Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Entrevista de Ricardo Amorim para o Bom Dia Paraíba sobre palestra Inovação, Novos Caminhos e Oportunidades que Geram Resultados

postado em Palestras | Vídeos


08/2017

 

 
 



Comentar (0) »




A proposal impossible to refuse – if you think Brazil does not need a Reform in its Social Security System

postado em In English


08/2017

By Ricardo Amorim

 

 

The main arguments by those who think there is no need for a Reform in the Brazilian Social Security System usually are:

 

1 – there is no deficit in the system; rather, there is a surplus;

 

2 – the problems are: corruption in companies’ debts and the DRU,

 

3 – Federal, State and Municipal public servants do deserve to retire a lot earlier and be paid larger benefits than workers in the private sector because their contributions to the System are higher than those of other workers.

 

4 – The only problem are the mega-pensions paid to politicians, judges and Public Ministry.

 

I have a proposal impossible to refuse for people who believe in the arguments above:

 

First, we collect each cent owed by the corporate sector. Then we eliminate the DRU. Next we put an end to mega-pensions for politicians, judges and the Public Ministry, submitting them to the rules of the INSS. We then add up all the revenue and check the total collection. Finally, since the Social Security system would have a surplus and the contributions would be compatible with the benefits, we redefine the benefit to be shared, making it proportional to each one’s contribution. This would then be fair – each participant paid in accordance with his contribution – the benefits would supposedly grow – because the alleged surplus would make for an increase in benefits – and the Social Security accounts would be in perfect balance.

 

Agree? If you really believe in the 4 arguments above, you simply must agree. This would be a win-win…If not, you must admit the 4 arguments are false.

 

There is no problem in being against the Social Security Reform and yet recognize that in fact the System has a deficit that grows nonstop and which will be close to R$ 400 billion this year, that the corporate world debt must be collected in full but it won’t even tickle the deficit, that the DRU not only does not drain funds from Social Security but also finances its deficit, that the contribution paid by public servants and the military does not come close to funding the excessively generous benefits they receive, and the hole relative to the public sector in the Social Security budget goes far beyond judges, politicians and the Public Ministry. In this case, however, you must also admit that it is fair to annually funnel to Social Security more than R$ 400 billion which should have gone to Health, Education, etc, topping up actual contributions to guarantee that current benefits be maintained, Nothing wrong with that, though I fully disagree. It is just not possible to ground the discussion on lies.

 

For those who accept this reform and is curious about what would happen to benefits, lets move to figures. The first Social Security regime in Brazil dates back to 1.888, but the “Social Security General Regulation” was only approved in 1960. In the 57 years since then, companies accumulated a total debt of R$ 433 billion with Social Security, including fines, monetary correction and interest. Had this debt been paid in full along the last 57 years and the annual collection would have been R$7,5 billion more. There isn’t the slightest chance, in practice, that this debt shall be honoured in full, because R$ 251 billion refer to the debt of bankrupt companies, but if we were to suppose that the debt shall be entirely paid along the same period it took to become due, the annual INSS collection would be R$ 7.5 billion higher from now on.

 

The DRU, on the other hand, not only did not drain funds from the Security System but also earmarked R$ 167 billion of the Federal Budget to Social Security. A few examples of investment cuts made in 2017 to cover pension benefits higher than the contributions: R$ 11 billion less for infrastructure, R$ 6 billion less for Health, R$ 5 billion less for Education and R$ 6 billion less for Transportation. Without the DRU, these funds would not go to Social Security and would return to where they came from. From then on, the INSS would only be able to pay what it collects. The deficit would have to be eliminated by immediately reducing the benefits of retirees and everyone due to retire from now on, down to what the system could afford.

 

In the case of the INSS, collection this year will be R$ 372 billion. Adding to that the payment of the corporate debt, if paid, it would come to R$ 380 billion. The expense forecast is R$ 561 billion. To equate that to R$ 380 billion, the benefits the INSS pays out would have to be reduced by 32% in average.

 

In the case of public servants the drop in benefits would be much greater. In the case of civilian federal servants collection this year will be R$ 36 billion and disbursement will be R$ 71 billion. Without the funds coming via the DRU the benefits would have to be cut in half. Of the R$ 35 billion deficit, R$ 3.6 billion come from the Legislative, R$ 8.6 billion from the Judiciary, R$ 0.6 billion from the Public Ministry and another R$ 22 billion from the other public servants. It is therefore essential to adapt retirement rules for politicians, judges and the Public Ministry – but that won’t spare the other public servants from having their own rules matched to the reality of collection.

 

In the case of the military, collection is R$ 2 billion and R$ 40 billion are paid out. Without the DRU their benefits would be 95% less.

 

As to public servants in the States and Municipalities, the deficit this year is estimated to be around R$ 100 billion. If payments out are limited to collection, benefits would drop 43% in average, but with huge disparities. In some States, like Minas Gerais, Rio Grande do Sul and Rio de Janeiro, benefits paid would have to be reduced by much more than 50%.

 

Social assistance – to those who are paid without ever having contributed – spends R$53 billion annually, and would have to be extinguished if there were no DRU, because it has no source of income of its own.

 

In all cases, without changes in the rules applied to length of time or the amount of contribution, benefits would drop year on year because for demographic reasons – growth in life expectancy and drop in the birth rate – the number of retirees grows faster than the number of workers financing the system. Consequently the growth in the Security System revenue will be less than the growth in the number of beneficiaries, requiring persistent reduction in the benefits paid out.

 

In short, you may be against reforming the Social Security System – increasing time of contribution and reducing a little the distortion in the contribution/benefit rules – but then you must admit that you think fair to pull out more than R$ 400 billion a year from Health, Education, Infrastructure, Public Security, etc., in order for the Social Security System to pay pensions above what it can afford with its own collection.

 

Ricardo Amorim is the author of the best-seller After the Storm, a host of Manhattan Connection at Globonews, the most influential economist in Brazil according to Forbes Magazine, the most influential Brazilian on LinkedIn, the only Brazilian among the best world lecturers at Speakers Corner and the winner of the “Most Admired in the Economy, Business and Finance Press”.

Click here and view Ricardo’s lectures.

 

Follow me on: FacebookTwitterYouTube, Instagram e Medium.

 

Translation: Simone Montgomery Troula

 
 



Comentar (0) »




Evento com Ricardo Amorim acontecerá no dia 8 de agosto, na Paraíba

postado em Palestras


08/2017

Administradores

 

Crédito @panoptica.midia

 
Mesmo com instabilidade, os empresários driblam as dificuldades e buscam saídas para dar sustentabilidade aos pequenos negócios. Para apontar caminhos e identificar oportunidades que gerem resultados na prática, é que o Sebrae Paraíba traz para João Pessoa, o economista Ricardo Amorim, dia 8 de agosto, terça-feira, às 19h, no Espaço Gospel.
 
Com a palestra “Inovação e Oportunidades que geram resultados”, como programação do Seminário Desafios do Crescimento, realizado pelo Sebrae Paraíba. Na palestra serão tratados os temas: Por que inovar é tão importante? Por que o Brasil e o Nordeste devem voltar a crescer nos próximos anos? Que oportunidades isto trará nos setores de serviço, indústria e agronegócios? Como a economia criativa e a tecnologia da informação estão criando a maior geração de riqueza da história da humanidade e quais as oportunidades para os brasileiros?
 
Os dados do Caged revelam também que a Paraíba tem se destacado como um polo gerador de oportunidades. Somos o quarto Estado que mais empregou no Nordeste, passamos à frente do vizinho Pernambuco, do Rio de Janeiro, muito embora a região Sudeste tenha sido a que mais empregou com destaque para Minas Gerais, e ainda, do Rio Grande do Sul, que no somatório com os outros dois Estados fez a região Sul fechar o mês de junho com saldo negativo de empregos.
 
Palestra Inovação e Oportunidades que Geram Negócios
 
Dia 08 de agosto de 2017
Às 19h no Espaço Gospel
 
Informações: 0800 570 0800
Inscrições: www.sebraepb.com.br
 
 



Comentar (1) »




Uma proposta irrecusável para quem acha que o Brasil não precisa de Reforma da Previdência

postado em Artigos


08/2017

Por Ricardo Amorim

 

 

Os principais argumentos de quem acha que não há necessidade de Reforma da Previdência costumam ser:

 

1. a Previdência não tem déficit, ela tem superávit;

 

2. os problemas são a corrupção nas dívidas das empresas e a DRU;

 

3. os servidores públicos da União, Estados e Municípios merecem se aposentar muito mais cedo e receber benefícios muito maiores do que os trabalhadores da iniciativa privada porque suas contribuições para a Previdência são maiores do que a dos outros.

 

4. O único problema são as megaaposentadorias e pensões de políticos, juízes e do Ministério Público.

 

Tenho uma proposta irrecusável para quem acredita nos argumentos acima.

 

Primeiro, cobramos cada centavo devido pelas empresas. Depois, acabamos com a DRU. Em seguida, acabamos com as megaaposentadorias de políticos, juízes e do Ministério Público às do INSS, igualando-as às regras do INSS. Aí, somamos todas as receitas e verificamos o total da arrecadação. Por fim, já que supostamente a Previdência teria um superávit e que as contribuições seriam compatíveis com os benefícios, redefinimos o benefício de cada um, dividindo o total arrecadado proporcionalmente pelo que cada um contribuiu. Assim, haveria justiça – cada um receberia de acordo com quanto contribuiu – os benefícios supostamente cresceriam – pois o tal superávit da Previdência seria transformado em aumento de benefícios – e as contas da Previdência estariam absolutamente equilibradas.

 

Topa? Se você realmente acredita nos 4 argumentos acima, não há como não topar. Só haveria ganhos… Caso contrário, você tem de reconhecer que os 4 argumentos são falsos.

 

Não há problema nenhum em ser contra a Reforma da Previdência e reconhecer que, na realidade, a Previdência tem um déficit que não para de crescer e que só neste ano será próximo a R$400 bilhões; que a cobrança do pagamento integral da dívida das empresas e municípios tem de acontecer, mas não fará cócegas no déficit; que a DRU não só não tira recursos da Previdência, mas financia o déficit da Previdência; que a contribuição de servidores civis e militares não chega nem perto de bancar os benefícios excessivamente generosos que eles recebem e que o buraco da Previdência do setor público vai muito além de juízes, políticos e do MP. A única coisa é que, neste caso, você precisa também admitir que acha justo que anualmente mais de R$400 bilhões que deveriam ir para Saúde, Educação, etc sejam redirecionados para a Previdência para garantir que os benefícios atuais sejam mantidos, complementando a parte que as contribuições cobrem. Não há nada errado nisso – apesar de eu discordar completamente. O que não dá é para basear a discussão em mentiras.

 

Para quem topou esta reforma e ficou curioso com o que realmente aconteceria com os benefícios, vamos aos números. O primeiro regime de Previdência no Brasil data de 1.888, mas o Regulamento Geral da Previdência Social só foi aprovado em 1960. Nos 57 anos de lá para cá, foi acumulada uma dívida total de empresas com a Previdência, incluindo multas, correção monetária e juros de R$433 bilhões. Se toda esta dívida tivesse sido paga ao longo dos últimos 57 anos, a arrecadação anual teria aumentado em R$7,5 bilhões por ano. Na prática, não há a menor chance de que esta dívida seja integralmente honrada porque R$251 bilhões referem-se a dívidas de empresas falidas, mas se supuséssemos que a dívida será integralmente paga ao longo do mesmo período em que foi contraída, a arrecadação anual do INSS daqui para frente seria R$7,5 bilhões maior.

 

A DRU, por sua vez, não só não retirou recursos da Previdência, mas redirecionou R$167 bilhões do Orçamento Federal para a Previdência. Alguns exemplos de cortes de investimentos que aconteceram em 2017 para cobrir os benefícios previdenciários maiores do que as contribuições: menos R$11 bilhões para infraestrutura, menos R$6 bilhões para Saúde, menos R$5 bilhões para Educação e menos R$6 bilhões para Transportes. Sem a DRU, estes recursos deixariam de ir para a Previdência e voltariam para de onde vieram. A partir daí, a Previdência só poderia efetivamente pagar o que arrecada. O déficit teria de ser eliminado através de redução imediata dos benefícios de quem já está aposentado e de todos que se aposentarem de agora em diante, já que não haveria recursos para bancá-los.

 

No caso do INSS, a arrecadação neste ano será de R$372 bilhões. Somando–se o aumento de arrecadação com o pagamento da dívida das empresas, ela chegaria a R$ 380 bilhões. Os gastos projetados são de R$561 bilhões. Para reduzi-los a R$380 bilhões, os benefícios do INSS teriam de cair em média 32%.

 

No caso dos servidores, a queda de benefícios seria muito maior. No caso dos servidores federais civis, a arrecadação neste ano será de R$36 bilhões e os gastos de R$71 bilhões. Sem os recursos da DRU, os benefícios teriam de ser cortados pela metade. Dos R$35 bilhões de déficit, R$3,6 bilhões vêm do Legislativo, R$8,6 bilhões do Judiciário, R$ 0,6 bilhão do Ministério Público e mais de R$22 bilhões dos demais funcionários públicos. Portanto, adequar as regras de aposentadoria de políticos, juízes e do MP é fundamental, mas não vai poupar os demais funcionários públicos de terem suas regras também adequadas à realidade das receitas.

 

No caso dos militares, a arrecadação é de R$2 bilhões e os gastos de R$40 bilhões. Sem a DRU, os benefícios cairiam 95%.

 

No caso de servidores de Estados e Municípios, o déficit deste ano deve se aproximar de R$ 100 bilhões. Limitando-se os gastos às receitas, os valores dos benefícios cairiam em média 43%, mas as disparidades são enormes. Em alguns estados, como Minas Gerais, Rio Grande Do Sul e Rio de Janeiro, as reduções de benefícios seriam muito superiores a 50%.

 

A assistência social – aqueles que recebem sem nunca ter contribuído – gera um gasto anual de R$53 bilhões, mas sem os recursos da DRU, teria de ser extinta, pois ela não tem nenhuma fonte de recursos próprios.

 

Em todos os casos, sem mudanças de regras de tempo ou valor das contribuições, os valores dos benefícios cairiam ano a ano porque, por razões demográficas – crescimento da expectativa de vida e queda da taxa de natalidade – o número de aposentados cresce muito mais rapidamente do que o de trabalhadores contribuindo para a Previdência. Portanto, o crescimento da receita da Previdência será menor do que o do número de beneficiários, causando uma persistente redução dos benefícios da Previdência.

 

Em resumo, você pode ser contra reformar a Previdência – aumentando prazos de contribuição e reduzindo um pouco as distorções das regras de contribuição e benefícios – mas aí você tem de admitir que acha justo tirar mais de R$400 bilhões por ano de Saúde, Educação, Infraestrutura, Segurança etc para bancar aposentadorias e pensões acima do que os recursos da própria Previdência conseguem bancar.

 

Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedInúnico brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner e ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças.

Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.

 

Clique aqui e conheça as minhas palestras.

 

Siga-me no: Facebook, TwitterYouTubeInstagram, Medium e Linkedin.

 
 



Comentar (1) »




Entrevista de Ricardo Amorim sobre inovação, liderança e perspectivas para o varejo

postado em Entrevistas


07/2017

Supermercado Moderno

Por Alessandra Morita

 

Crédito: @panoptica.midia

 
“O cenário econômico mais complicado é difícil para todas as companhias. Não há como ser diferente. Mas as empresas que têm melhores produtos e serviços conseguem ter resultados melhores.” A afirmação feita a SM é do economista Ricardo Amorim, CEO da Ricam Consultoria e comentarista do programa de TV Manhattan Connection. Nesta entrevista, ele ressalta a importância de as empresas investirem em inovação de produtos e processos e fala sobre o novo papel das lideranças. A economia também foi tema da análise. Segundo Amorim, a atual instabilidade política dificulta traçar um cenário econômico para os próximos meses. Apesar disso, alguns indicadores tendem a ser favoráveis à economia e ao varejo, como a queda da inflação e o recuo da taxa de juros. Acompanhe a seguir.
 
Diante da instabilidade política, é possível prever algum cenário para a economia até o final de 2017?
 
O cenário econômico hoje está totalmente dependente do cenário político. Ele determinará se continuaremos a fortalecer os fundamentos da economia brasileira, com o avanço das reformas da previdência, tributária, política. Com tudo o que está acontecendo, elas praticamente não têm avançado. Por isso, é impossível ser taxativo sobre o cenário econômico. Se conseguirmos uma solução rápida para a paralisia política, a economia vai ser menos penalizada e o crescimento, melhor. Caso contrário, poderemos voltar ao cenário de 2015 e 2016. A turbulência política precisa se resolver para as reformas voltarem a avançar.
 
Como as reformas ajudariam a melhorar a economia do País?
 
Elas são fundamentais por atuarem em três frentes. A reforma da previdência faria com que as contas públicas se ajustassem. Dessa forma, seria afastada a preocupação de que, no futuro, o governo tenha que elevar mais os impostos ou, num cenário ainda mais grave, chegar a um calote. Com isso, as empresas, correndo um risco menor, acabam investindo mais, e isso leva à geração de empregos e a maior crescimento e riqueza para todos os brasileiros. As duas outras, que são a reforma tributária e a trabalhista, têm como objetivo reduzir o custo de produção no Brasil. À medida que as despesas ficam menores, ganha-se maior competitividade, o que também aumenta a geração de empregos. Como consequência, os salários ficam mais altos e o consumo novamente cresce. O País conseguiria entrar, assim, num ciclo virtuoso. Por fim, há a reforma política, que deveria garantir condições de governabilidade melhores que as atuais, mudando esse processo em que há um número enorme de partidos de aluguel, que vendem o seu apoio – seja com espaço de televisão, horário eleitoral gratuito, etc. Por isso, as reformas são importantes para um Brasil melhor, mais justo e vencedor.
 
Dá para arriscar alguma perspectiva especificamente para o consumo até o final deste ano?
 
O consumo depende fundamentalmente da confiança, que, por sua vez, no Brasil atual, depende, mais uma vez, do cenário político. O que dá para dizer com maior segurança é que o varejo alimentar é menos impactado do que o restante da economia. A confiança para que alguém compre um pouco mais no supermercado não precisa ser tão grande quanto a confiança para um gasto maior, como a aquisição de um automóvel ou de uma casa nova.
 
A inflação tem sido um ponto positivo até agora. Ela pode ajudar no consumo em 2017?
 
A queda da inflação ajuda de duas formas. A primeira é que cria condições para a taxa de juros cair. Com isso, há expansão de crédito, o que financia maior consumo e investimento. Em segundo lugar, o recuo da inflação aumenta o poder de consumo das pessoas. Quando a inflação está subindo menos do que os salários, coisa que no Brasil nos últimos anos não acontecia, significa que o poder real de consumo aumenta. Isso pode ter um impacto positivo na economia como um todo.
 
Outro ponto positivo é a redução dos juros.Como ficará esse indicador?
 
A queda de juros deve continuar. A inflação está abaixo da meta de 4,5%. Há vários fatores para a queda dos preços. O mais importante é a falta de demanda generalizada. Portanto, a taxa de juros, que já caiu bastante, deve continuar recuando. A Selic já foi de quase 15% e caminha para chegar à faixa de 8% ou talvez de 7%. Isso deve ajudar a estimular o consumo. Mas, para um incentivo maior, a queda dos juros deve ser acompanhada de aumento da oferta de crédito. Isso só vai acontecer se os bancos tiverem confiança na economia e, por consequência, no recuo da taxa de inadimplência.
 
Uma empresa precisa sobreviver em qualquer cenário econômico. Até que ponto é possível se descolar da economia?
 
Nenhuma empresa é uma ilha. Isso significa que, sem dúvida, o cenário econômico mais complicado é difícil para todas as companhias. Mas as empresas não têm o mesmo desempenho. O que elas realizam faz diferença nos seus resultados. Aquelas que têm melhores produtos e serviços conseguem ter resultados melhores. Exatamente por esse motivo é tão importante investir em inovação, em qualidade de atendimento, de processos, de serviço. Tanto isso é verdade que, mesmo num cenário difícil, alguns grupos conseguiram crescer (e crescer bem). E outros tiveram dificuldades ainda maiores do que a média.
 
Você tem avaliado há algum tempo a questão da falta de bons líderes empresariais e citado como qualidades essenciais valores éticos, paixão/propósito fortes e visão de longo prazo. Hoje, você acrescentaria alguma outra característica?
 
O que está mais claro para mim nos últimos tempos é a importância de as lideranças terem coragem de se rebelar contra o que está errado. E, particularmente, de entender que um País mais desenvolvido, mais rico e mais justo só vai acontecer se tivermos não só coragem de lidar com todos os problemas, mas de enfrentar os mais variados interesses, que existem em áreas específicas ou dizem respeito a aspectos também específicos. Ou seja, há grupos que se beneficiam das regras como elas são hoje e não deixam que sejam mudadas. Isso vai desde funcionários públicos defendendo normas de previdência completamente injustas em relação ao resto da população até grupos empresariais que, em troca de taxa de juros subsidiada em determinada linha de financiamento ou qualquer outro benefício, não permitem ajustes. Ir contra isso é um papel importante dos líderes.
 
Além desse, há algum outro atributo das lideranças que se tornou importante nos últimos tempos?
 
A importância da questão ética tem sido realçada por escândalos que parecem nunca acabar e que são cada vez maiores no País. Recentemente, uma preocupação que tem surgido com maior força, na minha opinião, é esses escândalos estarem mostrando que, na realidade, o Brasil tem uma democracia muito fragilizada. Democracia é algo muito valioso, mas muito frágil. O Brasil acabou tendo quase uma “cleptocracia”, com grupos se apropriando do Estado em benefício próprio. Sem valores éticos mais fortes, é difícil evitar esse tipo de situação. Ao contrário, o que temos visto é cada um desses grupos defendendo seus próprios interesses. Entre as três características importantes para as lideranças – valores éticos, paixão/propósito fortes e visão de longo prazo (todos fundamentais quando estamos tratando de líderes) –, ética é o que mais chama a atenção nos últimos tempos.
 
 



Comentar (1) »




| Próxima página »