Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Resumo da palestra O papel do cooperativismo de crédito na economia brasileira

postado em Artigos | Palestras


11/2013

Por Ricardo Amorim

 

Resumo da palestra  O papel do cooperativismo de crédito na economia brasileira

 

 

Um dos principais motores do crescimento brasileiro nos últimos 10 anos foi uma forte expansão da oferta de crédito que permitiu uma aceleração dos investimentos e do consumo no país. Ao contrário do que muitos pensam, o endividamento do consumidor brasileiro ainda é baixo em relação ao resto do mundo. O endividamento médio do consumidor americano, por exemplo, é 20 vezes maior do que o do consumidor brasileiro, enquanto a renda do americano é em média apenas 5 vezes maior do que a do brasileiro. Isto significa que, enquanto os prazos médios de financiamento continuarem se expandindo, a oferta de crédito e o endividamento dos consumidores brasileiros ainda poderão continuar acrescer sem gerar problemas ou riscos excessivos por muitos anos.

 

Neste cenário, o cooperativismo de crédito tem desempenhado e continuará a desempenhar um papel marcante por várias razões. Para começar, o desempenho da economia brasileira tem sido marcado por diferenças enormes entre regiões e setores e o cooperativismo de crédito tem uma presença marcante exatamente nos setores e regiões que mais crescem no país.

 

interior  deve continuar a crescer mais do que as capitais dos estados em função do crescimento mais acelerado do agronegócio – que responderá por mais da metade do crescimento do país em 2013 – e da mineração. O cooperativismo de crédito não apenas tem uma concentração em crédito agrícola, mas as cooperativas em geral e particularmente as de crédito têm uma presença desproporcionalmente grande em cidades menores, que impulsionadas pelo impacto da renda do agronegócio, têm crescido em ritmo bastante superior ao das capitais dos estados, onde a presença do cooperativismo de crédito em relação ao total de volume de negócios das instituições financeiras é menor.

 

Setores de serviços, comércio e imobiliário também devem crescer mais rápido do que o PIB, beneficiando-se da expansão de renda e crédito da falta de concorrência estrangeira direta nestes setores, ao contrário do que acontece com a indústria, o setor com que as cooperativas de crédito menos fazem negócios. Pelo 11º ano consecutivo, a produção da indústria deve expandir-se menos do que as vendas no varejo. Enquanto não reduzirmos a carga tributária e os entraves a negócios, melhorarmos a infraestrutura e qualificarmos a mão de obra, esta realidade da indústria crescer ainda menos do que o PIB também não deve mudar.

 

A grande surpresa de 2013 foram as manifestações nas ruas. Com a mudança do perfil socioeconômico brasileiro nos últimos anos, as aspirações e desejos dos eleitores também mudaram. Nossa classe política ainda não havia respondido a essas mudanças. No Brasil do início do milênio, quando maioria da população e dos eleitores estava nas classes D e E, os programas Bolsa Família e Minha Casa, Minha Vida respondiam bem às duas maiores ambições: mais e melhor comida na mesa e melhores moradias. Hoje, mais de 100 milhões de brasileiros estão na classe C e pouco mais de 40 milhões nas classes D e E. Com a ascensão social, as expectativas se expandiram e hoje incluem saúde, educação e transporte públicos de qualidade. Com as manifestações chamando a atenção para isso, é provável que estes setores recebam nos próximos anos mais atenção do setor público. Todos eles são setores onde cooperativas têm presença marcante, potencialmente gerando oportunidades de negócios para o cooperativismo de crédito.

 

Ricardo AmorimApresentador do Manhattan Connection da Globonews, colunista da revista IstoÉ, presidente da Ricam Consultoria, único brasileiro na lista dos melhores e mais importantes palestrantes mundiais do Speakers Corner e economista mais influente do Brasil segundo o site Klout.com.

 

Contato: palestras@ricamconsultoria.com.br

 
 





    Leonardo Adriano disse:
    16 de dezembro de 2013 às 15:43

    Otima analise! Realmente e novamente brilhante!



    Neilton Ribeiro da Silva disse:
    18 de dezembro de 2013 às 10:25

    Sou presidente de uma cooperativa de crédito no Norte Fluminense e ratifico as palavras do Ricardo, pois as cooperativas sempre foram uma alternativa ao desenvolvimento regional e em 2014 continuarão a fazer a diferença.



    Tarik Carvalho disse:
    18 de dezembro de 2013 às 12:03

    Bom, eu particularmente gosto do Ricardo Amorim, assisto ao Manhattan Connection, porém discordo da comparação de renda e endividamento entre brasileiros e americanos, pois são economias e modelos de crédito totalmente diferentes, porém um texto bem resumido para o tempo de uma palestra com certeza vem com alguns equívocos, nada que não deixe o texto menos interessante. Abraços



Deixe seu comentário

Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Gazeta do Povo

Em 2017, Ricardo iniciou uma parceria com a Gazeta do Povo. Clique e confira.
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente