Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Tabelamentos, falsas soluções mágicas e a ruína da América Latina

postado em Artigos


09/2018

Por Ricardo Amorim

 

 

Segundo Albert Einstein, fazer a mesma coisa e esperar um resultado diferente é sinal de loucura. Muitos políticos latino-americanos devem ser loucos. Não faltam experiências com tabelamento de preços, mas alguma bem sucedida nunca foi vista. Ainda assim, nossos políticos continuam tentando. O desastre mais recente aconteceu na Venezuela de Nicolás Maduro. O governo definiu um tabelamento de preços de produtos básicos.

 

Há dois tipos de consequências quando se faz um tabelamento de preços. O primeiro, como foi o caso, quando o preço de tabelamento está abaixo do que seria o preço definido pelo equilíbrio entre a oferta e a procura pelo produto, ou seja, o preço definido pelo mercado. Se o preço está mais barato do que deveria, todo mundo quer comprar o produto, mas ninguém quer vendê-lo. Resultado? O produto some do mercado, as prateleiras ficam vazias e quem não conseguiu comprar vai ficar sem o produto, como a falta de comida nos supermercados da Venezuela deixa claro. No Brasil, vivemos muitas vezes a mesma história em planos econômicos mal sucedidos na década de 80 e primeira metade da década de 90.

 

Ocorre a situação oposta quando os preços são tabelados acima do preço de mercado. É o que está acontecendo no Brasil com o tabelamento dos fretes. Quando o preço tabelado é mais alto do que deveria ser, o produtor ou prestador de serviço fica animado em vendê-lo, mas ninguém quer comprar o produto ou serviço e o produtor ou prestador de serviço fica com o produto ou serviço encalhado. Resultado? Mais uma vez, o tabelamento acaba prejudicando tanto quem quer vender quanto quem quer comprar. No Brasil, o tabelamento do frete foi feito com o objetivo de ajudar quem fazia o transporte, mas os está deixando sem trabalho, a ponto de já surgirem fortes rumores de novas greves.

 

Em resumo, soluções mágicas dos nossos políticos populistas nunca funcionam. Com as eleições batendo à porta, mais do que nunca, é importante lembrar disso e não cair no canto das sereias políticas, que prometem benesses sem custos. O Brasil tem solução, mas a solução requer não apenas lisura e boas intenções, mas também seriedade e sacrifícios de todos nós. Como é mais fácil se eleger prometendo tudo do que dizendo a verdade sobre os sacrifícios necessários, os políticos latino-americanos insistem na loucura de pregar as mesmas falsas soluções eternamente mal sucedidas. Resta saber se os eleitores também sofrem da loucura de continuar votando em falsos salvadores da pátria e acabarem sempre arrependidos. Espero que não.

 

Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedInúnico brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner, ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças, presidente da Ricam Consultoria e cofundador da Smartrips.co e da AAA Plataforma de Inovação.

 

Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.

 

Clique aqui e conheça as minhas palestras.

 

Siga-me no: Facebook, TwitterYouTubeInstagramMedium e LinkedIn.

 
 





    Mel disse:
    17 de outubro de 2018 às 15:42

    Parabéns pelo conteúdo Ricardo. Muito lúcido e sério seu comentário. Esperamos o melhor para nosso continente.



    Alberto disse:
    21 de outubro de 2018 às 17:10

    Basicamente, o controle de preços estatal, parte dos regimes socialistas, não funciona nem vai funcionar, além disso, Mises já refutou isso em 1900 e pouco…



Deixe seu comentário