Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Entrevista de Ricardo Amorim ao jornal Brasil Econômico sobre medidas cambiais.

postado em Entrevistas


Jornal Brasil Econômico
04/2012
Por Elaine Cotta, Flávia Furlan, Naiara Bertão e Rui Barata Neto

 

Quero ser Guido Mantega

Oque os críticos das medidas anunciadas pelo governo fariam se estivessem na cadeira do ministro da Fazenda


 
Mexer no câmbio ou não? Desonerar a folha de pagamento de determinados setores ou acelerar as reformas trabalhista e tributária?
 
Essas são questões que vieram à tona — em tom de crítica ou de elogio, dependendo do interlocutor — junto com o “Pacotão de Páscoa” anunciado pelo governo na última terça feira (3). O plano de R$ 60,4 bilhões elaborado pela equipe do Ministério da Fazenda foi, na opinião de boa parte dos empresários, economistas e analistas ouvidos pelo BRASIL ECONÔMICO insuficiente ou deficitário em vários pontos. Mas, se esses críticos estivessem no lugar de Guido Mantega, o ministro da Fazenda, o que eles fariam?
 
“A maneira mais fácil para estimular a competitividade é com educação, que gera empregados competentes em todos os segmentos da economia”, diz Fábio Pina, assessor econômico da Fecomercio-SP — que representa o setor de comércio e serviços, que ficou de fora do pacote. Pina lembra que não é apenas a indústria que sofre com a crise e que o erro do governo é privilegiar apenas alguns poucos setores. “O comércio e serviços são responsáveis por 70% do PIB e não poderiam
ter ficado de fora. Um setor sozinho não ativa a economia”, afirmou, criticando o fato de a indústria, em especial a automotiva, ter sido o foco do pacote de combate à crise. “O plano é resultado de um pensamento ultrapassado, que pensa uma balança comercial setorizada porque sempre algum setor estará performando melhor que o outro”, critica.
 
A Fecomercio-SP acredita que a melhor maneira para estimular o consumo de produtos nacionais é reduzir sua carga tributária (como foi feito com a desoneração
do Imposto sobre Produtos Industrializados) e não criar mais barreiras à importação — outro ponto polêmico do pacote e que, segundo analistas, fere as regras da OMC (Organização Mundial do Comércio).
 
A redução do IPI para produtos nacionais, aliás, foi umdos poucos pontos vistos com bons olhos pelo setor varejista, como é o caso da Máquina de Vendas, holding formada pelas bandeiras Ricardo Eletro, Insinuante, City Lar e Eletro Shopping, segunda maior do setor no país.
 
“Estamos bastante otimistas com a decisão do governo de prorrogar o IPI reduzido para linha branca e ampliar a medida para outras linhas”, afirma Luiz Carlos Batista, presidente do Conselho de Administração da Máquina de Vendas. Ele acredita que a redução tem sido repassada ao consumidor, diminuindo os preços e impulsionando as vendas. “Em períodos como esse, de incentivo à expansão da economia, percebemos o consumidor com mais apetite para compra sem abrir mão da qualidade dos produtos; o que tem levado, muitas vezes, à procura por itens de maior valor”, completa o empresário.
 
Já Paulo Skaf, presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), diz que as medidas deveriam ter sido “mais agressivas”. Ele cita como exemplo o Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras (Reintegra) que prevê reembolso por tributos que incidem sobre produtos de exportação. O cálculo da devolução é feito com base em alíquota de 3% da receita obtida pela empresa com produção de bens manufaturados. “Uma boa solução seria aumentar a alíquota do Reintegra”, diz Skaf.
 
Já o presidente da Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), Luiz Aubert Neto, afirma que a competitividade da indústria só será resolvida
com medidas que elevem a taxa de câmbio e diminuam os juros do país, dois problemas que ficaram de fora do pacote.
 
Segundo ele, a taxa de câmbio ideal para o Brasil seria uma cotação de R$ 2,30 por dólar. “É necessário impor ao capital estrangeiro uma quarentena para que ele fique no Brasil e compartilhe dos mesmos riscos do capital nacional”, defende.
 
Mas não é o que pensa o exdiretor do Banco Central Carlos Tadeu de Freitas, para quem não incluir câmbio no pacote foi uma certo. Para ele, impor a quarentena sugerida por Neto, “espantaria” a entrada de investimentos no país. Ele ressalta, no entanto, que caso o governo se veja obrigado a intervir no câmbio, a medida mais acertada seria elevar a alíquota do IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). Já o economista-chefe do Banco ABC Brasil, Luís Otávio de Souza Leal, acredita que o patamar de R$ 1,80 para o câmbio é razoável e elevar o IOF não seria opção. “Isso causa ineficiência no mercado”, diz.
 
O economista Ricardo Amorim é mais duro nas críticas: “o diagnóstico do problema está errado, já que o câmbio não é a razão da falta de competitividade brasileira”, diz Amorim. “Enquanto o governo não cortar gastos, o resto é só perfumaria.”





Deixe seu comentário