Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

A melhor hora para inovar e prosperar é na crise

postado em Entrevistas | Palestras


09/2015

Agência Sebrae de Notícias

Por: Danielle Cristine

 

21092012_sem ti¦ütulo_2999

Foto: Erica Dalbello

 

Salvador – “Fortuna nunca é feita quando as coisas estão fáceis”. Assim o economista Ricardo Amorim lembrou, em megapalestra da Semana de Capacitação Empresarial, nesta segunda-feira, 21, que a crise pode ser uma oportunidade para os empresários baianos. Reunindo mais de 650 pessoas, o evento marcou a abertura da semana realizada pelo Sebrae, que acontece até o dia 26, no Fiesta Convention Center, em Salvador. Em todo o estado, são mais de 50 municípios participantes, com 24 mil vagas.

 

Após apresentar um panorama da economia brasileira, analisando suas implicações no ambiente dos negócios, Amorim destacou que os empreendedores devem estar atentos ao momento certo de agir. Segundo dados apresentados pelo economista, o principal fator para o sucesso de uma nova empresa é o timing (42%), ou seja, aproveitar a hora certa. Em seguida, vêm a execução (32%), a ideia (28%) e o modelo de negócio (24%).

 

Segundo Amorim, o cenário que o Brasil vive é um desses momentos-chave para as empresas. “Quando as coisas estão complicadas, se você tem um produto melhor e um atendimento bom, consegue passar por esse momento e o seu concorrente fica no caminho”, ressaltou o economista. “As grandes chances de ganhar dinheiro só existem por causa da crise”, completou.

 

Como exemplo, ele destacou o Uber, aplicativo que conecta o usuário a motoristas particulares e que nasceu em 2009, de uma ideia na qual poucos acreditavam. No entanto, o momento difícil em que o aplicativo foi lançado transformou a realidade do negócio. “Veio a crise de 2008 e 2009 nos Estados Unidos e muitos decidiram oferecer os seus carros como transporte”, contou Amorim, ao lembrar que, passados seis anos, a empresa vale R$ 100 bilhões.
 
Apesar dos desafios econômicos atuais, o palestrante frisou que o país, assim como os demais emergentes, ainda tem grandes condições de crescimento. “O Brasil e os emergentes têm mais uns 30 anos favoráveis”, defendeu.

 

Além do cenário brasileiro, ele também analisou a realidade do Nordeste, a terceira região que mais cresce, atrás do Centro-Oeste e do Norte. Enquanto a indústria, mais presente nas regiões Sul e Sudeste, segue em retração, o agronegócio mantém os estados do norte do Brasil mais fortes, sobretudo no interior. “Faz 15 anos que no Brasil inteiro as cidades que mais crescem são as do interior”, disse.

 
 





    Sandro Garcia disse:
    23 de setembro de 2015 às 21:32

    Realmente Ricardo, é nos momentos difíceis que as pessoas criativas florecem com soluções inovadoras e capazes de construir verdadeiras fortunas.
    Sou fã das suas análises e palestras, meus parabéns pelo site e por todo sucesso que você está fazendo.

    Um Abraço



    David Silva disse:
    24 de setembro de 2015 às 17:02

    Parabéns.
    sou fã desse cara.
    Uma mente brilhante, o Brasil tem pessoas assim é real.
    Obrigado por engrandecer o Brasil, são pessoas como o senhor que o Brasil precisa.



    Gilmar Ferraz disse:
    25 de setembro de 2015 às 6:53

    Excelente Ricardo, compartilho da mesma visão. Pode parecer clichê, mas é aquela velha história: enquanto uns choram, outros vendem lenços.

    Parabéns pelo site!

    Forte abraço!



    9 de julho de 2016 às 9:35

    É na crise que aparecem os verdadeiros empreendedores corajosos em que, teoricamente, ao invés de reduzir os investimentos, passam a investir mais. Por isso que muito se fala em que na crise um chora, enquanto o outro vende lenços.



Deixe seu comentário

Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Gazeta do Povo

Em 2017, Ricardo iniciou uma parceria com a Gazeta do Povo. Clique e confira.
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente