Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

De volta para o futuro.

postado em Artigos


Publicado em: www.clubelunico.com.br

março de 2010

 

“Inglaterra volta a pedir auxílio ao FMI pela quarta vez”

 

“Inglaterra volta a pedir auxílio ao FMI pela quarta vez”, “Reservas internacionais brasileiras atingem US$ 1 trilhão”, “Comissão do Congresso exige explicações do governo sobre pacote de resgate financeiro concedido aos Estados Unidos”.

Há dez anos, as manchetes acima certamente só poderiam fazer parte de um programa de comédia. Ao longo dos próximos dez, é provável que vamos lê-las nos mais respeitados jornais em todo o mundo.

A entrada da China na Organização Mundial do Comércio em 2001 alterou completamente a ordem econômica mundial. Favoreceu países emergentes, como o Brasil, que agora vendem suas matéria-primas a preços crescentes e atraem capital a baixas taxas de juros. E impactou negativamente países ricos, que sofrem maior concorrência na produção de artigos manufaturados e serviços, além de não conseguirem mais a mesma remuneração para seu capital que recebiam em décadas anteriores.

Para o Brasil, isto marcou o final de um período que chamo de geração perdida – quase 25 anos entre 1980 e 2003, quando nosso crescimento médio não chegou a 2,5% ao ano, menos do que se expandiu nossa força de trabalho. De lá para cá, com exceção da crise do ano passado, a média de crescimento brasileiro mais que dobrou e, provavelmente ainda aumentará um pouco nos próximos anos.

Essa aceleração do crescimento constrói uma nova nação ao longo do tempo, aquela com a qual apenas sonhávamos quando ainda acreditávamos que o Brasil seria o país do futuro. Entre as décadas de 50 e 70, o Brasil sustentou um crescimento médio anual de mais de 7%, bem acima da média mundial. Depois disso, veio a geração perdida. Se tivéssemos mantido o ritmo de crescimento dos trinta anos anteriores, nossa renda per capita atual seria similar ou superior às de países como Espanha, Itália, ou França. Não foi esse futuro que se materializou para toda uma geração, mas talvez seja o que a geração seguinte possa desfrutar.

Mantidas as tendências dos últimos anos por apenas mais 10 anos, teremos em 2020 uma distribuição de renda no Brasil mais igualitária que a americana e uma economia maior que a inglesa ou a francesa. Se isso não é uma mudança radical de paradigma econômico, eu não sei o que é.

Enfim, é bom superarmos o complexo de vira-lata das últimas décadas e nos prepararmos, porque o futuro está batendo às nossas portas.





    ALAN FREITAS disse:
    23 de setembro de 2011 às 23:57

    Boa Ricardo, e tem um ano que você vinha falando isso. Em relação à distribuição de renda você acredita que deve ser revista ou deve-se aumentar as reservas cada vez mais para no futuro estar preparado para enfrentar novas possíveis crises e até mesmo programas sociais mais satisfatórios?



    Renato José disse:
    6 de junho de 2012 às 18:26

    Muito bom, tb acredito nesse futuro, uma pena é grande massa do povo brasileiro (imprensa) q só fala de noticias ruins, a economia brasileira pode estar com diversos indices bons, mas eles só falam dos ruins.



    Mônica disse:
    6 de junho de 2012 às 18:39

    As placas tectônicas da antiga ordem econômica estão se movendo e as últimas crises nada mais são que um reflexo deste movimento. O subprime apenas adiantou o processo todo.



    Rita disse:
    23 de março de 2016 às 21:00

    A Europa está um caos. Todos os países estão dependendo do Fmi para equilibrar suas contas. Tá complicado hein…se o Brasil está mau, como estará Portugal, Grécia e afins?



    Marco disse:
    27 de junho de 2016 às 12:13

    Mais uma prova de que a Inglaterra não tem condições de sair da União Eropéia.



    chakra disse:
    4 de maio de 2017 às 15:19

    A atual conjuntura global está falida!
    Será que John Nash estava tão equivocado assim? Ou Adam Smith já está ultrapassado ?
    Cenas dos próximos capítulos…



Deixe seu comentário

Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Gazeta do Povo

Em 2017, Ricardo iniciou uma parceria com a Gazeta do Povo. Clique e confira.
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente