Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Entrevista de Ricardo Amorim sobre transformações demográficas e impactos econômicos, em negócios, em investimentos e em RH.

postado em Entrevistas


Revista Bem Estar – Fundação CESP
01/2012

 

O economista especializado em negócios e economia global mostra como a Terra ter chegado aos 7 bilhões de habitantes influenciará o nosso dia a dia.
 
Explicar os desdobramentos da economia brasileira sempre foi um grande desafio, mas o economista Ricardo Amorim, presidente da Ricam Consultoria, vai mais longe: troca em miúdos a economia internacional.
 
Com a mesma inteligência e sagacidade de seus debates no programa Manhattan Connection, da Globo News, colunas na Revista IstoÉ e palestras no Brasil e exterior, ele apresenta de maneira bastante prática aos leitores da revista Bem-estar o que mudará na vida dos brasileiros e no segmento empresarial nas próximas décadas, em virtude do Planeta Terra ter atingido os 7 bilhões de habitantes em 2011, podendo chegar aos 10 bilhões no ano de 2100.
 
Pré-requisitos para isso não lhe faltam. Amorim cursou economia na Universidade de São Paulo, é pós-graduado em Administração e Finanças Internacionais pela ESSEC Business School de Paris e já atuou nos mercados financeiros de Nova York, Paris e São Paulo, como economista e estrategista de investimentos.
 
Preparem-se! Segundo o especialista, teremos de mudar nossos hábitos de consumo, a produção de alimentos e produtos deverá ser mais sustentável e será preciso desembolsarmos mais dinheiro para itens de qualidade de vida como planos de saúde e previdência complementar, uma vez que a população brasileira também caminha para o envelhecimento, em decorrência do menor número de nascimentos, a exemplo do processo ocorrido na Europa. Acompanhem.
 
Bem-estar: O Brasil se destaca entre um dos mais importantes países emergentes no cenário econômico mundial. Podemos dizer que em razão desse avanço financeiro, os brasileiros terão melhorias significativas em sua qualidade de vida nos próximos 20 ou 30 anos?
Ricardo Amorim: É muito provável que isto aconteça, não apenas porque o crescimento econômico deverá continuar acelerado, mas também porque desde 1994 a distribuição de renda vem melhorando. Antes do final desta década, a distribuição de renda no Brasil será melhor do que nos Estados Unidos.
 
BE: Neste período, quais setores da economia terão melhor desempenho?
RA: Os setores que puxarão o crescimento brasileiro são aqueles que mais se beneficiam da expansão de crédito: imobiliário, automotivo, de móveis, eletroeletrônicos e de turismo; os que se beneficiam da fome chinesa e indiana por matérias-primas como metais, minerais, energia e alimentos, além dos segmentos voltados para a classe média emergente.
 
BE: O Brasil não investe pesado em programas de educação como faz tradicionalmente a China e a Índia.
A falta de política nessa área terá qual tipo de consequências ao desenvolvimento do país e à própria população brasileira nas próximas décadas?
RA: Obviamente, isto limita o potencial de crescimento do Brasil, e muito, mas desconfio que a situação vai melhorar.
Desde 2005, os investimentos públicos em educação vêm crescendo de forma significativa e sustentada e devem continuar a crescer porque a arrecadação de impostos continuará a bater recordes.
 
BE: Falta no Brasil mão-de-obra qualificada, profissionais com especialização, como mestrado e doutorado. Quais as soluções necessárias para sanar essa deficiência?
RA: Mais investimento em educação, treinamento e capacitação, inclusive por parte das empresas. Além disso, o País atrairá muita mão-de-obra dos países desenvolvidos em crise. Vale ressaltar que, nos últimos cinco anos, o número de executivos estrangeiros trabalhando no Brasil triplicou.
 
BE: Em sua opinião, quais são os principais problemas brasileiros cujas soluções têm caráter de urgência?
RA: Nossa lista de problemas é infindável e, provavelmente, sempre será. Mudam os problemas e, às vezes, a própria natureza desses problemas, mas sempre existirão.
Por exemplo: até pouco tempo atrás, pela falta de crescimento econômico, era pequena o oferta de bons empregos no País. Com a aceleração do crescimento, agora, temos o problema oposto: faltam trabalhadores qualificados para os empregos que existem. Talvez, uma das maiores dificuldades seja mudar a mentalidade para lidar com os problemas de um Brasil que está dando certo: falta de mão-de-obra qualificada, falta de infraestrutura de diversos setores, educação de baixa qualidade.
Não podemos ficar limitados aos problemas daquele Brasil que dava errado: desemprego, altos índices de inflação, instabilidade econômica, entre outros.
 
BE: Especialistas dizem que os governos e consumidores devem exigir que as empresas adotem processos sustentáveis de produção. Poderia citar alguns exemplos bem-sucedidos desse tipo de ações realizadas internacionalmente ou até mesmo as iniciadas aqui no Brasil?
RA: Um exemplo bobo, mas significativo, aconteceu na Alemanha em 1994. Quase todos os produtos vendidos nos supermercados tinham duas embalagens – uma externa de papelão e uma interna de plástico ou papel alumínio.
Os consumidores começaram a tirar os produtos da embalagem externa e levá-los para casa somente na embalagem interna, deixando quantidades enormes de lixo nos supermercados. Isto se tornou um problema para os supermercados, que exigiram que as indústrias preparassem produtos com uma única embalagem.
 
BE: No que diz respeito ao futuro social do brasileiro, qual é a importância de se investir em um plano de previdência complementar visto a situação atual do sistema público de previdência (INSS), que pode vir a se agravar com o passar dos anos? É uma boa escolha?
RA: Investir em previdência complementar é absolutamente fundamental. As atuais regras do INSS são insustentáveis, o que significa que, no futuro, os benefícios serão reduzidos, alguns privilégios a determinadas categorias serão cortados e as idades para requerer a aposentadoria serão elevadas. Exatamente, por isso, planos de previdência serão imprescindíveis para atender de forma adequada às necessidades financeiras dos trabalhadores
que se aposentarão ao longo das próximas décadas.





Deixe seu comentário