Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

A tomada de três pinos, a Olimpíada, a corrupção e a gastança pública

postado em Artigos


08/2016

Por Ricardo Amorim

 

A-tomada-de-tres-pinos-2016-08

 

 

Pelo menos até agora, e apesar de problemas com filas, transporte e alimentação, a Olimpíada no Rio de Janeiro transcorreu muito melhor do que os mais pessimistas temiam.

 

A alegria e simpatia dos cariocas e brasileiros cativou a maioria dos estrangeiros. Isto não significa que algumas incongruências brasileiras não tenham causado situações embaraçosas ou desconfortáveis.

 

Um bom exemplo é a venda de adaptadores para nossas tomadas de três pinos no mercadinho da Vila Olímpica exclusivamente em pacotes de dez unidades por R$200,00 cada.

 

Além de precisar comprar algo que só serve no Brasil, os atletas não têm a opção de comprar um único adaptador e ainda são forçados a pagar o dobro do preço usual.

 

Mas por que temos a tomada de três pinos no Brasil? Pasme, mas a corrupção e a farra com o dinheiro público têm muito mais a ver com ela do que você imagina. Para bancar a gastança, os impostos no Brasil são muito altos, diminuindo o que sobra para as compras dos brasileiros e aumentando os custos para as empresas.

 

Além disso, para financiar gastos públicos exagerados, o governo toma muito dinheiro emprestado. Como a oferta de poupança no Brasil é baixa e a demanda grande, em função da ampla necessidade de financiamento do setor público, o custo do dinheiro no país, isto é, a taxa de juros, é muito elevada, penalizando mais uma vez empresas e consumidores.

 

Para completar, salvo durante crises de confiança no país, juros elevadíssimos atraem muitos capitais estrangeiros, causando uma ampla oferta de dólares por aqui, tornando a moeda americana no Brasil mais barata do que deveria ser. Isto barateia produtos importados, o que seria bom para nossos consumidores, mas dificulta a vida do produtor nacional.

 

Assim, altos impostos, juros elevados e uma taxa de câmbio excessivamente apreciada – causados, entre outros fatores, por gastos públicos excessivos – tornaram a indústria brasileira pouco competitiva. Ao invés de lidar com as causas da baixa competitividade – o excesso de gastos públicos, a burocracia, a má qualificação da mão de obra, a falta de infraestrutura adequada e o baixo grau de automação – o governo Lula tentou proteger nossa indústria artificialmente, aumentando tarifas de importação e criando a tomada de três pinos. Assim, eletrodomésticos e eletroeletrônicos comprados no exterior ficaram mais caros ou não funcionariam no Brasil. Rapidamente surgiram os adaptadores, gerando um custo desnecessário para nossos consumidores.

 

Pelo menos, a indústria saiu fortalecida, certo? Não. Seis anos depois, nossa indústria encolheu e, com frequência, o produto nacional tem pior qualidade e é mais caro do que no exterior.

 

Ricardo Amorim, autor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, único brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner e o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes.

 





    Fábio disse:
    22 de agosto de 2016 às 16:21

    Excelente o artigo, Ricardo! Resumindo, a tomada de 3 pinos foi apenas mais uma tentativa de maquiar os estrondosos problemas do governo. E o que falar também da lei que obrigava os veículos automotores a circular com extintores ABC? Também uma ótima maneira de aumentar a receita pública, obrigando a troca de extintores, aumentando multas, apreensões, etc.



    26 de agosto de 2016 às 14:07

    nossa nunca imaginaria que a tomada de três pinos era uma jogada do governo entendi que era desnecessário, mas nunca imaginaria isso,

    Ricardo Amorin você é a favor do livre mercado no brasil??

    Excelente trabalho!!



    26 de agosto de 2016 às 14:14

    nossa nunca imaginaria que a tomada de três pinos era uma jogada do governo entendi que era desnecessário, mas nunca imaginaria isso.



    29 de setembro de 2016 às 19:30

    Muito bom artigo Ricardo, bem colocado. Infelizmente tudo no nosso país é uma oportunidade para alguém se dar bem.
    Eu não sou contra olimpíadas, sou contra apenas de que o nosso país vive nesse situação, devendo, e deixando a desejar na educação, saúde e várias outras áreas, então ao invés de investir esse dinheiro todo em olimpíadas poderia suprir o que realmente é necessidade.



    1 de outubro de 2016 às 19:28

    Boa matéria.



    Ana Maria disse:
    3 de novembro de 2016 às 9:48

    Excelente trabalho, me fez pensar em muita coisa! Obrigado.



    20 de fevereiro de 2017 às 14:01

    Como pode uma cidade funcionar tão bem devido a um evento mundial? Sabe-se que é só faixada e que o dinheiro público escorre pelo ralo a torto e a direito e esses eventos seriam mais um meio de “desviar” dinheiro público?



Deixe seu comentário

Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente