Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Matéria da IstoÉ sobre entrevista de Ricardo Amorim no Twitter

postado em Entrevistas


12/2014

Revista IstoÉ

 
O economista Ricardo Amorim conversou ao vivo com internautas pelo seu perfil no Twitter nesta manhã, 28/11. Durante 1h, o colunista da ISTOÉ e apresentador do Manhattan Connection respondeu a perguntas enviadas por leitores sobre o cenário econômico brasileiro.

Entre esclarecimentos a respeito da nova equipe econômica e o PIB nacional, Ricardo Amorim arriscou também palpites sobre futebol. “Mais fácil o Brasil ultrapassar os EUA em renda per capita que o Eurico Miranda fazer uma boa gestão no Vasco”, brincou.

 

Confira abaixo os principais destaques da conversa:

 

NOVA EQUIPE ECONÔMICA:

 

Para Ricardo Amorim, a reação do mercado ao anúncio de Joaquim Levy como ministro da Fazenda para o próximo mandato de Dilma Rousseff é bastante positiva, mas a dúvida sobre o quanto de autonomia ele terá ainda persiste. Entre os grandes desafios de Levy, o economista destaca enxugar o governo e “colocar a casa em ordem”. A nova equipe econômica, que também conta com Nelson Barbosa no Planejamento e Alexandre Tombini no Banco Central, precisará retomar a confiança das empresas e consumidores. “Se conseguirem, poderemos ter boas surpresas”, palpita.

 

MODELOS ECONÔMICOS:

 

“O modelo interventor de Dilma não funcionou. A economia deve ser muito mais liberal”, afirma Ricardo Amorim, quando perguntado sobre as diretrizes econômicas para o próximo governo. Ele ainda aposta em novas formas de melhorar o saldo comercial, com um mercado mais livre e aberto. ”Protecionismo gera país caro, não país rico”, defende.

 

PROGRAMAS DO GOVERNO:

 

Quando perguntado sobre os programas sociais do governo, o economista foi categórico. “A renda do Bolsa Família impulsiona o consumo e a atividade econômica, principalmente nas regiões mais pobres”, assegura. Acrescentou ainda que o impacto de programas como o ProUni e o Ciências sem Fronteiras é positivo, e que suas consequências abrangem esferas muito além do empreendedorismo. “Melhorar a educação é chave para melhorar o país”, garante.

 

PROBLEMAS DO BRASIL:

 

De acordo com Ricardo Amorim, um dos problemas do Brasil é a falta de oferta frente à grande demanda. Para resolvê-lo, o economista defende que é preciso encarar não apenas suas consequências, mas suas causas. Outro gargalo enfrentado pela economia brasileira é a ineficiência administrativa no setor público. “Há 2 anos, estimei em R$ 100 bilhões o custo anual da corrupção. Talvez seja mais, mas a má gestão custa ainda mais para o Brasil”, afirma. O economista explicou também que o motivo da inflação ter crescido nos últimos anos foi o aumento dos custos de produção. “Se as pessoas pararem de comprar, a inflação para de subir. O melhor jeito de a população ajudar é boicotar preços abusivos”, aconselha.

 

 
PREVISÕES PARA 2015:

 

“O que esperar da Bolsa de Valores para 2015?”, perguntou um dos internautas. Para Ricardo, o sucesso da política econômica e o cenário externo é que vão responder. Já para a economia brasileira, apesar do cenário negativo, ele acredita haver solução. “Do ponto de vista econômico, as saídas são simples. As condições políticas para implementá-las são o problema”, opina. Uma saída que deverá ser tomada pelo governo é apostar em peso no agronegócio. “O setor é um dos motores de crescimento do país, o que justifica a indicação de Katia Abreu para o Ministério da Agricultura”, finaliza.

 

Você pode ler a íntegra do bate-papo aqui.

 
 





    Adriano disse:
    18 de janeiro de 2015 às 22:43

    se a inflação é de custos, reduzindo a demanda, não reduziria também o fator ‘economia de escala’ das empresas, aumentando o custo marginal, reduzindo a margem de lucro das empresas?



Deixe seu comentário