Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Entrevista de Ricardo Amorim sobre perspectivas para setores de serviços em 2015

postado em Entrevistas


01/2015

Revista SESCAP-PR

RICARDO_AMORIM29

Créditos ao Ricardo Correa
 
O ano de 2015 chegou e muitos brasileiros ainda estão receosos com o que vem por aí, principalmente quando o assunto é economia. Consumidores temendo alta nos juros e impostos e empresários retraídos. O resultado tende a ser um só: economia freada e tensão no mercado. Mas, afinal, 2015 será um ano tão difícil assim? As opiniões são divergentes. Alguns especialistas preveem impactos mais discretos para setores como o de serviços. “Acredito que este setor terá um desempenho melhor do que o restante da economia em 2015, apesar das dificuldades, principalmente no primeiro semestre”, destaca o economista Ricardo Amorim. Para ele, o ingresso de grande parte da população nas classes A, B e C registrado nos últimos 10 anos demanda mais serviços e estimula o segmento.
 
“Ao contrário da indústria, que não consegue repassar os aumentos de custos de mão de obra, aluguéis e matérias-primas por conta da concorrência internacional, o setor de serviços tem conseguido sustentar sua rentabilidade. Ninguém sai daqui para cortar o cabelo na China, mesmo que custe 1/10 do preço”, afirma.
 
A ordem é arrumar a casa
 
A deficiência da infraestrutura, o valor dos impostos, a legislação trabalhista engessada alinhada à burocracia excessiva e a baixa qualificação da mão de obra prejudicam a economia de um modo bastante amplo. Com isso, o ajuste das contas públicas torna-se inevitável, segundo o economista Ricardo Amorim. “Ele virá através de elevação de preços, corte de gastos do governo ou aumento de impostos. Provavelmente os três. Aumentos de impostos e redução de gastos do governo devem retirar dinheiro da economia em 2015, também limitando o crescimento”, avalia.
 
E, para recuperar o desempenho da economia brasileira que nos últimos quatro anos já foi a que menos cresceu na América Latina, a ordem é planejar. “Se arrumarmos a casa em 2015, retomando a confiança de empresários e consumidores, podemos retomar um ciclo de crescimento mais acelerado a partir do final do ano que vem. Isto dependerá das medidas econômicas adotadas até lã e da definição da equipe econômica do governo”, diz Amorim.
 
Levanta, sacode a poeira
 
“Para retomarmos a competitividade e sustentarmos um crescimento mais rápido, só investindo muito em qualificação de mão de obra, máquinas, equipamentos e infraestrutura”, frisa Ricardo Amorim.
 
 





    vieira disse:
    23 de janeiro de 2015 às 8:32

    otima materia ..



    Bela Pele disse:
    8 de julho de 2015 às 19:00

    Entrevista mais do que perfeita!



Deixe seu comentário