Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Como funcionam os ciclos econômicos e onde o Brasil está

postado em Artigos


06/2018

Por Ricardo Amorim

 

 

Como funciona um ciclo econômico? Ele se divide em duas fases que se alternam. Na mais longa, a de expansão, a economia cresce até atingir um novo pico. Nela, são gerados desequilíbrios macroeconômicos (inflação, déficits de contas externas ou déficits fiscais) que, para serem corrigidos, exigem a adoção de medidas que acabam fazendo a economia parar de crescer, dando início à fase seguinte, a de contração. Esta, por sua vez, dura até estes desequilíbrios serem suficientemente reduzidos para que a economia possa voltar a crescer.

 

Aí, começa um novo ciclo econômico, com uma nova fase de expansão, que é dividida em duas subfases. A 1ª dura até que o antigo pico seja atingido novamente; é o período de recuperação. A 2ª vai até um novo pico; é o período de prosperidade, quando a sociedade alcança níveis de produção e renda nunca atingidos antes.

 

Na fase de recuperação, como o próprio nome diz, o país apenas recupera a prosperidade perdida na contração anterior. Nela, o desemprego ainda é alto e a sensação ruim, mas o crescimento costuma ser mais acelerado e as oportunidades de negócios e investimentos até melhores do que na fase de prosperidade.

 

No Brasil, atingimos o último pico no quarto trimestre de 2014. Na sequência, em função dos desequilíbrios de contas externas e fiscal e inflação gerados na expansão anterior, agravados pela crise política que dificultou a implementação das medidas necessárias para resolvê-los, tivemos a mais longa e profunda contração da História brasileira, que durou até o último trimestre de 2016.

 

 

Desde então, estamos na fase de recuperação. Apesar da corrupção e do caos político que ainda imperam e empobrecem o país, o PIB brasileiro cresce há 5 trimestres consecutivos. No entanto, fomos tão ao fundo do poço na última contração que, apesar da recuperação, o desemprego continua altíssimo e a maioria das pessoas ainda não nota a melhora da economia porque ainda estamos muito abaixo do último pico. O pior é que com a não aprovação da Reforma da Previdência – que fragilizou as contas públicas – mais a elevação dos juros nos EUA e as incertezas eleitorais – que fazem o dólar subir, elevando a inflação – somados à paralisação do país com a greve dos caminhoneiros – que sozinha deve reduzir o crescimento da economia brasileira em cerca de 1 p.p. – o risco de que tenhamos um soluço na recuperação econômica nunca foi tão grande. E logo quando a recuperação estava se acelerando com, por exemplo, a produção da indústria crescendo 8,9% em abril, o maior crescimento em 5 anos.

 

Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedInúnico brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner, ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças, presidente da Ricam Consultoria e cofundador da Smartrips.co e da AAA Plataforma de Inovação.

 

Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.

 

Clique aqui e conheça as minhas palestras.

 

Siga-me no: Facebook, TwitterYouTubeInstagramMedium e LinkedIn.

 
 





    Luiz Contador disse:
    20 de junho de 2018 às 10:11

    Parabén Ricardo. Você é meu idolo desde a Rádio Eldorado!
    Seu conhecimento é invejável. você traz a economia para o mundo popular onde podemos compreender.



    Milena Santos disse:
    20 de junho de 2018 às 11:30

    Amei!!!

    Excelente artigo!

    Sempre com artigos excelentes, com bastante informações e dicas extraordinárias.

    Parabéns!



Deixe seu comentário