucura, o que aconteceu após a crise de 2002, pode ser novamente uma boa bússola. Entre outubro de 2002 e maio de 2008, o índice Bovespa subiu de pouco mais de 8 mil pontos para mais de 73 mil pontos. Se tivermos uma alta parecida em relação aos níveis mínimos atingidos em outubro de 2008 – e até agora a alta tem sido bastante similar – chegaríamos em maio de 2014 a 270 mil pontos. Por esse parâmetro, uma previsão de que 200 mil pontos serão atingidos até 2015 parece até bastante conservadora.

Adeus, 2009. Bem-vindo 2010!





    Max Roberto Miyazaki disse:
    29 de novembro de 2010 às 20:36

    Já chegando ao fim de 2010 e com todos os problemas fiscais dos países eupopeus, você ainda está otimista com a bolsa?



    Felipe disse:
    2 de junho de 2013 às 20:47

    Estamos em junho de 2013, vai a 270 mil pontos até o ano que vem entao Ricardo????
    Sds



    Ronaldo disse:
    3 de maio de 2014 às 21:12

    Sim, os bancos injetaram dinheiro, e daí? Se não houver confiança no Brasil, ninguem investe. Vide o que aconteceu em 2010, bolsa andou de lado! e vamos passar um bom tempo corrigindo essa bomba



    lukater disse:
    24 de fevereiro de 2016 às 22:11

    é incrível como um post antigo desses soa ao mesmo tempo tão atual é curioso ver essas previsões.



Deixe seu comentário

Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente