Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

O mercado de trabalho mudou

postado em Artigos


09/2019
Por Ricardo Amorim

 

 

No Brasil, o ambiente de negócios é desafiador. Há burocracia, impostos elevados e alto custo de financiamento. Apesar disso, em função da mais profunda crise econômica da história e de uma transformação tecnológica e comportamental significativa, o mercado de trabalho se reconfigurou. Cada vez mais gente empreende e trabalha por conta própria. Atualmente, do total de trabalhadores na força de trabalho, apenas um em cada três trabalha com carteira de trabalho. Se somarmos à força de trabalho, os 65 milhões de trabalhadores sem trabalho, apenas um em cinco trabalhadores é empregado formal. Os demais empreendem, trabalham por conta própria ou trabalham sem carteira.

 

Cada vez mais, o Brasil se assemelha a países desenvolvidos. Lá, há algum tempo, aumenta o trabalho por conta própria e o empreendedorismo, em função de novas tecnologias e mudanças na sociedade. No entanto, ao contrário de lá, aqui sobra empreendedorismo, mas falta uma legislação trabalhista que ajude a inovação a ocorrer. Mesmo com a recente Reforma Trabalhista, nossa legislação ainda precisa de muita modernização.

 

O mercado de trabalho transformou-se completamente desde que a atual legislação foi criada há quase um século. Na época, empregados eram a maioria absoluta dos trabalhadores. Hoje, são minoria. Na prática, nossa legislação trabalhista anacrônica e interpretações ainda mais anacrônicas da legislação pela Justiça do Trabalho deixam a grande maioria dos trabalhadores sem emprego ou desamparados. Com transformações tecnológicas cada vez mais aceleradas, o problema vai se agravar se não adaptarmos nossas leis. Para um mundo de inteligência artificial, robôs, transformação digital, indústria 4.0, economia compartilhada e tantas outras tecnologias revolucionárias, precisamos de uma Reforma Trabalhista 4.0.

 

Tecnologias mais eficientes aumentam a rentabilidade das empresas e a remuneração dos trabalhadores, mas só de quem participam deste movimento. Não acompanhar as transformações na tecnologia e na sociedade será mortal para negócios, para carreiras e para o próprio país.

 

Se o Brasil não se adaptar aos novos tempos, com uma legislação coerente, alijaremos os brasileiros do desenvolvimento das próximas décadas. Precisamos reduzir burocracias, aperfeiçoar a segurança jurídica, diminuir a complexidade tributária e facilitar o acesso a novos mercados, abrindo a economia brasileira. Quem poderia parar um Brasil assim?

 

Mas para que isso se torne realidade, é necessário aplicar cada vez mais a inovação na própria forma de pensarmos. A tecnologia, os modelos de negócios e o mercado de trabalho já mudaram, mas a cabeça das pessoas é uma das coisas mais difíceis de mudar.

 

Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedInúnico brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner, ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças, presidente da Ricam Consultoria e cofundador da Smartrips.co e da AAA Plataforma de Inovação.

 

Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.

 

Clique aqui e conheça as minhas palestras.

 

Siga-me no: Facebook, TwitterYouTubeInstagramMedium e LinkedIn.

 
 



Comentar (0) »




Flerting with the Abyss

postado em In English


08/2019

By Ricardo Amorim

 

 

Economists usually communicate using jargon that is beyond the understanding of outsiders to their field. Add to that the average level of education, which leaves much to be desired, and the result is that the vast majority of people ignore how the economy works.

 

On the other hand, everyone knows very well where their own financial situation stands, whether it improved or got worse in the last years. It is based on the perception of one’s own financial comfort or unease that most voters decide who they vote for.

 

In elections for President, governors and mayors – when a single candidate is to be elected – there is like a referendum, based on each voter’s individual perception of being better off or not, and relating that to whoever is in power.

 

This understanding can be applied to the result of the primary elections in Argentina, which point to the probable victory of the Peronist ticket featuring Alberto Fernandez and Christina Kirchner over incumbent President Mauricio Macri in the October election. The worsening that this may bring about to the Argentinian crisis caused a 38% downfall in the Buenos Aires Stock Exchange index – the second largest drop in a single day in any stock exchange of the world since 1950, and a 24% devaluation on the peso. Both effects put together meant foreign investors had a 53% loss in a single day.

 

Why do Argentinians vote against Macri? The economic performance falls short of expectations and the financial situation of most Argentinians deteriorated. Macri was partially responsible for that. Had he been faster and more aggressive to liberalize the economy, allowing it to grow more in the long run, and had he adopted more aggressive short term measures of incentive, which might have entailed better economic performance in the last few years, and the poll result would have been different.

 

More important, however, than what Macri did or did not do were the conditions he inherited from his predecessor Christina Kirschner – only this is not understood by Argentinians. Imagine that you lend your house to a friend and he practically destroys it but fills the place with decorative items so you cannot see the destruction. Next, this friend leaves the house and another friend occupies your house for a while, fixes a few broken things, does not fix others. You then come back and find the house in visible chaos. You refuse to listen to the explanation of the second friend and send him out of the house.

 

This is precisely what Argentinians want to do to Macri. And since they do not understand that it was Christina Kirchner who handed the destroyed house to Macri, they are willing to lend it to her again, because they had the false sensation that the house was in better shape with her.

 

Why should it matter to us, Brazilians? First of all because the Argentinian economic crisis shall get worse and this will further reduce our exports to them, at the cost of tens, hundreds, maybe thousands of jobs for Brazilians.

 

Besides, there is also a fundamental lesson in this for Bolsonaro and Brazil. A conservative customs agenda ensured Bolsonaro 15% to 20% of votes in the second round of the election. The remaining 35% to 40% of the votes he got were due to his firm discourse on combatting corruption and the modus operandi of Brazilian politics, aversion to the PT (Workers Party) and – to a lesser degree – due to his liberal economic stance.

 

Now in office, his nearly exclusive focus has been the conservative customs agenda and the combat against leftism. Combat against corruption was weakened by the approval of the so called package on the abuse of authority, left without any firm opposition from Bolsonaro. Besides, the nomination of his son to the Brazilian embassy in Washington will be used by his opponents to convince voters that Bolsonaro did not alter the way politics work in Brazil.

 

The economic agenda, on the other hand, has made great strides, especially with the Social Security Reform and the Provisional Measure on Economic Freedom. This progress, however, owes very little to Bolsonaro’s direct involvement, which never took place. This is where the danger lies.

 

There is still need for Congress approval of many other fundamental economic measures to allow Brazil to grow faster and generate more jobs and better salaries, beginning with the Tax Reform and an encompassing privatization program. The question is – how long and how much will the economic agenda continue to progress without Bolsonaro’s unconditional support grounded on his political capital? This question is fundamental because without advance in this agenda the future of Bolsonaro and of Brazil run the risk of being the same as Macri and Argentina. To put only part of the house in order may not be sufficient for the economy and the lives of most Brazilians to improve enough to guarantee his re-election and, above all, the continuity of a project of liberalization of the Brazilian economy. This risk is especially significant considering that a global recession is apt to occur before the end of his mandate, with major negative impacts on the Brazilian economy.

 

In short, Bolsonaro was elected for vehemently criticizing the corrupt Brazilian political environment. Besides his concrete contribution in this field, what will re-elect him or not will be the performance of the economy. A good performance requires the approval of several measures in Congress, which in turn may require a more significant commitment by Bolsonaro.

 

If he remains nearly exclusively focused on the conservative customs agenda, as he has done so far, and should it ensue that the economy falls short of the target, Bolsonaro and Brazil may have a destiny similar to that of Macri and Argentina, meaning a new flirt with the “petista” (Workers Party’s) abyss or that of Ciro Gomes’. Should it happen and Bolsonaro’s cherished conservative agenda will go down the drain – which does not bother me at all, on the contrary. However, along with that we shall lose the structural advances in the Brazilian economy that were so hard to achieve after Dilma Rousseff’s departure from power. In that case we Brazilians may end up sulking in yet another bitter economic crisis, like the one in the Dilma years, which was the longest and more acute the country experienced in at least 120 years. Brazil and Brazilians do not deserve that.

 

Ricardo Amorim is the author of the best-seller After the Storm, a host of Manhattan Connection at Globonews, the most influential economist in Brazil according to Forbes Magazine, the most influential Brazilian on LinkedIn, the only Brazilian among the best world lecturers at Speakers Corner and the winner of the “Most Admired in the Economy, Business and Finance Press”.

 

Click here and view Ricardo’s lectures.

 

Follow me on: FacebookTwitterYouTube, Instagram e Medium.

 

Translation: Simone Montgomery Troula

 
 



Comentar (0) »




Flertando com o precipício

postado em Artigos


08/2019

Por Ricardo Amorim

 

 

Em geral, especialistas econômicos comunicam-se em jargões inacessíveis a quem não é da área. Para completar, o nível educacional médio deixa muito a desejar. Resultado? A grande maioria das pessoas não sabe como a economia funciona.

 

Por outro lado, todos sabem muito bem como está a sua própria situação financeira e se ela melhorou ou piorou nos últimos anos. É baseado nesta percepção de bem ou mal estar financeiro próprio que a maioria dos eleitores normalmente decide seus votos.

 

Em eleições para Presidente, governadores e prefeitos – em que um único candidato é eleito – normalmente, ocorre um referendo, baseado na percepção individual de cada eleitor se sua vida está melhor ou pior do que antes, em relação a quem está no poder.

 

Entendendo isso, fica fácil compreender o resultado das eleições primárias na Argentina que indicaram a provável vitória da chapa peronista de Alberto Fernandez e Cristina Kirchner sobre o atual presidente Mauricio Macri nas eleições presidenciais de outubro. O agravamento da crise argentina que isto deve causar foi responsável por uma queda de 38%do índice da Bolsa de Buenos Aires, a segunda maior em um único dia de qualquer bolsa de valores no mundo desde 1950, e uma desvalorização do peso de 24%. Somando-se os dois efeitos, investidores estrangeiros tiveram uma perda de 53% em um único dia.

 

Por que os argentinos estão votando contra Macri? O desempenho econômico deixou a desejar e a situação financeira da maioria dos argentinos piorou. Macri foi parcialmente responsável por isso. Se tivesse sido mais rápido e agressivo para liberalizar a economia, permitindo que a economia cresça mais a longo prazo, e tivesse adotado medidas de estímulos de curto prazo mais agressivas, gerando um melhor desempenho econômico já nos últimos anos, os resultados eleitorais seriam outros.

 

Porém, incompreendido pela maioria dos argentinos, mais importante do que o que Macri fez e deixou de fazer foram as condições que ele herdou de sua predecessora, Cristina Kirchner. Imagine que você emprestou sua casa a um amigo e ele praticamente a destruiu, mas encheu a casa de objetos de decoração para que você não pudesse ver a destruição. Na sequência, este amigo sai da casa e entra outro que fica na sua casa por algum tempo, arruma algumas das coisas destruídas, mas não arruma outras. Aí, você chega e encontra a casa em caos visível. Sem nem querer ouvir a explicação do segundo amigo, você o coloca para fora.

 

É exatamente o que os argentinos querem fazer com Macri. E, como não compreendem que foi Cristina Kirchner que entregou a casa já destruída a Macri, estão dispostos a emprestá-la a ela novamente, pois tinham a falsa sensação de que a casa estava em melhor estado.

 

E por que tudo isso importa a nós brasileiros? Em primeiro lugar porque a crise econômica argentina deve piorar e isso vai reduzir ainda mais nossas exportações para lá, custando empregos de dezenas, talvez centenas, de milhares de brasileiros.

 

Além disso, há uma lição fundamental para Bolsonaro e o Brasil. Uma pauta conservadora de costumes garantiu a Bolsonaro de 15% a 20% dos votos dos brasileiros no segundo turno das eleições. Os outros 35% a 40% dos votos que recebeu vieram por seu discurso firme de combate à corrupção e ao modus operandi da política brasileira, da aversão ao PT e, em menor grau, de seu discurso econômico liberal.

 

Uma vez no governo, seu foco quase exclusivo tem sido a pauta conservadora de costumes e o combate ao esquerdismo. O combate à corrupção foi enfraquecido pela aprovação do chamado pacote de abuso de autoridade sem nenhuma oposição firme de Bolsonaro. Além disso, a indicação do filho à embaixada em Washington será usada por seus opositores para convencer eleitores de que Bolsonaro não alterou o modo de se fazer política no Brasil.

 

Já a agenda econômica do governo tem avançado a passos largos, especialmente a Reforma da Previdência e a MP da Liberdade Econômica. No entanto, este avanço pouco se deveu ao envolvimento direto de Bolsonaro, que nunca ocorreu. É aí que mora o perigo.

 

Ainda há a necessidade de aprovação pelo Congresso de muitas outras medidas econômicas fundamentais para permitir que o Brasil cresça mais rapidamente e gere mais empregos e salários melhores, começando pela Reforma Tributária e um amplo programa de privatização. A pergunta que fica é por quanto tempo e quanto a agenda econômica continuará avançando sem o apoio incondicional e o uso do capital político de Bolsonaro? Esta pergunta é fundamental porque, sem o avanço desta agenda, o futuro de Bolsonaro e do Brasil correm o risco de serem os mesmos de Macri e da Argentina. Colocar apenas uma parte da casa em ordem pode não ser o bastante para que a economia e a vida da maioria dos brasileiros melhorem o suficiente para garantir sua reeleição e, principalmente, a continuidade de um projeto de liberalização da economia brasileira. Este risco é particularmente significativo considerando-se que uma recessão global deve ocorrer antes do final do seu mandato, com impactos negativos significativos na economia brasileira.

 

Em resumo, Bolsonaro elegeu-se criticando com veemência o corrupto meio político brasileiro. Além de suas ações concretas neste campo, o que irá reelegê-lo ou não será o desempenho da economia. O bom desempenho da economia exigirá a aprovação de várias medidas pelo Congresso, o que por sua vez, talvez requeira um engajamento mais significativo de Bolsonaro.

 

Se continuar quase que exclusivamente focado na agenda conservadora de costumes, como tem feito até agora, e eventualmente, o desempenho da economia deixar a desejar, Bolsonaro e o Brasil podem ter um destino parecido aos de Macri e da Argentina, um novo flerte com o abismo petista ou o de Ciro Gomes. Se acontecer, toda a agenda conservadora que Bolsonaro tanto preza irá para a cucuia – o que não me incomoda em nada, pelo contrário. Porém, junto com ela, perderemos os avanços estruturais da economia brasileira conquistados a duras penas desde a saída de Dilma Rousseff do poder. Neste caso, nós brasileiros podemos acabar amargando mais uma crise econômica, como a dos anos Dilma, que foi a mais longa e aguda que o país viveu em pelo menos 120 anos. O Brasil e os brasileiros não merecem isso.

 

Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedInúnico brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner, ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças, presidente da Ricam Consultoria e cofundador da Smartrips.co e da AAA Plataforma de Inovação.

 

Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.

 

Clique aqui e conheça as minhas palestras.

 

Siga-me no: Facebook, TwitterYouTubeInstagram,  Medium e LinkedIn.

 
 



Comentar (2) »




Episódio #13 – Educação na era digital

postado em Podcast - Economia Falada


Trechos da entrevista do economista Ricardo Amorim ao portal Quero Educação, jul/2019.
Por que o padrão educacional, estabelecido há anos, já não comporta a realidade atual da nossa sociedade digital e dos novos modelos de trabalho?
 

 
 



Comentar (0) »




A penny saved is a penny earned

postado em In English


07/2019

By Ricardo Amorim

 

 

If left without further changes, the Social Security Reform approved by the Lower Chamber of Congress will generate savings amounting to R$ 900 billion in the next ten years. The savings will grow in the following decades. After two decades it will amount to nearly R$ 4 trillion. Only to go on growing in the following decades.

 

To begin with, it will reduce the growth of the Social Security deficit. Adding up the Federal, States, municipal administrations and the INSS (Social Security System), the deficit will be of around R$ 400 billion this year. Without the reform it would be R$ 450 billion next year.

 

With less of a deficit in Social Security, less of the budget will be required to cover the deficit. In order to cover the Social Security deficit, investment in public education has been shrinking since 2013, investment in Health goes down every year since 2015, and public investment in infrastructure last year was the lowest in 70 years.

 

In time, the Social Security Reform will create the conditions to reverse this picture. Besides, it makes room for Brazil to promote a Tax Reform to simplify our tax system without having to increase the burden on taxpayers, as would be the case without the Social Security Reform.

 

No less essential, the Social Security Reform will revert the growth of the public debt. Without it, Brazil would endure a fiscal and economic crisis even worse than the last one.

 

The fiscal risk now at bay, businesses will pull their investment plans out of the drawer. With more investment we shall generate more jobs, income and economic growth.

 

Much of this investment will come from abroad, bringing in dollars and lowering the dollar exchange rate, which will reduce the price of imported products, collaborating to knock down inflation and creating the required environment for lowering interest rates and for more credit to be available.

 

In short, besides freeing resources to be invested in Health, Education and Infrastructure some time from now, the savings resulting from the Reform will accelerate Brazil’s economy already this year and the next. It is no coincidence that the Stock Exchange keeps breaking its own records.

 

Ricardo Amorim is the author of the best-seller After the Storm, a host of Manhattan Connection at Globonews, the most influential economist in Brazil according to Forbes Magazine, the most influential Brazilian on LinkedIn, the only Brazilian among the best world lecturers at Speakers Corner and the winner of the “Most Admired in the Economy, Business and Finance Press”.

 

Click here and view Ricardo’s lectures.

 

Follow me on: FacebookTwitterYouTube, Instagram e Medium.

 

Translation: Simone Montgomery Troula

 
 



Comentar (0) »




| Próxima página »