Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Ricardo Amorim participará da Conferência Gartner, nos dias 25 e 26 de abril, em São Paulo

postado em Pesquisas Ricam Consultoria - Ilumeo


04/2017

Computer World

Por Gartner

 

 

Quem já teve a oportunidade de assistir a uma palestra ou a seus comentários no semanal televisivo Manhattan Connection, há mais de uma década, possivelmente já deve ter se questionado como Ricardo Amorim – economista mais influente do Brasil, segundo a revista Forbes – consegue guardar tantos dados em seu “chip” mental e, ainda, descomplicá-los ao passar suas elucidadoras mensagens ao telespectador.

 

Formado pela USP e pós-graduado em Administração e Finanças Internacionais pela ESSEC de Paris, Amorim atua no mercado financeiro desde 1992 e já trabalhou em três importantes centros financeiros mundiais (Nova York, Paris e São Paulo).

 

Após ganhar fama no programa exibido desde 1993 por canais da Globosat, o economista abriu sua própria consultoria e vem marcando presença nos principais eventos de negócios como palestrante Brasil afora.

 

Ele será um dos convidados especiais da Conferência Gartner Infraestrutura, Operações de TI e Data Center, nos dias 25 e 26 de abril, em São Paulo, que irá reunir analistas brasileiros e internacionais da consultoria para dividir ideias, soluções e tendências com o objetivo de que líderes de I&O pavimentem o caminho da transformação em suas empresas.

 

O diretor da Ricam Consultoria irá compartilhar como identificar as oportunidades que se escondem em meio aos complicados momentos vividos ultimamente na economia e como ser o agente transformador de mudanças.

 
 



Comentar (0) »




Maybe

postado em In English


04/2017

By Ricardo Amorim

 

 

Think of a country where there is no limitation on labour outsourcing to perform a company’s  core activity or any supporting activity.

 

Imagine that, in that country, men and women may only retire after 67 years of age and, once they do retire, all they get in average is half the salary they used to make when they were still at work.  There is no half-fare for the elderly in that country.

 

Imagine that in that country there is no remunerated 30-day vacation. Imagine that workers have to negotiate with their employers how long their vacations will last and whether they will be remunerated or not. There is no such thing as additional vacation pay in that country.

 

Imagine there is also no 13th salary in that country.

 

Imagine that pregnant women are only entitled to a 12-week maternity leave, and that they are not remunerated during that period.

 

Imagine that employers can negotiate with employees whether they will work weekends and national holidays. No extra pay for night shifts, overtime, work on weekends or holidays.

 

Imagine that there are no free universities, no half-price tickets for students in cinemas, shows, theatres or other such entertainement.

 

Imagine a country where no-one has job stability, not even public servants.

 

Imagine a country where there is no FGTS, let alone 40% additional pay in the case of dismissal without  a just cause.

 

Imagine that in that country there is no limit to the number of hours workers may work. Their employers may arrange with them for whatever they wish.

 

Imagine that the minimum wage stays the same for 11 years, no readjustment.

 

Imagine there is no work record card nor Labour Courts.

 

Who would possibly wish to live and work at such a country?  Nearly everybody.  This country exists. It is the United Stated and its president is making an effort to prevent entrance to millions upon millions of workers from other countries who want to go and work there, every year.

 

With such rules, why should so many people risk their lives and why would others move there this very second if they could?  Maybe because for these and other reasons prices and inflation are far less than here, the unemployment rate is one third of ours and people earn, on average, 7 times more than here?  Maybe…

 
Ricardo Amorim is the author of the best-seller After the Storm, a host of Manhattan Connection at Globonews, the most influential economist in Brazil according to Forbes Magazine, the most influential Brazilian on LinkedIn, the only Brazilian among the best world lecturers at Speakers Corner and the winner of the “Most Admired in the Economy, Business and Finance Press”.

 

Click here and view Ricardo’s lectures.

 

Follow me on: Facebook, Twitter, YouTube, Instagram e Medium.

 
 



Comentar (0) »




Talvez

postado em Artigos


04/2017

Por Ricardo Amorim

 

 

Imagine um país em que não haja limitações à terceirização do trabalho nem de atividades meio, nem de atividades fim.

 

Imagine que, nele, homens e mulheres só possam se aposentar após os 67 anos de idade e que, depois de aposentados, recebam em média menos da metade do que ganhavam enquanto trabalhavam. Meia entrada para idosos não existe lá.

 

Imagine que neste país não existam 30 dias de férias remuneradas. Imagine que os empregados têm de negociar com os patrões quanto tempo terão de férias e se elas são remuneradas ou não. Adicional de férias não existe por lá.

 

Imagine que 13º salário também não existe.

 

Imagine que mulheres grávidas só tenham direito a 12 semanas de licença maternidade e que durante o período de ausência elas não são remuneradas.

 

Imagine que os patrões possam negociar com os empregados se eles vão trabalhar em finais de semanas ou feriados nacionais. Adicional noturno, por horas extras, trabalho em finais de semana ou feriados não existem.

 

Imagine que não existem faculdades gratuitas, nem meia entrada para estudantes em cinemas, shows, teatro ou outros espetáculos.

 

Imagine um país onde ninguém tem estabilidade no emprego, nem os funcionários públicos.

 

Imagine um país onde não existe FGTS, muito menos adicional de 40% em caso de demissão sem justa causa.

 

Imagine que nele os trabalhadores não tenham um limite no número de horas que podem trabalhar. Seus patrões e eles podem combinar o que quiserem.

 

Imagine que o salario mínimo por lá fique 11 anos sem nenhum reajuste.

 

Imagine que não exista carteira de trabalho, nem Justiça Trabalhista.

 

Quem iria querer trabalhar e morar em um país assim? Quase todo o mundo. Este país existe. Ele se chama Estados Unidos e seu presidente está se esforçando para impedir a entrada de milhões e milhões de trabalhadores de outros países que a cada ano querem ir trabalhar lá.

 

Com regras assim, como tanta gente arrisca a vida e tantos outros se mudariam para lá neste exato segundo se pudessem? Talvez, porque por estas e outras razões, os preços e a inflação são muito menores do que aqui, a taxa de desemprego é um terço da nossa e as pessoas ganham, em média 7 vezes mais do que aqui? Talvez…

 

Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedIn, único brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner e ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças de 2016.

 

Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.

 

Clique aqui e conheça as minhas palestras.

 

Siga-me no: Facebook, Linkedin, TwitterYouTube, Instagram e Medium.

 
 



Comentar (5) »




“País vive um momento impar no sentido positivo”, diz o economista Ricardo Amorim

postado em Entrevistas


04/2017

Notícias Agrícolas

 

 

O economista Ricardo Amorim afirmou, durante palestra no Show Safra BR-163, que o país vive um momento impar no sentido positivo, que o período é de reflexão e que o panorama nacional deve melhorar, principalmente para o segmento do agronegócio. “Teremos uma recuperação econômica, acredito, que mais forte do que as pessoas estão esperando, o que deve gerar várias oportunidades de negócios. A demanda por alimentos deve crescer mais do que está especificado atualmente pelos mercados, o que significa preços melhores, boas perspectivas de rentabilidade e produção para o nosso produtor”, explica Amorim.

 

Para o palestrante, as reformas da previdência, tributária e trabalhista significam avanço importante e positivo para o Brasil. Com relação à Operação Carne Fraca, o economista afirma que o setor deve reverter a situação e que os impactos negativos serão de curto prazo. “A maneira como essa informação foi repassada para o mundo inteiro teve um impacto muito forte. O que aconteceu é que, nesse primeiro momento, os governos e mercados, como uma forma de defesa, inclusive de posicionamento diante do consumidor, irão se antepor a importação de carne brasileira. Porém depois que os fatos vêm a tona, como está acontecendo e pelo que vimos até agora a situação não é como foi contada lá no início, essa situação será revertida. Não acredito que os reflexos negativos perdurem a médio e longo prazo no setor”,  acrescenta o economista.

 
 



Comentar (0) »




Palestra de Ricardo Amorim abordará crise e otimismo sobre o Brasil

postado em Palestras


03/2017

Paran@shop

Por Isabela Franca

 

 

O economista Ricardo Amorim estará em Curitiba no próximo dia 5 de abril para ministrar a palestra “Depois da Tempestade – Saindo da Crise” no Pequeno Auditório do Teatro Positivo, às 19 horas. Amorim vai abordar a atual crise que gerou um grande pessimismo sobre o futuro do Brasil e como o país chegou à mais profunda recessão em um século. Ele discorrerá sobre os erros que levaram à crise, como e porque a recuperação econômica surpreenderá os brasileiros. Além disso, irá apontar como sustentar essa recuperação inicial e as lições e o legado da crise brasileira.

 

Otimista convicto, em seu livro “Depois da Tempestade” Amorim afirma “que uma das coisas mais graves que essas crises conseguiram fazer conosco foi nos convencer que esse país não tem jeito. Como eu estou convencido do contrário, eu resolvi escrever um livro”. Apresentador do Manhattan Connection, da Globo News, o livro do economista recebeu a análise de seu colega e também apresentador do programa,  jornalista Lucas Mendes: “Depois da Tempestade é um arco íris de bom senso, informações, análises e previsões que anunciam um Brasil próspero. O pote de ouro do Ricardo Amorim”.

 

“Estamos inseridos em um cenário econômico em que devemos entender como prosperar na crise e quais as oportunidades de negócio que ela traz.  É por meio de debates com lideranças como o Ricardo Amorim que podemos compreender melhor o cenário em que estamos inseridos, bem como construir um Brasil melhor, mais justo e desenvolvido”, complementa o gerente de Marketing da Editora Positivo, Fabricio Almada.

 

Ricardo Amorim é considerado uma das 100 pessoas mais influentes do Brasil pela revista Forbes Internacional e o único brasileiro incluído na lista dos mais importantes e melhores palestrantes mundiais do Speakers’ Corner. Ele tem uma leitura clara e objetiva de grandes tendências e transformações futuras da economia mundial e brasileira. Há anos, Amorim profere palestras sobre economia no Brasil e no exterior, incluindo os Estados Unidos, Europa, Japão e América Latina.

 

A palestra “Depois da Tempestade – Saindo da Crise” é uma realização da Araçá Eventos, de Curitiba. Tem o patrocínio de Justen, Pereira Oliveira & Talamini Advogados, Ativa Investimentos, Personaliza Turismo, com o apoio da Editora Positivo, Isabela França Comunicação e Nomaa Hotel. Os ingressos para a palestra estão à venda no Diskingressos pelo telefone 41 3315-0808 ou pelo site www.diskingressos.com.br

 
 



Comentar (0) »




| Próxima página »
Acompanhe Ricardo Amorim na mídia
Istoe

Artigos do Ricardo Amorim
/ LEIA

Manhattan Connection

Desde 2003, Ricardo é apresentador do Manhattan Connection, atualmente no canal Globo News
/ VEJA

Radio Eldorado

A economia pode ser um agente poderoso de transformação
/ CURTA


Opinião de Ricardo Amorim - Economista Independente