Feeds Ricardo Amorim Facebook Ricardo Amorim Twitter Ricardo Amorim Linkedin Ricardo Amorim Youtube Ricardo Amorim

Governos só se sustentam quando o país cresce

postado em Palestras | Vídeos


09/2018

Fórum de Economia Gazeta do Povo

 

 
 



Comentar (0) »




Países emergentes estão gerando 3 vezes mais crescimento de renda do que os países ricos

postado em Palestras | Vídeos


09/2018

Congresso ANDAV 2018

 

 
 



Comentar (0) »




Price freezes, false magical solutions and the ruin of Latin America

postado em In English


09/2018

By Ricardo Amorim

 

 

According to Albert Einstein, doing the same thing over and over again and expecting a different result is a sign of insanity. Many Latin American politicians must be insane.  There is no shortage of experiments with price freezes, but there was never a successful one. Yet, our politicians keep trying. The most recent disaster happened in Nicolás Maduro’s Venezuela. The government decided to fix and control the prices of basic consumer products.

 

There are two types of consequences when you fix and control prices. The first, as was the case, when the fixed price is below what it should be if defined by a balance between supply and demand for the product, that is, the price defined by the market. If it is lower than it should be, everyone will want to buy the product, but no-one will want to sell it. Result? The product vanishes from the market, shelves sit empty and whoever did not get the product will have to do without it, as the shortage of food in Venezuela clearly shows. In Brazil we have often lived the same script in unsuccessful economic plans in the 80s and the first half of the 90s.

 

The opposite happens when prices are fixed above market prices. This is what is happening in Brazil with controlled freight rates. When the set price is higher than it should be the producer or service provider is happy to sell it, but no-one wants to buy their product or service and the producer or service provider is stuck with the product or service. Result? Once again, set prices end up harming both who wants to sell and who wants to buy. In Brazil, freight rate control was intended to help truckers, but it is putting them out of work to such a point that strong rumours hint at new strikes.

 

In short, magical solutions by our populistic politicians never work. With elections knocking on the door, it is more important than ever to remember that and to avoid the political siren song promising benefits at no cost. There is a solution for Brazil, but it does not require just integrity and good intentions, it requires discipline and sacrifice from all of us. As it is easier to be elected by promising the sky rather than by telling the truth about the required sacrifice, Latin American politicians insist on the madness of preaching the same false solutions that are forever doomed to fail. It remains to be seen if voters also suffer from the madness of continuing to vote for bogus “magicians” – only to regret it. Hope not.

 

Ricardo Amorim is the author of the best-seller After the Storm, a host of Manhattan Connection at Globonews, the most influential economist in Brazil according to Forbes Magazine, the most influential Brazilian on LinkedIn, the only Brazilian among the best world lecturers at Speakers Corner and the winner of the “Most Admired in the Economy, Business and Finance Press”.

Click here and view Ricardo’s lectures.

 

Follow me on: FacebookTwitterYouTube, InstagramMedium e LinkedIn.

 

Translation: Simone Montgomery Troula

 
 



Comentar (0) »




A hora da verdade

postado em Artigos


09/2018

Por Ricardo Amorim
 

 
Depois dos últimos anos, achei que nada mais me chocasse no Brasil. O atentado contra Bolsonaro provou que eu estava enganado. Fomos de discursos cada vez mais radicalizados de lado a lado a uma ação horrenda. Não foi só o Bolsonaro que sofreu um atentado. Foi a democracia.
 
Espero que este ato abominável cause a reversão da polarização e radicalização crescentes que vêm tomando conta do Brasil há anos e não a aceleração destas tendências. Mais do que nunca, precisamos de líderes com coragem para enfrentar privilégios que afundam o país, mas também com capacidade de unir os brasileiros e não nos dividir. Não é através do ódio que vamos sair dessa.
 
O Brasil não é o primeiro e não será o último país a enfrentar o desafio de se reconstruir. A História ensina que este processo exige líderes iluminados, firmes no enfrentamento de tudo que está errado, mas capazes de unir, ao invés de dividir mais seus povos. A pergunta que fica é: será que nossos líderes vão se provar à altura do desafio?
 
Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedInúnico brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner, ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças, presidente da Ricam Consultoria e cofundador da Smartrips.co e da AAA Plataforma de Inovação.
 
Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.
 
Clique aqui e conheça as minhas palestras.
 
Siga-me no: Facebook, TwitterYouTubeInstagramMedium e LinkedIn.
 
 



Comentar (1) »




2008: O Ano que Nunca Acabou

postado em Artigos


09/2018

Por Ricardo Amorim

 

 
Há 10 anos, o banco americano Lehman Brothers quebrava e a crise imobiliária americana tornava-se, de vez, uma crise financeira global. Em resposta a ela e de olho nas eleições de 2010, o governo Lula contratou centenas de milhares de funcionários públicos, desequilibrando as contas públicas, e descuidou da inflação. Nem ele nem Dilma nunca reverteram as políticas econômicas expansionistas. Os desequilíbrios de contas públicas, contas externas e a inflação só pioraram, culminando com a mais longa e profunda crise econômica da história brasileira que, somada a infindáveis escândalos de corrupção e à crise política, levou ao impeachment de Dilma.
 
Temer assumiu enrolado no mesmo modus operandi de Dilma, com quem foi eleito, o que impediu seu governo de tomar medidas necessárias para recolocar o Brasil de vez na rota do crescimento econômico. Caberá ao próximo presidente fazer as reformas econômicas que ainda faltam.
 
Em resumo, 10 anos depois, ainda vivemos as nefastas consequências dos erros de política econômica e do caos político aqui no Brasil deflagrados pela quebra da Lehman Brothers e exposição da corrupção.
 
Ricardo Amorimautor do bestseller Depois da Tempestade, apresentador do Manhattan Connection da Globonews, o economista mais influente do Brasil segundo a revista Forbes, o brasileiro mais influente no LinkedInúnico brasileiro entre os melhores palestrantes mundiais do Speakers Corner, ganhador do prêmio Os + Admirados da Imprensa de Economia, Negócios e Finanças, presidente da Ricam Consultoria e cofundador da Smartrips.co e da AAA Plataforma de Inovação.
 
Quer receber meus artigos por e-mail? Cadastre-se aqui.
 
Clique aqui e conheça as minhas palestras.
 
Siga-me no: Facebook, TwitterYouTubeInstagramMedium e LinkedIn.

 
 



Comentar (2) »




| Próxima página »