Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Surpresas boas na economia?!

postado em Artigos


12/2014

Revista IstoÉ

2014-12-Surpresas-boas-na-economia
 
Há anos, publico nesta época do ano, um artigo sobre as perspectivas para o ano seguinte. Nos últimos quatro anos, alertei que as expectativas de crescimento do PIB, que oscilaram entre 4% e 5%, decepcionariam e, infelizmente, o crescimento efetivamente ficou aquém das expectativas, em alguns anos até mesmo das minhas. Crescemos apenas 1,6% a.a., nestes quatro anos, menos que todos os países latinoamericanos.
 
Pasme, mas para os próximos quatro anos, as probabilidades de surpresas positivas são maiores do que de más surpresas.
 
Não, as boas surpresas não começarão em 2015. As expectativas  de crescimento de 0,7% parecem relativamente realistas. Realistas, mas muito ruins. Por que cresceremos tão pouco?
 
Além de baixíssimo crescimento, a política econômica do primeiro mandato da Presidenta Dilma gerou desequilíbrios macroeconômicos que agora têm de ser corrigidos às custas de desaceleração econômica.
 
Altas de preços controlados pelo governo e do dólar pressionarão a inflação e exigirão que o Banco Central continue a subir a taxa de juros, encarecendo o crédito e limitando assim consumo e investimentos em expansão da capacidade de produção.
 
O péssimo estado das contas públicas exigirá um duro ajuste fiscal, retirando recursos da economia.
 
O cenário político estará conturbado, com o avanço da Operação Lava-Jato. As incertezas colaborarão para deprimir ainda mais a confiança de empresários e consumidores, limitando investimentos e consumo.
 
Assim, novas quedas do PIB na primeira metade do ano são bastante possíveis. Dois riscos adicionais podem até fazer com que o PIB caia no ano como um todo: um eventual racionamento de energia elétrica na região sudeste e uma possível nova crise externa. Porém, este não é o ponto deste artigo.
 
O ponto é que as atuais expectativas de crescimento de menos de 2% em 2016 e menos de 2,5% em 2017 e 2018 são muito ruins, criando uma boa chance de surpresas positivas, o que chamo de “efeito Copa do Mundo”. A maioria dos brasileiros considerou a Copa um sucesso, não porque nossa organização foi impecável – lembra-se da ponte que caiu em Belo Horizonte? – mas porque a expectativa de caos da maioria não se concretizou.
 
O mesmo fenômeno aconteceu com a economia brasileira em 2009 e 2010. Em 2009, o PIB caiu e, com ele, as expectativas para 2010. No entanto, em 2010 o Brasil acabou registrando a maior taxa de crescimento em um quarto de século, 7,5%.
 
Joaquim Levy, conhecido em Brasília como Joaquim Mãos de Tesoura, é o homem certo no lugar certo. Se a Presidenta deixá-lo ajustar as contas públicas reduzindo gastos públicos, ao invés de aumentando impostos, poderemos ter um choque positivo de confiança, gerando uma recuperação inesperadamente robusta. Cortes sistemáticos e profundos dos gastos públicos abririam espaço a seguir para elevação dos investimentos em infraestrutura, redução dos impostos e da necessidade de financiamento do governo, permitindo que os juros caíssem a  partir do de 2016, o que por sua vez reduziria a atração de capital especulativo, permitindo que o país tivesse uma taxa de câmbio mais competitiva.
 
Antes que o novo ministro tenha sequer tomado posse, é cedo demais para garantir que isto vá acontecer, mas pela primeira vez em muito tempo, a probabilidade de boas surpresas econômicas é maior do que as das más. Aí é que mora a oportunidade.
 
Ricardo Amorim
 

Economista, apresentador do programa Manhattan Connection da Globonews e presidente da Ricam Consultoria.

 
 





    18 de dezembro de 2014 às 19:08

    Será que o novo ministro irá conseguir trabalhar e reduzir as despesas dos 39 ministérios? Quando o cenário é ruim, notícia boa se destaca. Vamos ver as taxas de crescimento.



    18 de dezembro de 2014 às 19:09

    que assim seja AMÉM .
    estamos vivendo o pesadelo do bolsa família e esta impossível conseguir empregados seja domestico ou rural , eles vivem de bolsa família e auxilio desemprego trabalham 6 meses sim 6 não , moro no interior e vivemos do café é tudo um grande pesadelo !!!!



    Lucimara Borgo disse:
    18 de dezembro de 2014 às 20:00

    Que sua palavras sejam proféticas!!!!!!



    Maria Thereza Dantas disse:
    18 de dezembro de 2014 às 22:05

    Enxuto e inteligente



    Ramos disse:
    18 de dezembro de 2014 às 22:17

    A CPMF e CIDE podem voltar em breve; Lula deve ser articulador da ideia – InfoMoney
    Veja mais em: http://www.infomoney.com.br/minhas-financas/impostos/noticia/3760758/cpmf-cide-podem-voltar-breve-lula-deve-ser-articulador-ideia



    Gilson Paula Lopes de Souza disse:
    19 de dezembro de 2014 às 8:24

    Favor incluir a pré condição básica para o sucesso: O Governo terá que calçar “as sandálias da humildade” e reconhecer os seus erros, o que ao meu ver, é IMPOSSÍVEL!



    Enio disse:
    19 de dezembro de 2014 às 9:49

    Um texto desapaixonado. Muito bom. Seu trabalho é excelente. Gosto de ler críticas fundamentadas na análise, não de mídias especulativas, mas, com embasamento do olhar investigativo fomentado pelo profissionalismo de quem os constrói. Creio fortemente neste raciocínio.



    Eduardo Neves disse:
    19 de dezembro de 2014 às 10:13

    Ricardo, Bom Dia! É desalentador termos que contentar apenas com os possíveis cenários que você descreve. Em 2008 ou 2009, com os potenciais de investimento que se abriam para o país ( copa, olimpíada, pré sal, infraestrutura, etc) torci para que nosso governo não fizesse nada que atrapalhasse isso, mas veja onde estamos alguns anos depois. Definitivamente não sabemos aproveitar oportunidades quando claramente tudo conspira a favor, então não acredito que saberemos cria-las no ambiente desafiador que se aproxima.
    Vamos ter que esperar 2018 para um novo governo e torcer por ventos favoráveis àqueles visto no mundo entre 2002 e 2008.



    Nelson de C Ferraz Fº disse:
    19 de dezembro de 2014 às 11:03

    Prezado Ricardo,
    Não consigo ter esse seu otimismo qto as intenções da Presidente e principalmente, de sua “entourage”.
    Quando se joga só para a platéia e não para o time, os riscos são sempre muito altos.
    Não existe hoje nesse governo e partido, ninguém com uma visão de estadista, de futuro, de cumplicidade com o país.Muito menos capacidade gerencial( para o bem é claro).
    Se conformar com as expectativas de que não será tão ruim porque não foi péssimo está muito longe daquilo, pelo qual qualquer brasileiro deva lutar, a não ser que viva confortavelmente fora do país.



    jurandi jose orlandi disse:
    19 de dezembro de 2014 às 11:55

    Caro Amorim, tenho em você um dos poucos economistas que confio nas previsões e falo por acompanhar bem as previsões de especialistas e verificar os resultados, mas neste caso eu apenas me limito a torcer que você esteja certo.Porque: o ladroagem se tornou algo institucional e cultural em todo pais, as instituições estão loteadas por gente que tem a pratica de usufruir dos que não lhe pertence como legal, pessoas são colocadas em posições com a finalidade de espoliar os bens, você não mais suborna as pessoas mas é subornado a tais praticas para ter acesso aos direitos legais, mas o pior de tudo é que as pessoas que comandam o pais são assim por natureza de suas personalidades, elas não querem e não podem agir de de outra maneira. Para entender o que digo basta ver apesar de todos os descobertas mais que comprovadas elas seguem com as mesmas atitudes e a justiça que é parte deste problema nacional sempre é contornada. Por isso apenas desejo que você acerta mais uma vez. Abç



    themis travassos disse:
    19 de dezembro de 2014 às 15:07

    Ricardo,

    Seria ótimo se na vida real o Brasil e o mundo pudessem pular estes anos todos..
    Mas , com relação à investimentos internacionais o Levy parece que terá muito êxito . Pelo menos até 2017. As apostas estão mais voltadas para a China principalmente, aoesar de tudo. Não vi SEQUER UM BANCO recomendando Brasil.
    O Levy ainda enfrentará a Bolha do petróleo internacional , provavelmente outros escândalos. Países que não estam enfrentando este terror de corrupções extrapoladas , não estão otimistas e com problemas pela frente. O Levy terá que resolver duas variáveis complicadas o cenário externo e o interno. E… pode ser o que for , mas , não tem a equipe do plano Real. Há muita dificuldade para conseguir aliados descentes : quem se vai se submeter a envolvimentos com o setor público ?
    Realmente , EU deixo o Brasil de lado. ( nível investimento externo)
    Mas , sua previsão para daqui há 4 anos… Eu também não tenho perfil , longo prazo.

    Você poderia colocar para mim se nesta sua análise como você considera estes pontos que coloquei : cenário externo complicado x petrobras , e outros escândalos pela frente.
    Pergunta 2 – você quer dizer com isto que agora seria momento de comprar Brasil?



    Daniel Augusto Ferreira disse:
    19 de dezembro de 2014 às 15:39

    Ao eonomista Ricardo Amorim:

    Muito obrigado por todas as orientações que recebi através de seus e-mails, eu também gosto e acompanho o máximo que posso as notícias sobre a economia no Brasil e no mundo. quero continuar recebendo informações, e desejo um feliz Natal e ótimo 2015.



    Luiz Gonçalves disse:
    19 de dezembro de 2014 às 17:12

    Deduzo que a solução seja o que era preconizado pela oposição e este governo, com redução dos gastos públicos, inclusive salários de todos os poderes.
    Mas tido dependerá da independência do novo Ministro. Ele resistirá às pressões dos políticos e empreiteiras?



    Luiz Gonçalves disse:
    19 de dezembro de 2014 às 17:15

    Corrigindo meu comentário:
    Onde se lê: oposição e este governo, leia-se oposição a este governo



    joao engelke disse:
    20 de dezembro de 2014 às 7:58

    Excelentes tuas posturas, e esclarecedoras tambem quanto o ponto de vista de um Economista fora do Governo, mas realista o suficiente para pontuar de forma categórica as expectativas.Espero continuar merecendo receber as postagens
    Att



    João guerrero disse:
    20 de dezembro de 2014 às 9:09

    Não sou um profundo conhecedor de economia, mas forneço peças de reposição para indústrias e nunca vi um cenário tão ruim nas mesmas. Demissões, pruducao reduzida, cortes em jornadas de trabalho, e o mais interessante: NENHUM SINDICATO SE MAMIFESTANDO. Para mim o cenário econômico do País está péssimo e não vejo solução a curto prazo.



    Ricardo Caiuby de Faria disse:
    20 de dezembro de 2014 às 20:58

    É a nossa grande esperança a chegada do Joaquim Levy!



    Amilcar disse:
    22 de dezembro de 2014 às 10:26

    Feliz Natal e Próspero 2015
    Espero continuar recebendo seus artigos em 2015. Um grande abraço



    JAIME ANTAS DE ABREU NETO disse:
    24 de dezembro de 2014 às 19:53

    CARO RICARDO , COMO SE OTIMISTA COM 39 MINISTÉRIOS, ESSA ROUBALHEIRA GENERALIZADA E INSTITUCIONALIZADA , OS INVESTIMENTOS EM INFRA ESTRUTURA A ZERO , O PREÇO DO PETRÓLEO CAINDO , NOSSO PARQUE INDUSTRIAL SUCATEADO , DOLLARS JOGADOS FORA PARA CONTER O CÂMBIO REAL , OS ENCARGOS TAXAS E IMPOSTOS NAS ALTURAS ,COM CERTEZA SOU CAPAZ DE FAZER UMA APOSTA DE 5 PARA 1 , QUE O BRASIL VAI É PARA O BREJO SE NÃO SE FIZER O MÍNIMO DA LIÇÃO DE CASA , AINDA MAIS COM ESTE MINISTÉRIO POLITIZADO , UMA “PRESIDENTEE” AUTORITÁRIA E IDEOLOGICAMENTE SEM VISÃO ALGUMA , A NÃO SER A DELA!TRISTE , MAS SUPER REALISTA!UM FORTE ABRAÇO.



    Eduardo Weisz disse:
    25 de dezembro de 2014 às 11:23

    Ricardo, mas e o cenario externo? Os juros americanos estao para iniciar uma tragetoria de subida, a moeda russa esta derretendo, a zona do Euro dando os primeiros sinais de recuperação e focando no mercado externo (desvalorização do Euro a vista?). Tudo isto enfraquece o real, aumenta pressoes inflacionarias e pressiona os juros para cima. Considerando isto, como voce acha que fica o crescimento?



    Edmilson Torres disse:
    29 de dezembro de 2014 às 15:26

    Ricardo,

    Suas informações são boas em vista das muitas que temos recebido, apesar de não ser exatamente as que queremos receber. Infelizmente poderíamos estar em um patamar mais elevado e com uma população mais beneficiada economicamente. Eu como um dos muitos cinquentões também sofro com a “crise” e ainda tenho que pensar em fazer um pronatec.. que a santa Dilma me proteja. Será que eles (sei que a Dilma não fará nada sozinha, aliás o Lula está por trás dela), farão algo para em 2016 termos pelo menos um crescimento acima de 2% ?

    Att,

    Edmilson



    31 de dezembro de 2014 às 21:15

    Caro Ricardo.

    Aprecio muito seu raciocínio, mas acho que do jeito que a “gerentona ” está escalando seu ministério, as coisas ainda podem ficar bem piores antes da mudança.
    Infelizmente ela era uma fraude que acabou aparecendo depois do conjunto de burrices feitas em seu governo.



    4 de janeiro de 2015 às 10:38

    Para uma simples dona de casa, a conta é simples. Dinheiro custa muito para ganhar. Se um governo não investe, desvia e dá dinheiro de graça para mais de 51% da população além de incentivar o ócio, é impossível conseguir um resultado positivo disso. E quem é o louco que pretende continuar financiando tudo isso?



    Jorge Augusto disse:
    4 de janeiro de 2015 às 21:26

    A primeira medida foi cortar direitos do trabalhador, não consigo imaginar esse governo fazendo algo de justo.



    Ronie Caetano disse:
    7 de janeiro de 2015 às 7:46

    Bom dia,

    quem bom, até queenfim podemos ler um artigo com pensamentos de um cenário positivo ou menos pessimista para 2015.
    Vamos torcer e trabalhar muito para que isso se realize.

    Ronie Caetano.



    Egberto disse:
    9 de janeiro de 2015 às 17:59

    Este governo não tem mais onde recursos.ministros sem competência.
    Temos muitos manifestantes que em breve irão pra ruas
    Muita droga muitas armas na mao de traficantes policia despreparados. E todo o governo desmoralizado.
    Não temos uma oposição forte e neum líder com apoio da população.
    Forças armadas compradas pelo PT.
    Industriais quebradas e nossos principais produtos
    Com baixos preços internacionais.
    Vamos passar por uma guerra interna.
    Nada mostra outra saída só pra quem estão fechados nos gabinetes e não sabe o que acontece no pais.
    Um exemplo e a situacao do rio de janeiro uma elite que não fez nada pra mudar.
    Assim será.



    Celso Carrera disse:
    14 de janeiro de 2015 às 14:22

    Não tem como acontecer, seria ótimo, mas impossível. É como acreditar que macaco possa falar.
    A presidente não tem preparo para enfrentar os desafios, nem permitira que o Levy resolva os problemas criados pelo PT e asseclas. (partidos da situação vinculados ao poder.)



    Ligia Pereira disse:
    21 de janeiro de 2015 às 16:39

    Como vc vê Ricardo, o governo “já” fez o contrário,
    não diminuiu os gastos públicos e aumentou os impostos
    e juros….



    21 de janeiro de 2015 às 17:10

    Além das medidas monetárias e fiscais, para ganhar crdibilidade e tentar reverter a “uruca” petista, o governo precisa anunciar – nem que seja como intenção- uma política consequente de recuros hídricos e saneamento, um programa agressivo de PPP’s; além de ações visando à retomada dos investimentos em mineração,petróleo e gás ( todos esculhambados por “mancadas” regulatórias). Finalmente, precisamos rever o modelo educacional ( o problema do ensino médio, ente outros), o pacto federativo ( guerra fiscal, centralismo federal…,) , as m@$?£ da CLT, privatizar a Petrobrás… Mas essas ùltimas iniciativas só serão possìveis se as primeiras funcionarem e se o PT e seus atuais apoiadores forem substituídos por gente em sintonia com o Século em que estamos…



    alba disse:
    22 de janeiro de 2015 às 13:25

    Hoje, assistindo o recuo de Joaquim Levy,mudando recessão por mais uma metáfora, eu, formada em Letras, passei a acreditar que é mais um fazedor de metáforas, com estilo diferente, evidentemente. Mas não sou economista…é apenas uma opinião laica.



    25 de fevereiro de 2015 às 8:41

    Temos dúvida da eficácia/eficiência dos Três Mosqueteiros, visto por todos como os salvadores da pátria.
    Por que temos dúvidas? Porque o um dos Mosqueteiros – estando Ministro do Planejamento se entusiasmou e fez logo no discurso da posse uma declaração que não agradou a PresidAnta, que puxou-lhe as orelhas e fê-lo “desdizer”. Vamos ver quando será a “reprimenda” no Dr. Joaquim Levy.
    Arthur de Lucca
    Em Goiânia,Go. 25/fevereiro/2015



    José Waisel disse:
    25 de fevereiro de 2015 às 18:25

    Tenho dúvidas quanto a fórmula a ser usada, no passado, o então Ministro FHC, também solucionou o problema das contas públicas aumentando impostos (CPMF), hoje parece ser uma réplica piorada do mesmo, já que a carga tributária hoje é mais alta. Quando teremos um governante que realmente melhore a qualidade dos gastos e não crie tributos para tampar buracos?



    Lucas disse:
    15 de março de 2015 às 22:52

    Infelizmente os mecanismos de lidar com as crises financeiras no nosso país sempre são defasadas e servem apenas para continuar mantendo a parte corrupta do sistema, deixando de lado os setores que realmente necessitam. Mas esperamos que no final dessa reforma os pontos positivos realmente superem os negativos.



    26 de março de 2015 às 10:26

    […] a sociedade brasileira se mobilizaria para mudar o país.   O Brasil tem jeito, sim. A crise é o jeito. Não é à toa que o ideograma chinês para crise e oportunidade é o mesmo. Sabedoria […]



    Clique aqui disse:
    7 de maio de 2015 às 22:05

    Excelentes tuas posturas, e esclarecedoras tambem quanto o ponto de vista de um Economista fora do Governo, mas realista o suficiente para pontuar de forma categórica as expectativas.Espero continuar merecendo receber as postagens



    Pedro disse:
    8 de maio de 2015 às 10:36

    É as surpresas não estão sendo boas na economia.



    Ian Zamboni disse:
    31 de maio de 2015 às 12:31

    Estive lendo os comentários, será que é somente o Ricardo que está otimista mesmo? Ou será que pessoal anda muito pessimista e contagiado?
    Eu estive a poucos dias em uma palestra com Ricardo Amorim e a partir dai comecei acompanhar mais a economia, eu creio no texto dele, eu creio na bagagem que ele apresenta. Eu acredito sim no cenário apresentado!!a fase ruim é agora, amanhã qualquer especie de melhora já vai fazer o andamento da engrenagem melhorar!



    Frida MD disse:
    26 de setembro de 2016 às 13:47

    Ricardo, admiro muito seu trabalho. Parabéns por esse artigo no qual você expõe de forma clara e objetiva sobre a situação atual do Brasil na economia.



Deixe seu comentário

Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Gazeta do Povo

Em 2017, Ricardo iniciou uma parceria com a Gazeta do Povo. Clique e confira.
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente