Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Economista Ricardo Amorim aponta os desafios da abertura de capital em debate na Campus Party.

postado em Entrevistas


G1.com / Extra

20/01/2011

Rennan Setti

SÃO PAULO – O editor especial da “Wired UK”, Ben Hammersley, elogiou, na Campus Party, a cautela com que o Facebook está atraindo capital, sem recorrer à IPOs (ofertas iniciais de ações):

— O Facebook está sendo muito inteligente na maneira como está sua capitalização. Ele escolhe com cuidado quem compra suas ações, como fez por meio do Goldman Sachs. Não é qualquer um que pode comprar um pedaço da empresa, ela não está na bolsa de valores. Abrir o capital é necessário para conseguir dinheiro para projetos inovadores, mas também pode ser prejudicial à inovação. Vender para pessoas erradas pode causar problemas — disse o jornalista britânico em debate com executivos da Telefónica e com o economista Ricardo Amorim.

O Facebook está sendo muito inteligente na maneira como está sua capitalização. Não é qualquer um que pode comprar um pedaço da empresa, ela não está na bolsa de valores

Para Hammersley, a ambição do novo empresário da área de tecnologia “é criar um legado, não apenas lucro, como acontecia há 15 anos. Por isso, segundo ele, as start-ups de hoje resistem a vender seus negócios para grandes empresas.

— E elas estão certas. Há 15 anos, o sonho de qualquer jovem empresário era vender seu negócio para a Microsoft. Hoje já não é mais assim. Start-ups podem morrer ao serem compradas, e já vimos vários exemplos disso. O Delicious, por exemplo, foi assinado pela Yahoo, que fez isso com várias outras start-ups — afirmou — Atualmente há uma noção de que, ao vender sua pequena empresa, você estará praticamente vendendo sua alma. Até porque já é possível conseguir dinheiro de muitas outras formas, e começar uma empresa é muito barato. Portanto, se você é um jovem empreendedor de sucesso, tem dinheiro suficiente para tocar o negócio e faz o que ama, vale a pena vender seu legado para ter que entrar num terno e ter reuniões diárias com advogados e gerentes?

Para Leila Loria, diretora-executiva de novos negócios da Telefónica, as startúps resistem a abrir capital porque a “lógica do negócio de tecnologia é inversa à de Wall Street”.

— A área de tecnologia e de telecomunicações vive de projetos de longo prazo. Já Wall Street exige prestações de resultados a cada três meses. Isso gera um conflito. Por isso uma das propostas do nosso novo fundo de investimentos é que as start-ups entrem na lógica da indústria, não na dos private equity — afirmou, referindo-se ao fundo lançado na Campus Party voltado para o financiamento de empresas de pequeno e médio portes.

Para Ricardo Amorim, quando start-ups e médias empresas de tecnologia abrem o capital, é sinal de uma nova fase, mas que ainda é perigosa:

– A entrada na bolsa mostra que a empresa mudou de estágio. Significa que ela não é mais exclusivamente dependente de inovação, mas também de processos. Não é só causa, é também um reflexo de evolução. Mas a necessidade mútua de inovação e processo pode acabar matando a primeira.

Citando a Apple, o editor especial da “Wired UK” defendeu a inovação intensiva como a única maneira de sobreviver no cenário econômico global. Para o jornalista britânico, em vez de ter “90% de gerentes e 1% de engenheiros”, as companhias atuais devem se esforçar pelo contrário.

— Eu acho que as empresas devem ter seu quadro de funcionários formado 100% por pessoas inovadoras. Caso contrário, seu negócio pode estar fadado ao fracasso. Já que estamos no estande de uma empresa telecomunicações (da Telefónica), vamos citar o exmplo do Skype: ele está matando o negócio de vocês. Na internet, uma única pessoa pode ser mais forte do que 100 mil pessoas. Uma pequena empresa da internet pode focar em inovação durante todo tempo e com baixo custo, já que não precisa gastar milhões patrocinando a Campus Party, por exemplo, pagar impostos etc — afirmou Hammersley, que dará palestra aos campuseiros no sábado — E quando falo em inovação, acho que até os processos podem ser inovadoras. A Apple, por exemplo, inovou o varejo. A forma como ela vende seus produtos é diferente.





Deixe seu comentário