Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Mas afinal, quanto custa a corrupção?

postado em Artigos


Revista IstoÉ
08/2012
Por Ricardo Amorim

 
Os efeitos nocivos da corrupção são muitos e óbvios. Olhando apenas o lado econômico, ela prejudica a eficiência do gasto público e desestimula investimentos, reduzindo o crescimento, a geração de empregos, os serviços como educação e saúde, e a renda da população.
 
Estimar seu custo não é fácil. Corrupto não passa recibo, pelo menos não na maioria das vezes. Ainda assim, várias tentativas foram feitas para mensurar quanto é desviado da atividade produtiva através de atos corruptos no Brasil e no mundo.
 
Ainda que imprecisas, estimativas indicam que a corrupção reduz nosso PIB em até 2,3% desviando, em valores atuais, cerca de R$ 100 bilhões da economia brasileira todo santo ano. Se este dinheiro não fosse surrupiado seria possível ampliar em sete vezes o Bolsa Família. Outra opção seria dobrar os investimentos públicos em infraestrutura, melhorando estradas, ferrovias, portos, aeroportos. Outra ainda seria abolir o imposto de renda sobre rendimentos do trabalho, aumentando o poder de consumo de cada um dos brasileiros. Mais uma seria extinguir o IPI e o IOF, tornando produtos e financiamentos mais baratos no país.
 
Infelizmente, nada disso acontecerá. Pior, estas estimativas abrangem apenas custos mensuráveis. Além deles, há custos incomensuráveis significativos. Um deles é a perda de foco de outros problemas que limitam nosso crescimento. Enquanto o país acompanha a novela do julgamento do mensalão e a CPI do Cachoeira, projetos de reformas fundamentais não são nem discutidos no Congresso.
 
Outro custo incalculável é a desconfiança que se lança sobre o lucro, o qual deve ser um dos principais motores de qualquer economia capitalista saudável. Quanto mais o governo se envolve em atividades econômicas, mais suspeitas – corretas ou não – recaem sobre sucessos empresariais, com menos incentivo ao empreendedorismo, e como consequência menos crescimento, riqueza e empregos.
 
Corrupção não é exclusividade brasileira. Estima-se que, neste ano, o mundo perderá R$ 2,5 trilhões, equivalentes à metade de tudo que será produzido no Brasil. Eliminá-la completamente é uma utopia, mas inúmeros casos de sucesso em reduzi-la, em outros países, mostram que combatê-la ferozmente vale muito a pena.
 
Ricardo Amorim

Economista, consultor, apresentador do programa Manhattan Connection da Globonews, colunista da revista IstoÉ e presidente da Ricam Consultoria. Realiza palestras em todo mundo sobre perspectivas econômicas e oportunidades em diversos setores, é o único brasileiro incluído na lista dos melhores e mais importantes palestrantes mundiais do site inglês Speakers Corner e é o economista mais influente do Brasil e um dos dez mais influentes do mundo de acordo com o site americano Klout.com
 

 





    Alexandre disse:
    26 de agosto de 2012 às 20:11

    Todo mundo fala na corrupção (e é sempre a política, porque todos os Brasileiros não-políticos devem ser santos…). Mas será que a corrupção merece ser inimiga pública número 1?
    Certa de METADE dos impostos coletados pelo Governo Federal serve para pagar dívida (juros e principal). “Somente” 6% do Orçamento dos EUA serve para esse mesmo fim. Se o Brasil conseguisse ter esse mesmo 6%, liberaria cerca de 40% do Orçamento para tudo o que o Ricardo mencionou. Ou seja, há muito mais dinheiro na dívida do que na corrupção.

    Quem deveria ser inimiga pública número 1?



    27 de agosto de 2012 às 8:26

    Caro Ricardo

    Você tem toda razão, estamos vendendo uma imagem muito ruim do nosso modelo de gestão.
    Se algo não for feito de imediato para coibir abusos, a situação só ira piorar.
    É uma pena que os exemplos atuais fiquem impregnados nas mentes dos nossos jovens, o que será do futuro.
    Vamos torcer para que uma mudança radical seja implementada.



    27 de agosto de 2012 às 8:46

    Outro custo oculto e imensurável,está relacionado à Segurança pública e privada. A corrupção sem punição em muitos casos espalha um sentimento de impunidade generalizada, que é um grande incentivo à prática de diversos tipos crimes, que aumentam os custos com segurança pública e privada, sem falar o desestímulo em alguns casos, de realizar negócios por total insegurança.



    27 de agosto de 2012 às 9:29

    Caros O tema é palpitante e assustador. O pior é que o Governo cada vez mais abre brechas para que a corrupção ocorra. Vale lembrar que fora “o por fora”, temos a “corrupção” “por dentro” que é por exemplo todas as mazelas que daremos a quem “ganhar” a concorrência do tão necessário e prioritário investimento no famigerado TREM BALA….



    Sergio Mella disse:
    27 de agosto de 2012 às 11:34

    A corrupção só deixará de existir (ou pelo menos diminuirá substancialmente) quando os brasileiros criarem vergonha na cara e deixarem de corromper, pois, não existe corrupto sem corruptor. Enquanto empresários colocarem a ganância acima da moral, aceitando superfaturar para devolver parte do valor em forma de propina, continuaremos vítimas desse câncer. Aliás, o Brasil como um todo precisa ser passado a limpo, pois, numa sociedade onde falsificam remédios, adulteram combustíveis, sonegam impostos, etc, etc, ou seja, fazem qualquer negócio para “levar vantagem”, o que podemos esperar dos políticos? Não podemos nos esquecer que os políticos saem dessa sociedade podre e vão ocupar cargos públicos só pensando em “se dar bem”, fazendo na vida pública a mesma coisa que fazem na “privada” (sem trocadilho).



    27 de agosto de 2012 às 13:42

    O Brasil tinha que ter um lei tão rígida como a FCPA dos EUA após o decreto Presidente Bush, cansamos de elaborar leis contra a corrupção como a que recentementee está em trâmite de aprovação no congresso que não tem poder efetivo de punição.

    Enquanto fizermos leis para serem descumpridas, eles serão facilmente bulardas.



    27 de agosto de 2012 às 14:37

    Realmente este tema corrupção deveria tomar conta de toda a imprensa noticiosa sempre na primeira página para ver se definitivamente e corretamente tanto corruptos como corruptores se envergonhassem e refletissem sobre o mal que fazem para o país, seus semelhantes, seus filhos ou seja todos aqueles que “tem” um pouco deste país. Lamentável mas temos que tratar assim>>>>>>>>>>>>>



    Marcos Mattiuzzo disse:
    27 de agosto de 2012 às 19:56

    Farei um contraponto. Embora economia não seja uma ciência físico-química, lanço mão de uma lei de Lavoisier: “Na natureza, nada se perde, nada se cria, tudo se transforma”.
    Também abomino a corrupção e considero que a sociedade humana já deveria, com tanta tecnologia, ter-se dado conta que existem vários valores nobres aos quais deveríamos de fato por toda nossa energia.
    Mas assim como um rio que possui um volume de água e a mesma é utilizada para gerar energia, se uma parte dela é desviada a energia não é gerada, mas a água desviada não some.
    O dinheiro desviado da corrupção, assim como suas atividades em si geram outros recursos. A indústria da auditoria não seria tão desenvolvida e esta sim conta no PIB de serviços.
    Da mesma forma a indústria de TI, a de seguros e segurança em geral, tem parte de seu faturamento incrementado face às precauções para evitar a corrupção. Veja o SPED, por exemplo.
    E por fim, o dinheiro corrupto, ainda que “execrado”, não fica parado esperando apodrecer. Ele retorna à economia de alguma maneira e a movimenta. Assim, penso que os índices não levam isso em conta.
    O raciocínio não pretende ser perverso e não faço apologia da corrupção. Defendo sim a eliminação da mesma, mas talvez, por uma questão mais poética e sentimental, menos financeira e racional. É que a sua existência diminui em muito o coeficiente de felicidade. Não creio que nem mesmo os corruptos e corrompidos sintam-se bem com o que fazem. Interiormente, é muito provável que estejam corroídos, pois se têm poder, não tem autoridade e legitimidade perante si mesmos e isso nem Freud explica.



    Wilson Sales disse:
    28 de agosto de 2012 às 12:07

    Pelos números apresentados fica a pergunata: A quem interessa a corrupção?
    São tantos os organimos internacionais para melhorar a vida dos habitantes do mundo que me pergunto se eles não são os verdeadeiros coadjuvantes desta avassaladora epidemia que se alastra na Terra.
    São seminários, conferências, encontros multilaterais e troca de acordos que repito uma frase de um professor “apenas diárias, hospedagens e passagens”.



    Carolina disse:
    13 de setembro de 2012 às 13:38

    Concordo com Sergio Mella, sem corruptores, políticos sobreviveriam MUITO bem com seus salários. O empresariado brasileiro precisa criar vergonha e parar a máquina da corrupção. Culpar políticos das mazelas que sofremos é fácil. Mas pergunto a quem critica: paga todos seus impostos? Pede NF em cada compra que faz? DÁ NF em cada compra/serviço que vende? Nunca sonega? Nunca compra produtos piratas? Nunca suborna um guarda? Para exigir ficha limpa, temos e devemos limpar a nossa, de cidadãos. Cada povo tem o governo que merece.



    Eurypedis disse:
    3 de outubro de 2012 às 15:16

    Sendo mais “pé no chão” e mais simplista a pergunta que se faz é a seguinte: “Quanto custa um julgamento desse porte para a nação?”
    Salários de juizes e auxiliares, horas extras,etc…
    A nação pára para pagar o pato!
    País de primeira e governantes de segunda.



    Cris disse:
    2 de novembro de 2012 às 16:35

    Está na hora da imprensa colocar matérias de projetos que os políticos fizeram, quais as melhorias e quais os planos daqui pra frente que irão fazer. Estampa-los!! Eu só vejo quantidade, partido ganhou ali partido perdeu aqui, números e mais números. Eternizam política como jogo. Política é trabalho e coisa séria. Basta!!! E o que o povo tem a ver se fulano trocou de partido ou ciclano? se colocassem isso em suas colunas hipocrizavam menos.



    Dr. Miguel Ângelo Torres Potenza disse:
    10 de janeiro de 2013 às 1:01

    O ordenamento jurídico brasileiro está mais preocupado em “condenar” ou “absolver” do que propriamente resgatar o dinheiro do povo que foi desviado.
    É muito mais importante para a nação que os réus do mensalão, antes de terem suas penas diminuídas, fossem disponibilizadas ferramentas jurídico-legais que facultassem ao Ministério Público oferecer essas diminuições em troca das informações sobre os “caminhos” e muitos “destinos” que o dinheiro desviado percorreu- de acordo com o instituto da “bargain” norte-americano, ou barganha processual em bom português; além de outros institutos de direito para a proteção da vida dos réus e familiares, troca da identidade, nova vida no exterior;etc.
    Do contrário, condenação sem atenuantes, nem tampouco reduções das penas, ou privilégios que a lei penal brasileira hoje possibilita.
    Ordenamento jurídico penal brasileiro é falho, arcaico, cheira a pó, o Código Penal é da década de 1940,e alei do colarinho branco condena os “mensaleiros”, mas não os pune à altura dos anseios do povo brasileiro.
    OLHEM OS MENSALEIROS, passaram o Natal em casa com a família e o nosso dinheiro. Pior, voltaram ao Congresso para aprovar ou rejeitar as leis que nós, cidadãos comuns, deveremos obedecer e cumprir.
    Conclusão: “OS CORRUPTOS NÃO TEMEM A LEI, A IMPUNIDADE SE ALASTRA COMO NUNCA”.



    Danyroque disse:
    4 de junho de 2013 às 15:48

    Há que considerar também a corrupção pessoal e corriqueira, que ocorre quando se deixa de fazer aquilo que se deveria fazer, ou seja, a ineficiência das pessoas no próprio trabalho, seja por incapacidade ou por preguiça, principalmente no funcionalismo público.



    Flavio Valiatti disse:
    21 de junho de 2013 às 20:10

    Além da corrupção existe o mal investimento. Muitas vezes um mal investimento é feito para criar o mecanismo que vai permitir a corrupção dentro do processo. Corrupção que é mínima perto do valor total do investimento inútil resultante. Imaginem o prejuízo neste caso. Se cria um elefante branco para roubar umas migalhas, mas o elefante não leva migalhas!



    22 de junho de 2013 às 10:51

    O desejo hoje é de que as coisas melhorem. Não sabemos ainda como, mas almejamos isto.



    Osmar Cassão disse:
    30 de junho de 2013 às 7:31

    Bom dia. Não concordo com essa conta. A corrupção é um câncer e deve ser combatida com vigor. Entretanto os recursos são desviados dos cofres públicos, mas não desaparecem. Os corruptos também movimentam a economia com o dinheiro roubado. Dizer que o impacto no PIB é de 2,5% é como supor que os corruptos fazem uma fogueira como nosso dinheiro, o que não é verdade.



    Evandro disse:
    13 de novembro de 2013 às 20:59

    Sei la, ninguem da midia tem coragem de admitir que é uma conspiração comunista que é a base da corrupção vai fazer o que… Diz que o Lula ja desvio R$ 1 bilhão só pra Cuba..



    13 de novembro de 2013 às 23:21

    O maior prejuízo que a corrupção causa, na verdade, é a deformação moral de um povo. A descrença em valores que deveriam ser eternos.



    Adriano Ribeiro disse:
    23 de novembro de 2013 às 0:13

    Muito se fala em corrupção, e com razão. Mas, se tivéssemos um Poder Judiciário descente, ativo, célere, sério e isento de corrupções e mil faucatruas, os prejuízos causados pela corrupção seriam muito menores. Mas, enquanto o Judiciário for subserviente ao Executivo, e enquanto as decisões judiciais forem políticas e não jurídicas, jamais atingiremos os patamares de lucidez democrática atingidos por outros países mais bem sucedidos!



    Celso Dal Secco disse:
    15 de fevereiro de 2014 às 17:38

    Gostei do artigo.
    Desejar que as coisas melhorem não é suficiente. Os Brasileiros precisam reclamar menos e agir mais. É preciso que os cidadãos honestos estejam dispostos a participar mais da vida política, a se sacrificar pelo bem de sua comunidade. Isso tudo começa a nível de seu bairro e de sua cidade para depois ser expandido a nível estadual e nacional. Quantos de nós aqui, após votarmos na eleição, mantemos contatos regulares com os representantes que elegemos? Votar na eleição é o mínimo. O Brasil precisa de uma nova geração de politicos honestos, bem preparados e bem intencionados. Enquanto os bons continuarem a se omitir, os lobos permanecerão no poder roubando a sociedade.



    Elcio Tampieri disse:
    3 de maio de 2014 às 8:41

    Mordomia e corrupção só são boas para os que estão nelas!



    João Mezzomo disse:
    6 de maio de 2014 às 12:56

    Agora vi que o autor diz que a corrupção “reduz nosso PIB em 2,3%”. Neste caso é certo que ele usou o estudo da FIESP, o qual diz isso, que a corrupção reduz o PIB de 1,5% a 2,3% (ele escolheu o valor mais alto, para causar mais impacto!). Pra começar, se a corrupção reduz o PIB, isso não quer dizer que se não houvesse corrupção este pretenso aumento do PIB seria aplicado socialmente. Do PIB formal somente 25%, segundo o Banco Mundial, vai para a esfera pública, pois uma boa parte dos valores arrecadados são devolvidos aos cidadãos (as chamadas TAPS). O estudo da FIESP, além de ser um chute da pior espécie, com erros de redação incluive, parte do pressuposto que a corrupção reduz o PIB, mas na linha do “estado mínimo” defendida no artigo ela deveria aumentar o PIB, pois afinal é dinheiro que é salvo das “mãos corruptas do Estado” e vai para a “santa iniciativa privada”. Ou, de outro modo, se ela altera o PIB teríamos de reconhecer o papel do Estado como fomentador da atividade econômica. Na pratica ela somente altera o PIB se concentra renda, se ela distribui não altera em nada. Sou contra a corrupção, como todo o mundo. Mas no Brasil se gasta muito tempo dicutindo uma coisa irrelevante. Como disse, mesmo que seja 100 bilhões ano, isso dá R$ 40 por mês por cidadão. Se reduzíssemos esse valor a zero, algo inédito no mundo, não resolveria o problema da educação, da saude, da infraestrutura, do individamento público. O brasileiro, depois de um duro dia de trabalho, para o qual ganha mal, pois os salários são baixos, chega em casa e liga a TV para ficar vendo corrupção. É dose.!!!! Em todos os paises do mundo existe desvio de impostos, mas eles não ficam falando disso o tempo todo. Por vários motivos. Primeiro pois tem mais o que fazer na sua folga. Segundo, por que ninguém normal gosta de ficar mostrando suas mazelas aos vizinhos. Terceiro, por que a questão não é tão relevante, nem podemos fazer muito para alerá-la significativamente. Uma parte se perde por inúmeros motivos, o mais comum é que as pessoas gostam de dinheiro, se deixam de bobeira todo o mundo pega, até os padres do Vaticano. Então lá fora os caras investem em controles (como fazemos aqui, mas parece que nem os economistas mais prestigiados sabem disso) e vão pensar em outra coisa. Mas o brasileiro não!!! Ele fica falando o tempo todo sobre isso, escandalizado(o autor do artigo chegou a imaginar o Lennon fazendo uma música sobre isso, pode????). O motivo já falei, na construção psicológica do brasileiro, que quer rapidamente se declarar irresposável pelo seu pais, é importante acreditar que ele já paga muito e não volta nada. Então ele repete esse mantra o dia inteiro, sem parar.



    Thomás disse:
    6 de maio de 2014 às 15:45

    Parabéns Ricardo pelo excelente artigo. O brasileiro precisa se envolver mais neste debate fundamental, e pressionar os parlamentares a desengavetar os 388 projetos e PECs que tratam da corrupção no Congresso.



    Alberto Gemal disse:
    7 de maio de 2014 às 15:40

    Não confundam! Corrupção é efeito! Não causa! Porque temos leis frouxas, porque temos governantes amorais, porque temos impunidade, temos corrupção… Quando os dirigentes tem atitudes corrompidas os comandados perdem o respeito. Quando o judiciario é frouxo de cima para baixo, o resto, a base da piramide degenera, apodrece! O sistema governamental precisa diminuir e ser controlado! Além disso nossa sociedade se acostumou ao roubo, a impunidade e a falta de carater! Artigo primeiro paragrafo unico da consituição do barão de itararé… O brasileiro tera vergonha na cara!



    Chico Nunes disse:
    26 de maio de 2014 às 15:25

    A questão é simples. O Estado tem que honrar dívidas como todos porque é assim que o sistema econômico funciona para todos. A justiça é lenta e ineficiente. A política da democracia de coalizão incentiva a corrupção e o tráfico de influencia. A educação não tem incentivos sérios. E o Brasil não tem a cultura do planejamento. Todos ficam chorando e pedindo coisas para o papai Brasil. Ora vão trabalhar e competir para te-las vamos amadurecer sociedade brasileira ! vamos exigir regras justas para competir (de mercado, de educação, de justiça, de econômia)e uma justiça eficiente ! O resto depende da competência e dedicação de cada um. O homem é um projeto em construção, já dizia Sartre. Viva a liberdade individual, viva o verdadeiro capitalismo. Abço !



    Ricardo Moraes disse:
    24 de junho de 2014 às 23:14

    A CORRUPÇÃO é a mãe das nossas mazelas , a sociedade “ORGANIZADA” NÃO pode aceitar esta mazela , sei que não conseguiremos acabar com ela de um só golpe , mas precisamos seguir cortando as suas vias de alimentação , a primeira forma é não votando em representantes que estejam ao seu serviço e hoje já se consegue fazer uma ideia bem razoável de com quem ela não anda .



    Roberto Salles de Q. Muniz disse:
    5 de agosto de 2014 às 19:31

    Corrupção é um crime hediondo, pois mata, aleija, acaba com famílias e mata sonhos. Os homens públicos que delinquem, estão roubando muito mais que dinheiro. Eles roubam a esperança de alguns miseráveis. Isso é um crime de lesa-pátria! Por isso na China a punição é um tiro na nuca. Que tal copiarmos isso?



    sueli mirabeli disse:
    6 de agosto de 2014 às 17:09

    Ricardo, existe a PL 5900-2013 que torna a Corrupcao como Crime Hediondo ja aprovada no senado e nas maos de Henrique Alves aguardando colocar em votacao na camara. Tenho publicado apelos nos sites de deputados e até mesmo no de Henrique Alves e claro nada acontece. Como jornalista influente me ajude a influenciar a mídia para empurrar a aprovação desta PL.



    Sérgio Gentile disse:
    7 de agosto de 2014 às 9:56

    Tenho 73 anos. Corrupção é um mal genético do ser humano, sempre disposto a levar alguma vantagem. Ao longo da minha vida convivi com politicos, empresários e muitos cidadãos (aparência acima de qualquer suspeita)e um imensa maioria já praticou esse ato de se deixar corromper ou de corromper. Nossa sorte, nos dias de hoje, é que as coisas aparecem e não viram apenas “piadinha” na base do “rouba mas faz”.



    Francisco disse:
    11 de agosto de 2014 às 19:57

    Tenho duvidas se vale a pena falar, pensar ou escrever sobre corrupção brasileira.

    No dia em que tivermos uma justiça que funcione em condições de igualdade para todos os brasileiros, talvez nosso filhos e netos tenham alguma chance de viver um Brasil mais justo, mais serio, mais transparente.



    Osvaldo R.Pereira disse:
    28 de agosto de 2014 às 9:40

    Essa patologia: a falta de VALORES MORAIS,que é um câncer com raízes profundas,que infelizmente atingem a maioria da sociedade Brasileira,em todos os níveis.Cujo,o remédio como foi bem citado:é a transparência.Todavia,a transparência,não se obtêm do nada,ela é consequência de bons exemplos,hábitos e acima de tudo de EDUCAÇÃO…..



    Alexander Mahfuz disse:
    8 de setembro de 2014 às 20:07

    Parabéns Ricardo pelo excelente texto! Penso que quanto menos educação mais escravidão, idiotização e corrupção. Nosso povo a cada dia fica mais idiota. Fruto do descaso com a educação. Como idiotas, a permissividade com a política, o descuido com o estado laico. Infelizmente, estamos inseridos num processo cíclico. Quanto mais criminosos e líderes religiosos ditando leis no congresso, mais corrupção, menos recursos para educação e segurança, mais idiota fica a população e o ciclo a cada dia ganha mais força para idiotizar aumentando o número de escolas-fábricas de escravos. Tenho me incluido entre aqueles que cerram fileiras para combater corruptos, fichas-sujas e líderes religiosos no congresso. Consertando o congresso penso que poderemos ver alguma luz no fim do túnel. Por enquanto, do jeito que a política está, continurará condenando gerações de brasileiros à escravidão, enquanto outros povos mais desenvolvidos tratam esta questão de forma responsável e com seriedade. Triste Brasil. Um passo à frente e dois para atrás! Pelo fim de castas no judiciário e na política. Pelo fim de criminosos e líderes religiosos no congresso. Estado tem que cumprir a lei! Lideres religiosos nos templos, não no congresso!! Estado incoerente, mentiroso, ilegal e anacrônico que escraviza seu povo. Política de castas que se consolida a cada dia que passa! Congresso ocupado por “líderes” religiosos e criminosos ditando leis para os incultos e incautos. Triste Brasil. O deboche político é cruel, dispendioso, insano e irresponsável!! Socorro!!Saúde, sucesso, felicidades!



    Luciano disse:
    12 de setembro de 2014 às 16:45

    Uma bela reflexão do que acontece no Brasil. Só acrescentaria uma coisa, nós brasileiros temos que parar de reclamar disso e daquilo do poder público e passar a agir com lisura, honestidade e cidadania em nosso dia a dia.



    Gláucio Oliveira disse:
    23 de setembro de 2014 às 19:38

    É uma pena que nós brasileiros mais uma vez vamos ficar no quase , nós quase viramos pais de primeiro mundo , quase. O grande problema é que nós ficamos olhando todas estas denúncias e não conseguimos fazer nada, Nunca antes na história deste pais se denunciou tanto para nada, e o pior é que mais uma vez vamos pagar a conta e que Conta



    Adair Pereira disse:
    24 de setembro de 2014 às 9:10

    Esse saldo da corrupção é resultado dos maus políticos brasileiros,Que; sucatearam a educação e infraestrutura no País!..Deixando de formar os verdadeiros caráter de honestidade…
    E pior nós eleitores nem ficamos sabendo do repatriamento dessa dinheirama toda, o que foi feito,onde esta, foi destinado para onde ? acreditamos que é importante essas matérias e investigação jornalística!..
    Parabéns, Dr.Amorim por essa excelente matéria.
    Votos de sucessos!
    Adair Pereira



    André Ferrigato disse:
    25 de setembro de 2014 às 11:46

    Sim, mas como a combater? começando pelos 650 mil cargos comissionados no Brasil contra os 500 na Alemanha e na França? Sugiro um artigo.



    Augusto disse:
    30 de setembro de 2014 às 9:01

    Alguém aí em cima falou que a dívida é a culpada. Sim, e dar calote é solução ? Leva a que? O problema é tentar resolver coisas complexas com soluções simplórias. Que tal economizar nas fundações de uma obra? A ruína da obra é a consequencia…



    2 de janeiro de 2015 às 14:13

    […] partindo para números, é importante ressaltar que, como destaca o economista Ricardo Amorim (leia aqui), “estimar seu custo não é fácil. Corrupto não passa recibo, pelo menos não na maioria das […]



    Durival Morastico disse:
    24 de janeiro de 2015 às 9:04

    Li alguns comentários divergentes ao texto e com muita reflexão podemos entender: a) Quanto mais falarmos em corrupção apontando políticos como culpados mais banalizado ficará nosso sistema e a população cansada passa a entender isso como coisa normal. (acontece no mundo todo mesmo). B) Quanto mais distante for o ensino de qualidade mais controle via corrupção e benefícios (favorecimentos) ocorrerão com aceitação quase que unanime pela população. (grande parte passa a se sentir no contexto recebendo migalhas, mas para quem não tem nada pouco é muito). c) O uso da maquina com controle via religião , tráfico de influencias via dependencia financeira e cargos (favorecimento) o uso maquiavélico da mídia em geral, o controle das entidades via aparelhamento institucionalizado, A depredação , esculhambação do ensino, (faz de conta que ensina e detona). Tudo isso até parece que estamos vivendo momentos de preparação para uma ditadura proletária (poder pelo poder) um passo da socialização de tudo que ruim ao povo e bom ou o melhor aos grupelhos alternando poderes de tempos em tempos.



    Clara disse:
    28 de janeiro de 2015 às 15:35

    Enquanto empresários colocarem a ganância acima da moral, aceitando superfaturar para devolver parte do valor em forma de propina, continuaremos vítimas desse tipo de problema…



    Geraldo Palma disse:
    21 de fevereiro de 2015 às 21:17

    Parabens Amorim, é bom saber que você está vigiante, pois quase todos estão ignorando ou levando na brincadeira a situação atual



    Cesar Prata disse:
    4 de março de 2015 às 9:29

    O momento traz uma incerteza filosófica :

    Não sabemos se este governo está ruim porque ainda não começou , ou porque está terminando..



    derli stopato da fonseca disse:
    20 de março de 2015 às 22:56

    Uma das consequências piores da corrupção, pouco mencionada, é que, enquanto a propina fica, normalmente, entre valores de 3% a 10% dos valores dos contratos públicos, preço destes contratos, sejam de obras, serviços, materiais ou equipamentos, duplicam, triplicam, quintuplicam e assim por diante. Eu cheguei a tomar conhecimento de preços que decuplicarem-se no serviço público. Quando o contratado percebe que tem o controle da situação, e isto acontece sempre que há o pagamento de propina, o céu passa a ser o limite. Por esta razão, Abreu e Lima, chegou ao preço que está.



    26 de março de 2015 às 10:22

    […] ex-ministros de Estado e governadores estão sob investigação judicial com fortes suspeitas de corrupção. O Judiciário, supostamente o último bastião da legalidade no país, está com sua credibilidade […]



    Clara disse:
    1 de abril de 2015 às 14:26

    muito bom texto.



    Erik disse:
    18 de abril de 2015 às 22:56

    Esses números certamente foram superados após os escândalos recentes.



    Bruno Aurelio disse:
    19 de abril de 2015 às 14:10

    O leitor “Alexandre” esqueceu de dizer que sua proposta de reduzir o percentual da arrecadação com o pagamento de juros e principal não é possível para o Brasil, simplesmente porque o país não tem o mesmo prestígio americano junto aos investidores para atrair investimentos. Precisamos pensar em soluções possíveis, aquelas que são impossíveis a curto e médio prazo não deveriam nem ser mencionadas!



    4 de maio de 2015 às 22:34

    Realmente terrível. Esse saldo da corrupção é resultado dos maus políticos brasileiros,Que; sucatearam a educação e infraestrutura no País!..Deixando de formar os verdadeiros caráter de honestidade…



    Daniel disse:
    4 de agosto de 2015 às 9:05

    Os Brasileiros precisam reclamar menos e agir mais.



    A. Fellows disse:
    24 de agosto de 2015 às 5:52

    O problema é que o povo já cansado de ser roubado e enganado quer a parte dele de volta. E como a educação é algo raro nas camadas de maior volume populacional, a roda da corrupção e do jeitinho brasileiro nunca pararão.
    Tem que haver um corte abrupto, fundo e preciso pra extripar esse mal que nos consome.
    Brasileiros, sejamos de um todo honestos. Parem de se “expertos” porque essa esperteza, como vemos diariamente, causa transtornos e perdas gigantescas!



    Sem Verniz disse:
    15 de outubro de 2015 às 11:32

    Alexandre, a dívida consome muitos recursos nossos por nossa própria culpa. Nós que insistimos em gastar mais do que arrecadamos. Nós que insistimos em tolerar a inflação, o que demanda que os juros sejam altos. Quer ter juros igual dos EUA? FAça como eles, mantenha disciplina fiscal, abra os diversos setores para o setor privado e para a concorrência internacional. Dessa forma o mundo inibirá a alta de nossa inflação. Há de se enxergar todo o quadro, e não só o pontinho que lhe interessa. Vc é daqueles que vêem a boca da baía de Guanabara, e diz que aquilo é a foz de um rio.



    26 de outubro de 2015 às 9:08

    Essa patologia: a falta de VALORES MORAIS, que é um câncer com raízes profundas, infelizmente atinge a maioria da sociedade Brasileira, em todos os níveis. Cujo remédio como foi bem citado é a transparência.Todavia, a transparência não se obtém do nada, ela é consequência de bons exemplos, hábitos e acima de tudo de EDUCAÇÃO.
    Realmente terrível. Esse saldo da corrupção é resultado dos maus políticos brasileiros, que sucatearam a educação e infraestrutura no País… Deixando de formar os verdadeiros caráter de honestidade.



    11 de dezembro de 2015 às 16:44

    O momento atual que passamos ainda é pior do que quando esse artigo foi publicado.. Em fim Ricardo , Precisamos de atitudes urgente, a tendência é o país sucumbir.



    Orlan disse:
    16 de dezembro de 2015 às 13:24

    2012 eramos felizes e não sabíamos, certamente hoje o caos e quase total e piorando, até onde ou quando.



    3 de janeiro de 2016 às 21:59

    infelizmente atingem a maioria da sociedade Brasileira,em todos os níveis.Cujo,o remédio como foi bem citado:é a transparência.Todavia,a transparência,não se obtêm do nada,ela é consequência de bons exemplos,hábitos e acima de tudo de EDUCAÇÃO..



    marcia disse:
    11 de março de 2016 às 16:17

    Realmente tenho vergonha deste país, um grande adormecido que não vai pra frente, por causa de corruptos, políticos gananciosos, onde tudo e todo mundo quer ter vantagem.



    Pedro disse:
    29 de maio de 2016 às 4:56

    Ótima abordagem sobre corrupção!



    Aline disse:
    8 de setembro de 2016 às 10:46

    É um artigo um pouco antigo, mas continua sendo atual. Tenho fé e ainda há esperança para este belo país



    Joao disse:
    12 de setembro de 2016 às 21:35

    Precisamos de AÇÃO, precisamos que o POVO continue nas ruas, não para defender um partido, mas para defender a democracia.



Deixe seu comentário

Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente