Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Em palestra, economista Ricardo Amorim projeta crescimento do PIB de 1% em 2012 e 7% em 2013.

postado em Palestras


Diário de Canoas
21/10/2011
Por Gabriel Munhoz

 

Economista projeta crescimento de 7% ao Brasil depois da crise Ricardo Amorim falou a empresários em Canoas e citou que por enquanto País ficará nos 5%.
 

Canoas – O Brasil está condenado a crescer, quer queira, quer não. Essa é a visão passada pelo economista paulista Ricardo Amorim, durante palestra sobre a década de ouro do país, na Câmara de Indústria, Comércio e Serviços, nesta quarta-feira à noite.
 

Cético em relação a políticas públicas, Ricardo defende que o Brasil hoje está em um crescimento sustentável embasado em quatro pilares. São eles: a elevação estrutural do preço das commodities; o fato de os produtos importados estarem mais baratos; a queda dos juros no mundo, trazendo assim dinheiro mais barato pelo Brasil e a reversão da perda de talentos.
 

“Uma pesquisa feita em Harvard apontou que os países onde os estrangeiros mais querem trabalhar hoje são Índia, China e Brasil”, exemplifica. Dentro desse quadro, o economista aponta que, mesmo sem fazer a lição de casa, o crescimento do Brasil é uma certeza para os próximos anos. “Será uma trajetória com altos e baixos. Agora deve crescer os 5%. Em 2013, depois da crise, uma média de 7,8%”, estima.

Empreendimento – A palestra do economista Ricardo Amorim foi realizada pela empresa Melnick Even. Antes da conferência, diretores do empreendimento apresentaram o projeto que irão desenvolver na cidade, no bairro Moinhos de Vento.
 

“Lembro que na Copa América a seleção Argentina era patrocinada pela Quilmes, que foi comprada por uma empresa brasileira. Então, me dei conta de que a seleção hermana agora é do Brasil”, exemplificou Amorim, com bom humor, a reviravolta do país no campo das fusões. O quadro de empresas norte-americanas comprando brasileiras, algo óbvio das últimas décadas, agora acontece ao inverso. “Até quatro anos, em 98% das fusões eram as americanas que compravam as brasileiras. Hoje nossas empresas são predadoras nessas negociações”, explica.





    24 de outubro de 2011 às 13:27

    Caros
    Creio que o setor que mais vai alavancar esse crescimento, sera o de serviços, ja que, diante da Copa e Olimpiadas, esse sera um setor de ouro para nosso PIB. Vamos esperar compras e fusões em Facilities.
    Grato



    sandro caldas casson disse:
    24 de outubro de 2011 às 14:54

    Harvard apontou que os países onde os estrangeiros mais querem trabalhar hoje são Índia, China e Brasil”,



Deixe seu comentário

Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Gazeta do Povo

Em 2017, Ricardo iniciou uma parceria com a Gazeta do Povo. Clique e confira.
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente