Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Oportunidades em meio à estagnação

postado em Artigos


02/2015

Revista IstoÉ

Artigo-Revista-IstoE---Oportunidades-em-meio-a-estagnação---2015-02 (2)

 
Em meu trabalho como consultor e palestrante, tenho a oportunidade de interagir com pessoas e empresas de todos os setores da economia brasileira. Ao menos desde o Plano Collor, há 25 anos, não observo tanta preocupação, medo e pessimismo. Razões não faltam. Ao maior caso de corrupção da história do planeta, na Petrobras,  somam-se prováveis racionamentos de água e energia elétrica. Em 2015, pela primeira vez em mais de 70 anos, o PIB cairá pelo segundo ano seguido.
 
É óbvio que um cenário econômico assim traz muitos desafios a cada um de nós. Menos óbvio, ele também traz muitas oportunidades.
 
Nos períodos de bonança, o barco se move rapidamente sem que sequer tenhamos de cuidar de suas velas. Tornamo-nos displicentes, preguiçosos e acomodados. Com a economia crescendo 5% a.a. em média entre 2004 e 2008, dezenas de milhões de brasileiros sendo incorporados aos mercados de trabalho e de consumo e a demanda por produtos brasileiros no exterior batendo recordes, salários subiam acima da inflação, os lucros das empresas cresciam e os desequilíbrios das contas públicas pareciam controlados, apesar de corrupção e gastos galopantes.
 
O cessar dos ventos, ou neste caso do crescimento, expôs a insustentabilidade destas situações. Salários só sobem acima da inflação se a produtividade cresce. Para ganhar mais, o trabalhador tem de produzir mais. Caso contrário, seu produto ou serviço ficará cada vez mais caro e acabará não sendo mais comprado, a empresa perderá dinheiro e o trabalhador, o seu emprego. Sem nenhum programa nacional amplo e profundo de  automação e qualificação de mão de obra, a produtividade brasileira estagnou desde 2011. É responsabilidade do governo e de cada empresa criar programas assim, mas, se queremos ganhar mais, também cabe a  cada um de nós nos qualificarmos independentemente das políticas do governo e das empresas em que atuamos.
 
Nas empresas, o período de bonança levou muitas a esquecerem seus propósitos e focarem em ganhos de curto prazo. Adeus inovações, melhoria de processos, produtos e serviços ou geração de oportunidades de crescimento para seus colaboradores.
 
As empresas que se perpetuam são aquelas capazes de se fortalecerem em ambientes desafiadores. Nos períodos de seca, os erros das épocas de abundância são expostos. Se corrigidos, o sucesso das empresas a longo prazo será garantido.
 
E o governo? No dia 2 de agosto de 2011, ele lançou o Programa Brasil Maior, voltado a aumentar a competitividade da indústria através de maior intervenção governamental. Desde então, a indústria encolheu. Desde o ano passado, o PIB também encolheu.
 
A estagnação reforçou ao menos três lições fundamentais. Primeiro, planejamento e gestão são imprescindíveis se não quisermos viver novas crises hídrica, hidrelétrica e outras. Segundo, um Brasil mais competitivo, rico e justo requer um Estado menor, menos oneroso à sociedade e mais eficiente. Terceiro, combater implacavelmente a corrupção é função de todo e qualquer governo e deve ocorrer em três frentes.
 
Para diminuir o volume de recursos acessível aos mal intencionados, precisamos reduzir o tamanho do Estado, sua participação direta na economia e os impostos. Segundo, a transparência das contas e negócios do setor público deve ser total para que a corrupção seja menor. Por fim, quando houver corrupção, as punições têm de ser draconianas.
 
Se o governo, as empresas e cada um de nós aproveitarmos estas oportunidades, este momento difícil da  economia não terá sido perdido.
 
Ricardo Amorim
 
Economista, apresentador do programa Manhattan Connection da Globonews e presidente da Ricam Consultoria.
 
 





    Cristina disse:
    21 de fevereiro de 2015 às 21:54

    É verdade, às vezes é nas grandes crises que surgem boas oportunidades.



    Vilma disse:
    21 de fevereiro de 2015 às 23:16

    Sou sua fã.Leio tudo que você posta,você é uma pessoa admirável.



    Arno Winge disse:
    22 de fevereiro de 2015 às 12:04

    Caro Ricardo,
    Eu tinha 31 anos à época da posse do Presidente Collor.
    Sinceramente não me lembro de falta de ânimo naqueles tempos. A população aceitou as medidas, que até não eram tão impopulares, pois o governo de então tinha legitimidade. Foi a primeira vez que votei para presidente e lembro que, fosse à esquerda ou à direita, as pessoas queriam que o país desse certo.
    Desânimo vi no governo Sarney e seus planos com nomes de terceiros.
    Plano Collor tinha um projeto de país com virtudes reconhecidas e válidas até hoje. Enxugamento do estado para então reduzir a carga tributária. Diferente do que fez FHC, que transformou IMPOSTO INFLACIONÁRIO em CARGA TRIBUTÁRIA DIRETA – elevou de 24% para 32% do PIB.



    Katarina disse:
    22 de fevereiro de 2015 às 18:13

    Desculpem minha ignorância , mas não entendo por que o Collor foi deposto tão rapidamente, por razões que não vem ao caso agora, e as autoridades capazes não fazem o mesmo agora com a Dilma e este bando de ladrões ? Da nojo esta imparcialidade. A oposição da época do Collor, agora no Poder , era mais forte ???



    Ricardo Moya disse:
    23 de fevereiro de 2015 às 8:23

    Prezado Ricardo Amorim:
    Concordo na íntegra com as suas afirmações. Contudo, o pesimismo está sendo acentuado e as posturas conservadoras e retraídas exacerbadas também pelo fato do Governo não dar nenhum sinal de “racionalidade inovadora” na condução econômica. Não se cortam gastos e aumenta-se a carga tributária numa economia em recessão. Inovar nessas condições? Assumir riscos e comprometer recursos num cenário onde o Governo Federal é dominado pela ideologia, corrupção e inépcia? Desconfio que as coisas ainda vão piorar muito. Uma bola de cristal para enxergar oportunidades à frente dos sobreviventes sería um sucesso de vendas.
    Atenciosamente
    Ricardo Moya



    Natil Bado disse:
    23 de fevereiro de 2015 às 9:39

    Ricardo Amorim.

    Concordo com tudo oque você tem relatado, mais não vejo uma posição firme das nossas entidades, e de todos os empresário, se a coisa esta desse jeito, é porque todos nos,permitimos e deixamos chegar a esse ponto.
    No caso corrupção, isso ocorre ,quando se elege sempre os mesmos candidatos e partidos ao poder, o povo tem olhar ,e escolher melhor os seus candidatos.
    Na minha opinião,para isso mudar,só com um levante da população.
    Vou alem disso, o setor publico,tem que voltar a cuidar só, da saúde, segurança e educação.
    Fazer de forma urgente lei ante corrupto, quem rouba o povo, deve ser tirado tudo o que ele e seus familiares em, ate a terceira geração,caçar os seus passaportes, e colocar todos para trabalhar na varreção de rua das cidades, com um ganho de um salário minimo.

    Um grande abraço.

    Natil Bado.



    Edmilson disse:
    23 de fevereiro de 2015 às 9:54

    Ricardo,
    Excelentes articulações e o “puxão” de orelhas é perfeitamente aceitável. Seu conselho de melhoria contínua ou capacitação profissional, indiferente se a empresa ou o funcionário quem paga, deve ser levado a sério! Parabéns.



    23 de fevereiro de 2015 às 9:57

    Concordo com o seu artigo, nas empresas ou nas nossas casas quando o dinheiro fica curto tomamos providencias para adequar o orçamento e quando sobra investimos para a melhoria de vida, o governoa muitos anos vem gastando com aumento de ministérios que não resultou em beneficios para a população.
    josé Pires.



    Valerio Menescal disse:
    23 de fevereiro de 2015 às 10:48

    Mais uma vez, excelentes reflexões, Ricardo. Meu destaque vai para a parte final, sobre a incompetência e incapacidade do Governo em planejar e fazer o país crescer e dos pilares de combate à corrupção, porém feito de forma institucional, sólido.
    Parabéns!



    João Sérgio Leal Pereira disse:
    23 de fevereiro de 2015 às 10:51

    Parabéns, Ricardo.
    Texto simples, objetivo e contundente. Também, acredito que o Brasil é muito maior do que essa tempestade que nos assola. Apesar da nossa ainda jovem democracia,estamos estruturados para combater a corrupção e suas consequências.



    Rudmar Cassucci Carapia disse:
    23 de fevereiro de 2015 às 10:57

    Olá Ricardo,

    Mais uma vez nosso país fez um vôo de galinha.

    sds
    Rudmar



    Sebastiao Gil disse:
    23 de fevereiro de 2015 às 12:27

    A questão que vejo, que o menos interessado é o governo, em reduzir seus gastos, interferir no mercado, a corrupção segue. Um panorama muito triste que o brasileiro quietamente aceita.



    23 de fevereiro de 2015 às 12:46

    Excelente Ricardo!



    maria rosa de rezende meira disse:
    23 de fevereiro de 2015 às 13:23

    Excelente o artigo.
    Obrigada,



    23 de fevereiro de 2015 às 14:43

    Ricardo,
    O tema da Convenção Secovi deste ano é “A Rosa dos Ventos do Setor Imobiliário”. Coincidência?
    Abraços,
    Silvia Carneiro
    Assessora de Assuntos Institucionais
    Secovi-SP



    Carlos Serra disse:
    23 de fevereiro de 2015 às 19:49

    Caro Ricardo,

    Coisas como corrupção e baixa produtividade não são geradas por um ser do mal chamado “governo”, são sim fatores culturais, diretamente ligados a educação.

    Eu moro no Reino Unido, onde trabalho com um portfólio de projetos globais, envolvendo mais de 70 países. Uma coisa que aprendi foi a respeitar as diferenças culturais e entender como elas afetam o resultado do trabalho.

    Pelo que vivenciei e estudei, acredito que a cultura mude em função de crises e em função de educação. Exemplificando, na maioria dos países da Europa, a alternância de poder (leia-se politicas publicas) se da entre uma geração de bonança, a seguinte de baixa produtividade e então crise, que gera um aprendizado coletivo e então uma geração de mudança, que pode reiniciar o ciclo. Essa alternância pode ser minimizada pela educação (formal e familiar), mas invariavelmente vai acontecer.

    Enquanto o Brasil não aproveitar a bonança para educar seu povo, vai ser difícil termos uma melhora significativa. Vamos continuar deixando as ondas nos levar, com cada um – individualmente – aproveitando as oportunidades que tem acesso e deixando de lado os demais. Um pais que brada ao quatro ventos a igualdade racial, mas que convive satisfeito com uma das maiores desigualdades sociais do mundo. Onde cada um quer se destacar e subir na piramide social, em detrimento dos demais, seja por oportunidades legais ou por meio do crime e corrupção.

    Enquanto não se mudar essa visão, nunca iremos decolar, nunca seremos um pais desenvolvido.

    Carlos



    Carlos Flesch disse:
    24 de fevereiro de 2015 às 8:52

    Caro Ricardo,
    Lembro de uma conversa que tivemos no aeroporto de Congonhas há uns 2 anos atrás, quando você estava vindo para Curitiba, e discutíamos sobre a Economia e produtividade no Brasil. Lembro que lhe perguntei sobre suas previsões, e me falou: “vai ficar pior, antes de ficar melhor”. Bom, a primeira parte você acertou em cheio, e agora realmente torço para que possamos aproveitar este momento de crise (conforme artigo), para que também a segunda parte da sua previsão se concretize!!! Um grande abraço e até breve!



    Rodrigo Xavier disse:
    24 de fevereiro de 2015 às 11:28

    Caro Ricardo, não vejo o que podemos fazer agora. Sair as ruas ??? Acho que não esta funcionando mais. O pessoal fala de desânimo … praticamente uma vida perdida – desde a hiperinflação na época do Sarney, com o processo do roubo das poupanças do Collor, o começo do plano real (que era preciso mas foi difícil), na sequência a maxidesvalorização com o FHC e na saída dele para o Lula – daí tivemos um período de crescimento de 4 – 6 anos – e acabou de novo … o famoso vôo da galinha. Agora tem que ajustar tudo de novo, inflação, crescimento (? negativo !) e quando eu estiver para me aposentar eu vou olhar para trás e ver o quê ? Uma vida e uma geração perdida, e o Brasil ficando velho e pobre. Agora podemos tirar o lenço e chorar.



    Tiago Fachetti Miotto disse:
    25 de fevereiro de 2015 às 22:53

    Prezado. Ricardo.
    Algumas empresas que sabem inovar exploram com rapidez os desafios estratégicos de hoje seguem batendo metas. O maior desafio de lideres/empresas de hoje talvez seja descobrir como manter a competitividade em meio a um cenário de turbulências e rupturas constantes.
    Como já sabemos é temerário se fizermos apenas aquilo que deu frutos no passado e você vai acordar um dia e descobrir que foi desbancado.



    Luiz Sérgio Bragança Cattete disse:
    26 de fevereiro de 2015 às 14:08

    Sempre procuro ver oportunidades,
    nas dificuldades e sempre me sai bem. Seja Otimista e procure por oportunidades, ficar sentado na zona de conforto é muito bom, mas se queremos progredir, temos que batalhar muito.



    Ivan Silva disse:
    28 de fevereiro de 2015 às 9:54

    Estamos vivendo um momento impar, onde renovação dos processos de estratégias ou solução de continuidade destes ficam prejudicados, pela ineficiente grandeza do estado que nos governa, o qual somente faz saque financeiros e morais da sociedade, nunca visto antes. Mudamos ou seremos enterrados por gestores públicos sem capacidade ou que apenas vislumbram ascensão das próprias finanças.



    Andre disse:
    7 de março de 2015 às 20:47

    Há oportunidades em qualquer ciclo da economia, principalmente, em épocas de crise. É como dizem: enquanto uns choram, outros vendem lanços.



    bernardo disse:
    12 de março de 2015 às 0:15

    Ricardo.
    Sou funcionário público, tenho um emprego estável e um salário razoável na área de fiscalização tributária.
    Sou engenheiro e advogado e gosto demais de economia.
    Tenho 38 anos e gostaria de me aprofundar no assunto.
    (já estudei macro e micro – Froyen e Pindyck).
    Acho bastante improvável que a esta altura do campeonato eu venha a me tornar um profissional da área. Todavia gostaria que você me apontasse um caminho nesta área, considerando o meu perfil.
    Indicaria alguma faculdade/pós/curso/literatura?
    Se eu conseguir obter uma visão global dos mercados ficarei satisfeito.
    Grande abraço!



    Erdna disse:
    16 de março de 2015 às 16:24

    Nesse mercado está cheio de oportunidades! O mercado de afiliados é um mercado que tem muitas brechas.



    marcos disse:
    27 de março de 2015 às 17:33

    As oportunidades sempre aparece cabe ao empreendedor enxergá.las e sobressair no mercado.



    Josué disse:
    29 de março de 2015 às 12:06

    Em tempos de Crise é que surgem as melhores oportunidades , enquanto uns recuam se sobressaem os que atacam!



    Mateus disse:
    29 de março de 2015 às 20:15

    Como disse o André, há oportunidades em todos os lugares, basta saber aproveitar com inteligência.



    Julia Leiko disse:
    3 de abril de 2015 às 10:34

    É no meio das crises que poucos visionários conseguem enxergar grandes oportunidades e fazem fortunas, negócio é começar a pensar como pessoas assim.



    Arthur disse:
    4 de abril de 2015 às 0:37

    Realmente, o andré está coberto de razão!



    Lucas disse:
    4 de abril de 2015 às 0:38

    A economia é complicada de se entender, mas quem a entende sai muito na frente dos outros. Sempre foi assim e sempre será: Oportunidades sempre existem, mesmo em época de crise!



    6 de abril de 2015 às 5:05

    Não vejo como combater a corrupção no Brasil sem haver uma mudança radical, começando ppor uma varredura no Congresso Nacional, na iniciativa privada que atua em cumplicidade com os políticos corruptos, todos os governos estaduais e prefeituras, câmara de vereadores, e por fim, a extinção de todos os partidos políticos. Cartão vermelho para os fichas sujas, e a partir daí, reinventar o Brasil.



    regina disse:
    9 de abril de 2015 às 10:11

    Só que há um “pequeno probleminha “,eles fizeram tudo o que você recomenda, só que no sentido inversamente proporcional ao país, mas a favor do partido e seus asseclas. Estamos lidando com gente que obteve o poder com mentiras , não estou vendo saída. Acho que até você, custou muito a perceber, com quem estávamos lidando. Lamentável.



    Gilberto disse:
    10 de abril de 2015 às 10:11

    Não vejo dessa forma não, a corrupção é realmente muito complicada de se combater e não é com intervenção militar (tanto falada nesse momento) que resolveríamos isso!



    Silvio disse:
    11 de abril de 2015 às 11:49

    Essa estagnação tem duas fontes na minha opinião: o excesso de burocratização da nossa economia e a corrupção endêmica que existe em nosso país!



    Paulo disse:
    16 de abril de 2015 às 10:08

    Ótimo artigo, realmente oportunidade sempre tem, temos que estar atentos para identificar e aproveitar.



    Estevão disse:
    16 de abril de 2015 às 12:14

    Concordo com você! Algumas pessoas tem a tendência a pensar que em momentos de crise, o pânico deve se instalar, mas é justamente aí que boas oportunidades podem se fazer reais.

    Imagino que as pessoas que tenham uma mente mais empreendedoras tentam tirar proveito sim de quando as coisas vão bem, mas em momentos ruins se reinventam e se readequam de forma que se não obtem lucros como antes ao menos minimizam as perdas.



    Branco disse:
    17 de abril de 2015 às 16:52

    Enquanto alguns veem problemas outros veem oportunidades, depende do ponto de vista.



    Colares disse:
    17 de abril de 2015 às 16:56

    De fato, não podemos apenas pensar negativo e não agir, afinal quem ganha sendo apenas pessimista não é verdade, as vezes é da situação ruim que surge alguma esperança.



    Paulo disse:
    17 de abril de 2015 às 19:04

    Verdade, precisamos analisar o mercado e enxergar que em todos os lugares há oportunidades a serem exploradas.



    Jaqueline disse:
    18 de abril de 2015 às 10:15

    Pois é, basta analisar, pesquisar e estudar que há oportunidades em todos os lugares. É fato.



    Lucas disse:
    19 de abril de 2015 às 17:19

    As oportunidades aparecem para todos e não para os poucos escolhidos, o que podemos discutir é a extensão dessa oportunidade, alguma podem ser maiores outras menos, mas o que defini é a capacidade de enxergar uma dessas oportunidades e de repente até recusar algumas delas.



    Joaquim disse:
    24 de abril de 2015 às 18:55

    Excelente artigo! Parabéns.



    26 de abril de 2015 às 7:53

    Sempre vai aparecer boas oportunidades,cabe ao empreendedor está preparado para aproveitá.las.



    Bruno disse:
    26 de abril de 2015 às 19:50

    Como diversos colegas falaram acima, se estudarmos com calma e inteligência sempre encontraremos oportunidades em todos os lugares, pois enquanto uns choram, outros vendem lenços. Essa frase final não foi criada por acaso.



    Verônica disse:
    27 de abril de 2015 às 19:42

    Há oportunidades em qualquer ciclo da economia, principalmente, em épocas de crise. É como dizem: enquanto uns choram, outros vendem lanços.



    Ana Maria disse:
    27 de abril de 2015 às 19:50

    Há oportunidades em qualquer ciclo da economia, principalmente, em épocas de crise. Foco faz toda a diferença…



    julio disse:
    2 de maio de 2015 às 14:26

    ótima dica! Esse artigo você fez realmente completo.



    3 de maio de 2015 às 22:38

    concordo com seu artigo Ricardo amorim, se focamos apenas na crise perdemos grandes oportunidades que muitas vezes estão bem na nossa frente, na crise tire o S e fica CRIE.



    website disse:
    11 de maio de 2015 às 9:38

    Com certeza, conheça várias pessoas faturando muito nesta crise que o país está passando. Basta saber explorar da forma correta.



    Davi disse:
    22 de maio de 2015 às 14:48

    Nossa que dicas maravilhosas deste site.
    Post Sensacional Parabéns!!!



    23 de maio de 2015 às 11:13

    Torço muito para que o Brasil saia da crise, quero muito empreender, mais nesse cenario é complicado.



    Bruno Pessoa disse:
    30 de maio de 2015 às 16:21

    Apesar das dificuldades encontradas no nosso país ainda sim me sinto sempre motivado, mesmo com o desleixo do nosso atual governo em dificultar algumas coisas. Por exemplo nosso país é muito dificil ser empreendedor, o governo dificulta muito para quem deseja ser um empreendedor.



    Carlos disse:
    3 de junho de 2015 às 21:59

    Concordo com a opinião do nosso genial Ricardo Amorim, mas em nosso País, os políticos, que infelizmente elegemos, pensam mais em seu bolso do que no desenvolvimento próprio da nossa nação. Fazer ajuste fiscal onerando os trabalhadores é muito fácil. O que os governantes fizeram foi copiar as medidas de outros Países como Grécia, Espanha,entre outros. Assim fica fácil, não precisam nem usar a cabeça.



    Gilvan disse:
    5 de junho de 2015 às 22:29

    Sem dúvida alguma a atual crise que passamos é pior que a de 2008 na minha opnião. E porque acho isso? Porque em 2008 eu e minha familia nao estavamos aflitos, viamos na tv e na internet materias que informavam sobre o crash no mercado imobiliario americano,queda na bolsa de valores, só que ao chegar no mercado, na padaria não passavamos tanta raiva como passamos hoje.



    Jadson disse:
    12 de junho de 2015 às 2:26

    Mesmo o país passando por este momento super difícil, ainda há oportunidades inexploradas.



    Sidimar Ortiz Tavares disse:
    15 de junho de 2015 às 11:39

    Concordo que a crise atual é pior que a de 2008. Hoje temos escândalos de toda ordem escancarados, os preços subiram descontroladamente.A economia está estagnada em diversos setores, falta credibilidade aos políticos e a violência é infinitamente maior.



    Jonas disse:
    18 de junho de 2015 às 11:40

    Em tempos de crise, o espirito empreendedor e a boa informação mostram quem esta preparado.



    Isabel disse:
    18 de junho de 2015 às 12:02

    É como dizem, mar calmo não faz um bom marinheiro.. nessas horas que os empreendedores se destacam.



    Julia disse:
    1 de julho de 2015 às 14:41

    Penso que boas oportunidades sempre existirão, mas o empreendedor precisará estar atento para analisar e aproveitar quando surgirem.



    Rogério disse:
    7 de julho de 2015 às 23:33

    Quanto maior a crise, maiores são as oportunidades de negócios. Acredito que a crise só existe para as pessoas que não estão dispostas a se adaptarem as mudanças.



    Joseph disse:
    9 de julho de 2015 às 19:38

    …”desafios a cada um de NÓS” ? “nós” porque? “eu não tenho nada a ver com isso, nem sequer nasci em Niterói” ( by vinivius de morais)



    Jaime disse:
    17 de julho de 2015 às 23:25

    Em qualquer ciclo da economia haverá oportunidade e não será diferente em épocas de crise. E já dizem por aí: enquanto estão chorando, outros estão vendendo lanços.



    Vivian disse:
    20 de julho de 2015 às 11:01

    O ditado mais certo é o seguinte, em toda crise, são diversas as oportunidades. Todos querem sair daquilo.



    Angela disse:
    20 de julho de 2015 às 17:08

    É… parece que a marolinha do Sr.”Lula”virou altas ondas.
    Mas, para para o barco sair do lugar é necessário impulso.
    Então, quem sabe muitos aproveitam a oportunidade atual para aprender a navegar por outros mares e crescer!



    Mário disse:
    25 de julho de 2015 às 21:32

    O Brasil é um país extremamente rico e Repleto de oportunidades, basta termos criatividade.



    Carlos disse:
    28 de julho de 2015 às 19:47

    Chorar por causa de crise é perda de tempo. Uma frase muito interessantes, que eu vi há algum tempo é: Quanto mais eu trabalho, mais sorte eu tenho.



    Maick disse:
    8 de agosto de 2015 às 1:05

    Perfeito, temos que saber nos adaptar nas diversas situações e quando temos a oportunidade temos que investir e melhorar nosso padrão de vida, Mas o que eu mais percebo é que durante muito tempo o governo vem gastando nossos recursos (conquistados com muito suor) com coisas que muito pouco tem nos ajudado um bom exemplo é os deputados federais que em nada nos ajudam.
    Obrigado pelo artigo!



    Márcia disse:
    8 de agosto de 2015 às 14:15

    É uma pena o rumo em que as coisas estão indo. Eu não acredito mais em uma mudança no Brasil. Apenas tirando o poder das mãos dos políticos e deixando cada vez mais o mercado livre poderemos evoluir.



    Sine Linhares disse:
    21 de agosto de 2015 às 11:42

    Ricardo isso é que eu sempre digo, em quantos muitos choram com a crise outros vendem lenços. A crise existe? Sim, ok, agora vamos focar em como podemos vencê-la.



    Maick disse:
    29 de agosto de 2015 às 18:03

    Eu concordo, e nesse momento nós temos que escolher os rumos de nossas vidas, muitas pessoas reclamam da situação, outras não desistem para se adaptar!



    12 de setembro de 2015 às 15:50

    Eu acredito que a crise atual do Brasil é grave sim, mas pode muito bem ser contornada se tiver vontade política, o que parece não ter…



    Marco disse:
    17 de setembro de 2015 às 18:17

    É isso que eu tento ensinar aos meus filhos todos os dias. Olhos abertos nas oportunidades é essencial. Obrigado!



    Rafa Silva disse:
    22 de setembro de 2015 às 11:32

    Excelentes articulações e o “puxão” de orelhas é perfeitamente aceitável. Seu conselho de melhoria contínua ou capacitação profissional, indiferente se a empresa ou o funcionário quem paga, deve ser levado a sério! Parabéns. 🙂



    Pedro disse:
    25 de setembro de 2015 às 7:38

    Olá te achei nas pesquisas do google ótimo artigo já salvei seu blog em meus favoritos abraços



    Deivide disse:
    25 de setembro de 2015 às 14:15

    Texto bem condizente. Trabalho no segmento em que a crise não nos afetou, mas é bom sempre ficarmos espertos.



    José Silva disse:
    26 de setembro de 2015 às 9:40

    Post Sensacional Parabéns!!!



    Augusto disse:
    5 de outubro de 2015 às 13:15

    Excelentes articulações e o “puxão” de orelhas é perfeitamente aceitável. Seu conselho de melhoria contínua ou capacitação profissional, indiferente se a empresa ou o funcionário quem paga, deve ser levado a sério! Parabéns.



    RAFAEL disse:
    7 de outubro de 2015 às 1:09

    Uma alternativa bastante viável para sair da crise é o empreendedorismo digital. Hoje em dia, existem diversas ferramentas e serviços para criar de uma identidade online, que são extremamente acessíveis, tornando possível a criação de um novo negócio na Internet pelo preço de um cafezinho. Vale destacar que, apesar do momento de mercado frio, os negócios digitais ainda rendem bons frutos.
    Por isso, a plataforma online acaba sendo a melhor opção, já que tem baixa barreira de entrada, permitindo que se inicie um negócio com investimento pequeno. Além disso, o empreendedorismo digital continua crescendo, apesar do cenário econômico pessimista, mostrando que para sobreviver à crise, é preciso pensar fora da caixa e finalmente arriscar e investir naquela ideia que estava “estacionada”.



    Jorge Costa disse:
    7 de outubro de 2015 às 10:55

    Pois é.

    Sempre temos a tendência em relaxar quando a coisa está boa.

    Mas as coisas mudam, como sempre.

    Não buscar evolução sempre, pode ser perigoso.

    Quando uma chega uma crise ou dificuldade, não estar preparado ou não ter vantagem sobre os problemas pode complicar as coisas.

    Abraços!



    Mauro Sérgio disse:
    7 de outubro de 2015 às 10:58

    Gostei muito do artigo.

    É sempre bom ver pessoas inteligentes expondo suas idéias.



    7 de outubro de 2015 às 12:59

    Fantástico, compartilho da mesma opinião!



    9 de outubro de 2015 às 8:15

    Adorei o artigo. Realmente é ficar atento para as oportunidades que aparecem. Sempre com artigos fantásticos.



    16 de outubro de 2015 às 8:51

    Artigo fantástico, de grande valia, as oportunidades sempre aparecem, é saber aproveita-las muito bacana, Obrigado.



    16 de outubro de 2015 às 22:40

    Aproveitar as oportunidades em períodos de crise é pensar fora da caixa ! Artigo muito bom !



    20 de outubro de 2015 às 3:16

    Muito bom o artigo. Nao tenho dúvidas de que é num período de crise que surgem novas oportunidades. Comecei uma negócio de franquia mesmo com a instabilidade política do Brasil e consegui ter bons resultados nessa área. Acredito que outros nichos de mercado também estão indo bem.



    Ana Carolina disse:
    24 de outubro de 2015 às 21:17

    Excelente artigo! Não podemos ficar paralisados diante da crise



    Luisa Reis disse:
    25 de outubro de 2015 às 16:00

    Ótimo texto. É como dizem… Onde tem gente chorando, também tem um empreendedor vendendo lenço.



    28 de novembro de 2015 às 22:20

    O Brasil tá precisando de uma reforma democrática, é isso que eu acredito,



    Alex disse:
    14 de janeiro de 2016 às 9:37

    Estamos em pleno 2016, me questiono este ano qual será o novo escândalo dos nossos governantes, este para mim está sendo o pior cenário econômico.



    20 de janeiro de 2016 às 23:13

    Quem quiser passar pela crise, terá que aprender a gostar de mudanças, se adaptar faz parte da vida daquele que vive de negócios.

    Mais do que nunca, pensar fora da caixa será questão de sobrevivência.



    Acesse aqui disse:
    9 de fevereiro de 2016 às 17:48

    Se adaptar com certeza vai ser bem díficil no meio dessa crise, espero que esse ano de 2016 seja ótimo!



    21 de fevereiro de 2016 às 17:51

    É como dizem: em tempos de crise há quem chora e há quem venda lenços.

    É tudo uma questão de aproveitar as oportunidades.



    Paulo Augusto disse:
    2 de março de 2016 às 12:42

    Há oportunidades em qualquer ciclo da economia, principalmente, em épocas de crise. É como dizem: enquanto uns choram, outros vendem lanços.



    ricardo disse:
    7 de março de 2016 às 11:49

    Em tempos de crise, muitas oportunidades surgem. O dinheiro não some, simplesmente troca de mãos. Quem tiver coragem para empreender, não se deixará abalar pela crise, que é passageira.



    Rolene disse:
    12 de março de 2016 às 11:44

    Realmente em tempos de crise as oportunidades surgem bastante, o problema é que as pessoas focam apenas no que diz os noticiários e na sociedade, se esquecendo de focar no que realmente importa. Por isso recomendo a todos que não deixe se abalar pela crise.
    Forte Abraço!



    Valdes disse:
    31 de março de 2016 às 4:18

    Negócio é continuar na batalha.



    Julio paes disse:
    10 de abril de 2016 às 20:05

    As oportunidades sempre surgem na crise.Indiferente de qualquer coisa o trabalho tem que continuar. Não dá pra ficar de braço cruzado



    Eduardo disse:
    25 de abril de 2016 às 8:07

    O olhar para as oportunidades deve ser um exercício contínuo e não apenas em tempos de crise.



    Eliane Silva disse:
    19 de julho de 2016 às 9:43

    Empreender significa resolver problema. Em uma crise como estamos vivendo é o momento em que mais temos problemas para resolver. Então é nessa hora que surge as maiores oportunidades para criar o próprio negócio.



    8 de setembro de 2016 às 18:02

    Eu sempre falo que ficar parado não resolve nada, se queremos algo melhor, devemos fazer algo diferente, mudanças são necessárias para crescer.



    Douglas disse:
    26 de outubro de 2016 às 13:45

    Ótimo artigo, muito bem feito.



    Mariana Souza disse:
    26 de outubro de 2016 às 13:47

    Parabéns pelo artigo!!



    R Querido disse:
    28 de outubro de 2016 às 19:00

    Estamos no fim de 2016, me questiono este ano qual será o novo escândalo dos nossos governantes em 2017..

    Nosso país nunca esteve tão ruim quanto agora.



    4 de novembro de 2016 às 10:47

    Por isso, a plataforma online acaba sendo a melhor opção, já que tem baixa barreira de entrada, permitindo que se inicie um negócio com investimento pequeno. Além disso, o empreendedorismo digital continua crescendo, apesar do cenário econômico pessimista, mostrando que para sobreviver à crise, é preciso pensar fora da caixa e finalmente arriscar e investir naquela ideia que estava “estacionada”.



    wiara Lessa disse:
    5 de novembro de 2016 às 17:18

    Aprendi que ficar parado e ter somente uma fonte de renda é um erro grave, agora busco vários tipos de negócios rentáveis.
    Obrigado pelo artigo e dicas.



    dirceu disse:
    16 de novembro de 2016 às 18:55

    Parabens Ricardo. Otimo conteudo



    mari disse:
    24 de novembro de 2016 às 19:08

    é na crise que a galera acorda e busca novas alternativas



    30 de novembro de 2016 às 17:35

    Eu já estou buscando alternativas pra essa crise não me afetar



    oculto disse:
    2 de dezembro de 2016 às 11:19

    Eu estou cheio de desafios. Economia tá péssima



    Vendas top disse:
    2 de dezembro de 2016 às 14:26

    Cada vez mais desafios difíceis



    givanildo disse:
    7 de dezembro de 2016 às 8:50

    Oi estou com muitos desafios



    14 de dezembro de 2016 às 12:46

    Olá Ricardo!

    Temos alguma perspectiva positiva para 2017?
    Quando será que o Brasil vai sair desse buraco, cada vez mais fundo?

    A situação está muito ruim aqui em casa 🙁



    Eliana disse:
    2 de janeiro de 2017 às 17:04

    Ricardo, o melhor de tudo é ler seus artigos 2 anos depois e ver que são altalmente atualizados. Parece que foi hoje. Parabéns!!!



    Raquel disse:
    3 de janeiro de 2017 às 11:03

    Ricardo, já sabemos que 2017 será no primeiro trimestre complicado, agora vamos torcer para que depois melhore. Parabéns!!!



    Carla disse:
    5 de janeiro de 2017 às 17:30

    No Brasil tudo é mais complicado, mas depende muito também da forma que encaramos as coisas na nossa vida, eu agora vejo crise e problema como oportunidades de mudar e crescer.



    Rosana disse:
    5 de janeiro de 2017 às 20:51

    Olá, Ricardo. Buscar saidas e definitivamente um dos melhores caminhos, estamos vendo a cada dia como é um otimo caminho e o melhor, sem volta. Parabéns!



    Roger disse:
    16 de janeiro de 2017 às 22:27

    Se todos batalharem de forma honestas para ter uma vida financeira melhor, acredito que o Brasil não estaria do jeito que está.



    21 de janeiro de 2017 às 14:26

    Otimo artigo !



    Terezinha disse:
    25 de janeiro de 2017 às 14:10

    Ola, sempre acompanho seus artigos e vejo você nos jornais.

    Mas hoje eu queria comentar uma coisa…

    Quando meu marido ficou desemprego eu fui buscar algo para fazer para ajudar em casa. Como fazia artesanato pensei em me unir com outras artesãs da minha região. Então começamos a trocar ideias sobre negócios. Agora cada uma de nós faz determinadas partes de peças de artesanatos e trocamos referências. Uma indica para outra possíveis clientes. Agora nós estamos conseguindo faturar bem com isso. Estamos bem conhecidas.

    Não podemos ficar parados.
    Vamos Brasil.



    Julia disse:
    1 de fevereiro de 2017 às 13:21

    Acho que as pessoas deveriam ser mais empreendedoras e não depender tanto de empregos formais. A cultura que estamos inseridos não nos incentiva a abrir o próprio negócio, e o governo também não colabora.



    Viste aqui disse:
    7 de fevereiro de 2017 às 22:12

    Conteúdo mais que original, parabéns!



    8 de fevereiro de 2017 às 20:13

    Excelente conteúdo compartilhado. Grato



    15 de fevereiro de 2017 às 21:25

    O cenário atual da economia brasileira é horrível o governo perdeu o controle de tudo o numero de desempregados só aumenta



    Goes disse:
    14 de março de 2017 às 12:58

    Compaixão em todo o Brasil tal governo …



Deixe seu comentário

Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente