Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Um país sem governo

postado em Artigos


06/2017

Por Ricardo Amorim

 

 

Não, não me refiro à atual situação do Brasil, em que a corrupção em escalas inimagináveis, envolvendo o próprio Presidente Temer, acabou com as condições de governabilidade e paralisou o Congresso e o país. Aliás, exatamente como já havia acontecido com sua antecessora, Dilma Rousseff.

 

Trata-se de um tema ainda mais importante para que o combate à corrupção seja bem sucedido e para que um país possa se tornar mais rico e mais justo: uma brutal mudança de mentalidade na relação da sociedade brasileira com o Estado.

 

Imagine que o Brasil não tivesse governo. Se não houvesse governo, não haveria orçamentos superfaturados de obras públicas. Marcelo Odebrecht e outros empreiteiros não teriam por que nem como subornar políticos e agentes públicos, nem estes teriam como achacá-los.

 

Se não houvesse governo, não haveria bancos estatais, como o BNDES. Sem o BNDES, Joesley Batista teria que buscar outras fontes de financiamento para a JBS, e não teria razão para dar mais de R$ 1 bilhão a 1.829 políticos, incluindo o Presidente Temer e os ex-presidentes Lula e Dilma.

 

Sem governo, a Petrobras não seria estatal. As decisões da empresa não teriam motivações políticas, seriam motivadas pela busca de resultados para a empresa e seus acionistas. Dezenas de bilhões de reais desviados por corrupção não teriam ido para o ralo.

 

Se não há governo, políticos não teriam como comprar o apoio de setores da sociedade com programas de benefícios a grupos específicos como Bolsa-Família, isenções fiscais, linhas de crédito subsidiado e outros, devolvendo a alguns uma boa parcela do dinheiro que tomaram de todos nós através de impostos.

 

OK, você deve estar se perguntando, e como garantir segurança, educação básica e saúde de qualidade a todos, além de combater a miséria, sem governo? O ponto é exatamente este. Para ter foco e dinheiro para isso, para não corromper e ser corrompido, para não sufocar a produção e o emprego no Brasil com impostos extorsivos e para executar bons serviços públicos, o governo não pode e não deve fazer todo o resto.

 

A essência da corrupção brasileira está na promiscuidade entre o Estado e a iniciativa privada. Quanto maior o Estado, maior a promiscuidade. Um Estado agigantado que distribui “favores” é fonte constante de corrupção. Quanto menos o Estado se envolver diretamente na economia – apenas regulando seu funcionamento – menos corrupção e mais riqueza haverá. Para ser máximo em eficiência, promoção de desenvolvimento e imune à corrupção, o Estado tem de ser mínimo em tamanho.

 

Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedIn, único brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner e ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças.

 

Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.

 

Clique aqui e conheça as minhas palestras.

 

Siga-me no: Facebook, TwitterYouTube, InstagramMedium e Linkedin.

 
 



Comentar (8) »




A Sophie’s choice for brazilians

postado em In English


05/2017

By Ricardo Amorim

Translation: EIC

 

 

In “Sophie’s Choice”, author William Styron tells the story of Sophie, a Polish mother made prisoner in the Auschwitz concentration camp with her two small sons.  A nazi officer gives her a cruel option: she may choose one of the children to be saved of execution. Or both would be killed.

 

When signs of economic recovery finally became clear – GDP starting to grow again, foreign investment breaking record in the productive sector and jobs beginning to reappear – favourable perspectives ushered in by the record surplus in the trade balance, inflation and interest rates in decline, confidence in credit recovered  and,  above all, the probable approval of reforms on Labour, Pensions and Taxation legislation, maybe even a Political reform – the future of Brazilian economy was once again blown to the ground by yet another gigantic corruption scandal involving JBS, one of the main “national champions” fuelled by lavish financing from the BNDES during Lula’s administration, with 1829 politicians involved, including President Temer.

 

A new political crisis is guaranteed. Temer rides the doubts created by selected leaks in the JBS plea-bargaining sessions, along with cuts in the audio tape of his conversation with Joesley Batista, to try and remain in office. However, he does not deny the nature of the conversation in which several crimes were reported to him and he took no action about them, which constitutes a crime. Corruption allegations go far beyond Temer. Aécio, Lula, Dilma, Cabral and one out of every three Brazilian members of Congress received money from JBS. In short, we have a President without moral conditions to govern, and political leaders and congressmen busy about saving their own necks trying to get a safe haven in the future coalition to be formed after Temer possibly steps down from power.

 

In the current scenario it seems difficult for the reforms to progress and likely for Temer to dish out good deeds, i.e. public funds, to allies who now threaten to abandon his support base. To make things worse, attempts to move forward with reforms may give the false impression that they are attempts to save Temer, increasing rejection to them by part of the population who do not understand – also because the current administration was incapable of explaining to the population the benefits and the need for change – that without said changes the economic crisis, unemployment and poverty will only get worse.

 

Reforms do not belong to any government. They shall be necessary for whoever is the next President. Without them, the virtuous circle of heightened trust, consumption, investment, credit, jobs and economic growth that was beginning to materialize will once again be replaced by the vicious circle of paralysis, uncertainty and poverty that caused the deepest and longest economic depression in Brazilian history between 2014 and 2016.

 

The fundamental issue is that if on one hand Temer’s fall seems to be inevitable, and even if it is avoided it will be detrimental to the country, Temer – like Dilma before him – has all the legal means to extend his tenure to the maximum, causing a new economic crisis. The possible paths for Temer’s exit, including impeachment, are not any shorter. A potential criminal action by the Attorney General of the Republic, after the 30 days requested by experts to analyse the tapes JBS submitted in their leniency agreement, will have to be approved by two thirds of the Chamber of Representatives – and will have to be accepted by the STF (Federal Supreme Court). The judgement on the Dilma-Temer original joint candidacy (on the same electoral ticket) is scheduled to be submitted to vote over four sessions of the Superior Electoral Court (TSE)  on June 6. Regardless of the result, however, all parties involved are entitled to appeal the decision.  The remaining path would be Temer’s resignation which, as he stated several times, shall not happen. Why would Temer spontaneously relinquish all the legal protection he enjoys as President, including privileged Court rights ?

 

This is where our Sophie’s choice comes in. One option is to take the long legal path for Temer to not just lose his post but eventually to be criminally punished, though knowing that this will prolong the period of uncertainty, deepen economic depression, unemployment and social chaos in the country. Included here is the risk that, despite all the cost to the country and to Brazilians, he may not even fall at the end, or he falls without any additional punishment, like it happened to Dilma.

 

The other option is a vast political agreement, whereby leaders of the various parties and of the Judiciary negotiate an agreement with Temer for him to leave the Presidency quickly, by resigning, on a license or without appealing a possible unfavourable decision by the Superior Electoral Court (TSE) – in exchange for the benefit of not being prosecuted on the charges contained in the JBS case. An indirect election – as defined by the Constitution – makes for a brief political transition under a leader of consensus on good relations with different political groups – such as Henrique Meirelles, who was Lula’s President of the Central Bank  and is now Temer’s Finance Minister, or Nelson Jobim, who was the leader of the PMDB in Congress, Minister of the Supreme Court and Justice Minister under Fernando Henrique Cardoso and Minister of Defense for both Lula and Dilma. Uncertainty would soon be brushed away and if reforms continued to go forward – Political reform included – there would be no worsening of the economic depression, sparing millions upon millions of Brazilians from being punished once again, together with the corrupt bunch, for crimes they did not commit.

 

There would be no other good option for the country. Only terrible options are left.

 

To punish Temer like we should we would punish all Brazilians, including the concrete possibility that you or someone close to you would lose your jobs and become unable to keep your families for the next year and a half.

 

Or, to prevent this from happening, we cut an agreement with Temer and protect the jobs of millions of Brazilians. In this case, even if all other 1.828 politicians involved in the JBS case are indicted, we still weaken the best thing that emerged in Brazil of late – combat against corruption and impunity – heightening the bitter taste left behind by the excessively generous leniency agreement with the Batista brothers.

 

What would be your choice?

 
Ricardo Amorim is the author of the best-seller After the Storm, a host of Manhattan Connection at Globonews, the most influential economist in Brazil according to Forbes Magazine, the most influential Brazilian on LinkedIn, the only Brazilian among the best world lecturers at Speakers Corner and the winner of the “Most Admired in the Economy, Business and Finance Press”.

 

Click here and view Ricardo’s lectures.

 

Follow me on: Facebook, Twitter, YouTube, Instagram e Medium.
 
 



Comentar (0) »




A escolha de Sofia dos brasileiros

postado em Artigos


05/2017

Por Ricardo Amorim

 

 

Em um romance, o escritor William Styron conta o dilema de Sofia, uma mãe polonesa prisioneira com seus dois filhos pequenos no campo de concentração de Auschwitz. Um oficial nazista dá a ela uma cruel opção: pode escolher uma das crianças e salvá-la da execução. Ou então, ambos serão mortos.

 

Quando os sinais de recuperação econômica finalmente eram claros ̶ PIB voltando a crescer, os investimentos dos estrangeiros no setor produtivo batendo recorde e os empregos começando a reaparecer – as perspectivas favoráveis por conta do superávit recorde da balança comercial, inflação e juros em queda livre, recuperação da confiança e do crédito e, principalmente, a provável aprovação de reformas Trabalhista, da Previdência, Tributária e, quem sabe, até Política ̶ o futuro da economia brasileira foi de novo jogado na lama por mais um gigantesco escândalo de corrupção, envolvendo a JBS, uma das principais “campeãs nacionais” movidas a farto financiamento do BNDES da era Lula, com 1.829 políticos envolvidos, incluindo o Presidente Temer.

 

Uma nova crise política está garantida. Temer aproveita as dúvidas criadas por vazamentos seletivos da delação da JBS e cortes no áudio de sua conversa com Joesley Batista para tentar se manter no cargo. Não nega, porém, o teor da conversa em que diversos crimes foram relatados, nem toma nenhuma providência a respeito, o que constitui um crime. As denúncias de corrupção vão muito além de Temer. Aécio, Lula, Dilma, Cabral e um em cada três congressistas brasileiros receberam dinheiro da JBS. Em resumo, temos um Presidente sem condições morais de governar e lideranças políticas e congressistas preocupadas em salvar o próprio pescoço e tentarem se garantir na futura coalizão de governo que se formará após uma eventual saída de Temer.

 

Neste cenário, parece difícil que as reformas avancem e provável que Temer distribua benesses, leia-se recursos públicos, a aliados que hoje ameaçam deixar sua base de apoio. Para piorar, no atual contexto, tentativas de avançar com as reformas podem passar a falsa impressão de que elas são uma tentativa de salvar Temer, aumentando a rejeição a elas pela parte da população que não entende – até porque o atual governo nunca soube comunicar à população os benefícios e a necessidade das mudanças – que, sem elas, a crise econômica, o desemprego e a miséria só vão aumentar.

 

As reformas não pertencem a governo algum. Elas serão necessárias seja quem for o próximo Presidente. Sem elas, o círculo virtuoso de elevação da confiança, do consumo, do investimento, do crédito, dos empregos e do crescimento econômico que começava a se materializar será mais uma vez substituído pelo círculo vicioso da paralisia, da insegurança, do desemprego e da miséria que causou a mais profunda e longa depressão econômica da História brasileira entre 2014 e 2016.

 

A questão fundamental é que, se por um lado a queda de Temer parece inevitável, e mesmo que possa ser evitada será prejudicial ao país, Temer ̶ assim como fez Dilma ̶ tem todos os meios jurídicos para postergá-la ao máximo, causando uma nova crise econômica. Os caminhos possíveis para a saída de Temer, incluindo o impeachment, não são mais céleres. Uma eventual ação penal da Procuradoria Geral da República após os 30 dias pedidos pelos peritos para analisar as gravações das delações terá de ser aprovada por dois terços da Câmara dos Deputados e a denúncia terá de ser acolhida pelo STF. O julgamento da ação contra a chapa Dilma-Temer no TSE está marcado para ser votado em 6 de junho em quatro sessões, mas independentemente do resultado, todas as partes envolvidas tem o direito de recorrer após a decisão. Restaria a renúncia de Temer, que como ele mesmo já afirmou várias vezes, não vai acontecer. Por que Temer abriria mão espontaneamente de todas as proteções legais que goza como Presidente, incluindo o foro privilegiado?

 

Aí é que entra nossa escolha de Sofia. Uma opção é seguir os longos caminhos jurídicos para que Temer não apenas perca seu cargo, mas eventualmente seja criminalmente punido, mesmo sabendo que isto prolongará o período de incertezas, aprofundando a depressão econômica, o desemprego e o caos social no país. Além disso, há o risco de que, apesar de todos os custos ao país e aos brasileiros, ao final ele sequer caia, ou caia mas não sofra nenhuma punição adicional, como aconteceu com Dilma.

 

Outra opção é um grande acordo político, em que líderes dos diversos partidos e do Judiciário costurem com Temer um acordo em que ele deixa a Presidência mais rapidamente – através de renúncia, afastamento ou não recorrendo de uma eventual decisão desfavorável do julgamento do TSE – com o compromisso de não ser judicialmente acionado pelas denúncias do caso JBS. Faz-se uma transição política o mais rapidamente possível através de uma eleição indireta – como define a Constituição – para algum líder de consenso com bom trâmite com diferentes grupos políticos – como Henrique Meirelles, que foi Presidente do Banco Central de Lula e é Ministro da Fazenda de Temer, ou Nelson Jobim, que foi líder do PMDB na Câmara dos Deputados, Ministro do Supremo e Ministro da Justiça de Fernando Henrique e Ministro da Defesa de Lula e Dilma. Desta forma, as incertezas seriam rapidamente dirimidas e, se as reformas continuassem a avançar – a Política incluída ̶ não teríamos o agravamento da depressão econômica, poupando milhões e milhões de brasileiros de serem punidos mais uma vez junto com os corruptos por crimes que não cometeram.

 

Não sobraram opções boas ao país. Restam apenas péssimas opções. Para punir Temer, como deveríamos, punimos todos os brasileiros, incluindo a possibilidade real de que você ou alguém próximo fique sem emprego e sem condição de sustentar sua família no próximo ano e meio? Ou, para evitar que isto aconteça, faz-se um acordo com Temer, protege-se o emprego de milhões de brasileiros, mas mesmo que todos os demais 1.828 políticos envolvidos no caso JBS fossem indiciados, enfraquecemos o que de melhor surgiu no Brasil nos últimos tempos – o combate à corrupção e à impunidade – reforçando o gosto amargo que um acordo de delação excessivamente generoso com os irmãos Batista já deixou? Qual seria a sua escolha?

 
Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedIn, único brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner e ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças.
 
Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.

 

Clique aqui e conheça as minhas palestras.

 

Siga-me no: Facebook, TwitterYouTube, InstagramMedium e Linkedin.

 
 



Comentar (4) »




Ricardo Amorim participa de sabatina com jornalistas do Mato Grosso do Sul sobre reformas e perspectivas para a economia, em evento promovido pela FIEMS.

postado em Entrevistas


05/2017

 FIEMS

 

 

Ao longo de duas horas de evento com a imprensa de Mato Grosso do Sul, realizado na noite desta terça-feira (16/05), no Edifício Casa da Indústria, em Campo Grande (MS), o economista, consultor de investimentos e debatedor do programa Manhattan Connection, Ricardo Amorim, e o presidente da Fiems, Sérgio Longen, foram sabatinados por 14 jornalistas sobre as reformas e os impactos delas sobre economia estadual e nacional.

 

A mesa redonda, que integra a programação do Mês da Indústria e tem patrocínio do Sebrae/MS, teve as participações dos jornalistas Danilo Costa (Jornal de Domingo), Osvaldo Junior (Campo Grande News), Vinicius Squinelo (Top Mídia News), Victor Barone (O Estado MS), Lucimar Lescano (TV Morena), Euclides Fernandes (SBT MS), Ellen Genaro e Manoel Afonso (Record MS), Jorge Zaidan (Sistema Brasileiro do Agronegócio), Cadu Bortollot (Noticidade), Waleria Leite (Ministério Público Estadual), Humberto Marques (Comunidade MS), Carmem Cestari (Tribuna Livre) e Fernando Ortega (Assembleia Legislativa).

 

Questionado sobre a situação atual do País, Ricardo Amorim afirmou que a atual legislação brasileira está ultrapassada e é a responsável por gargalos como o desemprego, baixos salários e excesso de burocracia. Diante deste cenário, o economista ressaltou a relevância do andamento das reformas estruturantes, como a trabalhista, previdenciária e tributária para o crescimento sustentável do País, mas, principalmente, a necessidade de desmistificar para a população as mudanças em curso.

 

Ao responder as perguntas, Amorim destacou que o futuro do País está nas mãos dos brasileiros. “Chegou a hora de escolher o Brasil que queremos. Precisamos compreender que o custo do País chegou a um momento insustentável e, em um momento passado viveu um ciclo de ilusão, no qual existia o entendimento de que o andamento de tudo se dava pela tutela e codependência do Estado. Mas é justamente por causa dessa interferência excessiva, dessa quantidade de leis, que existe desemprego, salários baixos, empresas fechando as portas”, analisou.

 

Ele emendou, ainda, que a ordem cronológica da tramitação das reformas no Congresso é proposital, visto que uma está diretamente ligada à outra. “Uma reforma depende do sucesso da outra e, juntas, todas representarão um conjunto de mudanças que o País precisa a longo prazo. A reforma da Previdência, por exemplo, não poderia entrar em vigor sem a limitação dos gastos, que veio com a PEC do Teto, do contrário, o déficit nas contas públicas não seria sanado”, exemplificou.

 

Já o presidente da Fiems propôs uma reflexão acerca do momento pelo qual o Brasil passa e afirmou estar otimista com as reformas em curso no Congresso. “A PEC dos Gastos e a regulamentação da Terceirização representaram grandes avanços. Se a reforma trabalhista for aprovada no Senado da forma como chegou da Câmara, também será uma grande evolução nas relações trabalhistas, assim como as próximas reformas, a Tributária e Política, que são fundamentais para o Brasil que queremos para os próximos anos. Já vemos os primeiros sinais de recuperação, com a deflação, o valor do dólar estabilizado, a volta do poder de compra, e estou otimista com esse Brasil das reformas, que trarão mudanças que não virão de um dia para o outro, mas serão muito positivas para o País e Mato Grosso do Sul”, avaliou Longen.

 

Reforma tributária

 

Sobre o sistema tributário brasileiro, Longen destacou a necessidade de mudanças sobretudo nos tributos sobre circulação de bens e serviços, entre eles ICMS, PIS-Cofins, com redução das obrigações burocráticas e cobrança simplificada, e citou o caso de empresas que se instalam no país vizinho, o Paraguai, em razão do excesso de impostos e burocracia. “No Brasil, uma empresa precisa de pelo menos 15 diferentes tipos de documentos para abrir as portas, e no Paraguai é necessário um só, além de ser cobrado imposto único”, citou.

 

Amorim referendou a questão do excesso de burocracia. “No Brasil uma empresa gasta, em média, 2.600 horas para conseguir declarar seus impostos, no restante do mundo esse tempo cai para 100”, exemplificou, citando, ainda, a necessidade de revisão da tabela do imposto de renda.

 

Reforma trabalhista

 

O presidente da Fiems destacou a segurança jurídica proporcionada tanto empregadores quanto para empregados, e que as mudanças serão responsáveis pela geração de mais empregos e renda para os brasileiros. “O que não se pode esquecer é que, hoje, o trabalhador recebe um salário, mas a empresa desembolsa pelo menos o dobro para isso. Muitos, tenho certeza, aceitariam a proposta de, ao invés de a empresa ser obrigada, como está na lei, a pagar FGTS, férias, encargos, entregasse todo este investimento na mão do trabalhador, que passaria a ganhar o dobro. É preciso acabar com a falácia de que o trabalhador “conquistou direitos” como se eles caíssem do céu. Alguém paga essa conta e esse alguém é o empregador”, emendou Amorim sobre o tema.

 

Sobre o fim da contribuição sindical obrigatória proposta na reforma Longen destacou ser a favor. “É preciso acabar com os mais de 18 mil sindicatos que existem no País. Por isso, sou a favor do fim da obrigatoriedade da contribuição, tanto para os sindicatos patronais quanto para os laborais, porque, desta forma, só aqueles que realmente têm ações propositivas, são atuantes, sobreviverão”, opinou.

 

Reforma política

 

Longen falou sobre a importância da unificação das eleições para acabar com o excesso de gastos de dinheiro público a cada dois anos com os processos eleitorais e o fim da reeleição, que encerraria ciclos intermináveis de mandatos principalmente no Legislativo.

 

Amorim afirmou ser fundamental acabar com o fundo partidário e horário político eleitoral. “O fundo partidário equivale à obrigatoriedade da contribuição sindical, porque acaba fazendo com que muitos ali vivam disso. Assim com o horário político, usado como moeda de troca pelas legendas partidárias”, analisou.

 

Reforma da Previdência

 

Um dos temas mais polêmicos, Longen e Amorim ressaltaram a urgência na desmistificação do tema para a população. “O que acontece é que existe muita contrainformação e é compreensível que haja um descontentamento da população. Por incrível que pareça, os políticos estão no mesmo rol dos demais trabalhadores em relação às suas aposentadorias, mas ouso dizer que a reforma é frouxa no que diz respeito aos servidores públicos, que mantém uma série de privilégios. Só que o brasileiro está atacando de forma errada, e pede que não haja reforma nenhuma”, analisou o consultor.

 

 



Comentar (1) »




“Ok” for changes, but “no way” for changing

postado em In English


05/2017

By Ricardo Amorim

Translation: EIC

 

 

Everyone wants corruption to end…except for the corrupt.

 

Everyone knows that the right to a “privileged Court” and the appointment of STF (Federal Supreme Court) judges by politicians cannot continue…everyone but the ones protected by the current system.

 

Everyone thinks that the pension rights enjoyed by politicians, judges and the military are absurd…except for politicians, judges and the military.

 

Everyone considers unacceptable that public servants should benefit from a social security policy far more generous than for all other citizens…everyone except public servants and their families.

 

Everyone wants to reform Social Security for politicians, judges, the military and public servants – but find unthinkable to reform the INSS (national health and pensions system) which needed, just last year,  R$ 150 billion – which could have been used on education, health or security – to complement the benefits not covered by contributions.

 

Everyone agrees that the debts large companies have with the INSS have to be collected, but many are overdue in the payment of their own debts.

 

Everyone is unhappy about the education system, yet no-one is chocked by the fact that the Brazilian government spends nine times more funds per capita on social security than on the education of our children.

 

Everyone wants less taxes, cheaper products and higher salaries, but no-one wants the government to reduce its expenses so taxes are lower for that to happen.

 

Everyone agrees that something radical needs to be done to curb the growth of informal labour and unemployment which made millions of Brazilians incapable of keeping their families. Something radical, except to reform the CLT (consolidated labour legislation) to allow companies to hire more so less people work informally without proper labour rights.

 

Amid billionaire scandals that keep cropping up, it is understandable that the population is revolted and under the impression that  if corruption were eliminated all other Brazilian problems would disappear.

 

Unfortunately, corruption will not be eliminated, not even substantially reduced, unless we mobilize for the corrupt to be exemplarily punished. The corrupt will always be organized for that not to happen. Besides, if corruption is eliminated, all other Brazilian problems shall be reduced, but none of them eliminated. We must work on solving each one of them as well.

 

Knowing that changes will not happen unless we change too, the question is: you want changes, but are you willing to change?

 
Ricardo Amorim is the author of the best-seller After the Storm, a host of Manhattan Connection at Globonews, the most influential economist in Brazil according to Forbes Magazine, the most influential Brazilian on LinkedIn, the only Brazilian among the best world lecturers at Speakers Corner and the winner of the “Most Admired in the Economy, Business and Finance Press”.

 

Click here and view Ricardo’s lectures.

 

Follow me on: Facebook, Twitter, YouTube, Instagram e Medium.

 
 



Comentar (1) »




« Página anterior | Próxima página »
Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Gazeta do Povo

Em 2017, Ricardo iniciou uma parceria com a Gazeta do Povo. Clique e confira.
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente