Novo patamar do dólar. Será?

Revista IstoÉ

08/2013

Por Ricardo Amorim

 
Economistas, empresários e a mídia tem encarado os níveis atuais da taxa de câmbio como um “novo patamar”, segundo palavras até do ministro Mantega.
 
Desde que o regime de taxa de câmbio flutuante foi adotado em 1.999, são raros os períodos em que o dólar oscilou apenas dentro de bandas, sem tendência de alta ou baixa. Nestes quase 15 anos, isto ocorreu apenas duas vezes. Primeiro de maio de 2003 a abril de 2004, com o dólar entre R$ 2,80 e R$ 3,00; depois de maio a dezembro de 2012, com o câmbio entre R$ 2,00 e R$ 2,15. No total foram 20 meses, apenas 11% do período. Ciclos em que o dólar no Brasil subiu ou caiu foram oito vezes mais comuns.
 
Desde agosto de 2011, o real tem se desvalorizado. Este movimento se aprofundou a partir de março deste ano. Dois fatores externos causaram a desvalorização, intensificados por alguns fatores internos.
 
A desaceleração econômica na China reduziu a procura e o preço das matérias primas que exportamos, diminuindo a oferta de divisas no país.
 
Recentemente, o banco central americano, o FED, sinalizou que, com a economia americana em recuperação, vai interromper a injeção de enormes volumes de dólares, o que elevou a taxa de juros nos Estados Unidos, atraindo investimentos e fortalecendo o dólar.
 
A estes fatores externos somaram-se, em um primeiro momento, atuações do nosso Banco Central para enfraquecer o real. A seguir, vieram preocupações com o rumo da economia brasileira, com alta da inflação, crescimento decepcionante do PIB, medidas do governo para reduzir a rentabilidade de investimentos e manifestações nas ruas, criando incertezas políticas e econômicas.
 
Com tantas pressões, é bastante natural que o real tenha perdido valor. Enquanto a maior parte delas persistir, a tendência de desvalorização continuará.
 
O governo brasileiro adotou várias medidas para tentar reverter este quadro. A mais recente foi a promessa de venda de US$ 60 bilhões em derivativos cambiais nos próximos meses. Isto elevará a oferta de dólares no mercado brasileiro, mas isoladamente não será suficiente para estabilizar o real nos patamares atuais por períodos longos.
 
Em algum momento nos próximos meses, uma inversão de tendência da taxa de câmbio, com o real se valorizando, deve ocorrer porque os fatores externos que levaram à desvalorização do real estão mudando ou mudarão em breve. A queda do real e demais moedas dos emergentes foi consequência de surpresas positivas com o crescimento nos países ricos e negativas nos países em desenvolvimento nos últimos trimestres. Este desequilíbrio irá se corrigir de uma forma ou de outra.
 
A possibilidade otimista é que o crescimento dos países ricos estimulará as exportações e a recuperação dos emergentes, melhorando suas balanças comerciais e sua capacidade de atrair investimentos e fortalecendo suas moedas, incluído aí o real.
 
Pode, porém, ocorrer exatamente o inverso. O baixo crescimento e as moedas desvalorizadas dos emergentes reduziriam suas importações, abortando recuperações ainda incipientes nos EUA, Europa e Japão. O FED seria forçado a voltar a estimular a economia americana, expandindo a oferta de dólares no mundo, levando a cotação do dólar a cair.
 
Não planeje suas viagens, importações e exportações para os próximos anos, baseando-se nos atuais patamares do dólar. Quem fez isso no final de 2002 ou de 2008, quando o dólar chegou a atingir respectivamente R$ 4,00 e R$ 2,80, se deu mal. Desta vez, não deve ser diferente.
 
Ricardo Amorim
 
Apresentador do Manhattan Connection da Globonews, colunista da revista IstoÉ, presidente da Ricam Consultoria, único brasileiro na lista dos melhores e mais importantes palestrantes mundiais do Speakers Corner e economista mais influente do Brasil segundo o Klout.com
 
 

Share on linkedin
LinkedIn
Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

Relacionados